Quinta-feira, 17 de Agosto de 2006

NA HORA DOS CONTABILISTAS

000by63z

Na pausa frágil da guerra, surge a hora dos contabilistas com costela de urubu. Daqueles que elaboram o saldo entre vencedores e vencidos, puxando brasas às sardinhas de seu gosto. São os prosélitos dos balancetes de ganhos, perdas, culpas, impotências e desforras, deitando para trás das costas os choros, antes pungentes, perante as “suas vítimas”.

 

No caso recente do fogo no Médio Oriente, infelizmente, o que temos por agora é um adiamento, cansado e empatado, do primado da violência sobre a tolerância, a política, o diálogo e a diplomacia. Onde, mais cedo ou mais tarde, se vai voltar a ouvir cantar mísseis e rockets nas terras martirizadas. E, neste sentido, e para já, nenhum dos lados beligerantes é vencedor ou vencido. Apenas descansam, esperam e recalculam o momento julgado certo para voltar ao canto das armas.

 

Mas mesmo quando não há vencedores, vencidos sobram em todas as guerras. Também nesta, agora em intervalo. Em primeiro lugar, vencidas são as vítimas que, como em todas as guerras, representam os principais (por vezes, únicos) vencidos. Os libaneses que caíram e os que choram os seus mortos e as suas outras perdas entre escombros no rasto de destruição da sanha cruel e retaliatória da impiedosa máquina de guerra de Israel. Igualmente, os civis israelitas caídos sob os rockets do Hezbollah disparados por fanáticos amparados pela agitação propagandística de tudo quanto é anti-americano e anti-israelita espalhados nas sete partidas a curtirem a orfandade da falida dicotomia bipolar da guerra fria.

 

Para reforço da nossa vergonha, há um outro vencido – nós, europeus. Incapaz de se unir e ter força, a Europa demonstrou, mais uma vez, a sua impotência em se impor na ordem e no direito internacional, com força militar equivalente à ambição política ajustada à sua dimensão como potência económica, desempenhando um papel charneira e moderador. Essencialmente, porque, entre os europeus, continua a prevalecer o que divide sobre o que une. Mostrando que somos mais propensos à burocracia que à eficácia e à autoridade. E esta autofagia euro-céptica leva os europeus à desculpa escapista de, em vez de apostarem numa Europa forte, preferirem o despeito complexado perante uma América demasiado forte e que se gostaria fosse fraca.

 

Que esperar dos ímpetos calculistas dos presumidos vencedores (e, pelos vistos, todos os aparelhos das partes beligerantes como tal se classificam) se os vencidos - as vítimas da metralha mais os europeus de verbo fácil mas sem vergonha nem honra nem sequer força – nada quiserem aprender?  Agora vão-se contar as baixas, reconstruir, ajudar, puxar os cordões á bolsa, enquanto os contendores se rearmam para a desforra. Para, em próxima oportunidade, se voltar a chorar as vítimas, os vencidos do costume.  

Publicado por João Tunes às 00:51
Link do post
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO