Sábado, 5 de Agosto de 2006

AS VÍTIMAS E O ESPECTÁCULO

000asc7r

O impacto noticioso, sobretudo via televisão, vive de sangue, morte, crime, drama, dor, vítimas (sobretudo se velhos, mulheres e crianças). Esta é a escolha do sensacionalismo e a culpa dos consumidores que querem isso mesmo – beber sangue, contemplar a morte, condenar os criminosos, chorar por vítimas na sede de muitas vítimas. Assim, o sensacionalismo casa-se com a morbidez sádica e autoflagelante dos públicos. A mistura, sob a lei das “shares”, dá nos noticiários que temos.

 

A sensação televisiva, muitas vezes, serve um dos contendores, sobrelevando as causas e as problemáticas. O lado que mostrar mais vítimas, mais sangue, mais dor, sobretudo mais crianças mortas ou a chorar, marca mais pontos. Muitos mais. É um lado perverso das tragédias. Mas incontornável.

 

No actual conflito no Médio Oriente, como no passado recente das inimizades sangrentas naquela e outras regiões, temos um exemplo repetidamente exposto da dualidade na exposição da dor mais os efeitos colaterais em termos de propaganda. Se um homem-bomba se fizer explodir num mercado de Telavive ou um rocket do Hezbollah cair em Haifa, a televisão mostra imagens normalmente “pouco interessantes” -  perímetro de segurança imediatamente montado, ambulâncias a circular rápido, serviços de emergência médica a funcionarem com prontidão. Em Israel, não se perde tempo a expor as vítimas, é preciso levá-las de imediato ao hospital e, perante os doentes e os mortos, usa-se a descrição e o pudor do respeito perante a dor e a morte. Uma bomba israelita num prédio do Líbano, arrasta a desorientação, a anarquia, o caos, os choros prolongados pelas vítimas, a exposição demorada de corpos estilhaçados pelas bombas. E quantas vezes chega primeiro a manifestação convocada para repúdio e anúncio de vingança que as ambulâncias. Para o repórter de televisão, filmar num atentado em Israel, reduz-se a imagens fugazes e entrevistas aos responsáveis pela segurança e com médicos. Fraco, muito pobre, em termos de impacto de imagens. Numa bomba sobre Beirute, é o regabofe histérico de muitas, poderosas e chocantes imagens com sangue, dor e morte, repetidas até à exaustão. Comparando pelo efeito através da imagem, porque as vítimas não se comparam (elas são igualmente deploráveis, uma que seja, árabe ou judia), a modernidade israelita “vende” menos que o caos muçulmano. Mas também disto se fazem as guerras, a valorização das vítimas, a propaganda, as causas para os burgueses refastelados assistirem à guerra em directo. Lá longe, pela televisão, fácil é escolher a “causa boa” e a “causa má” - como contam as imagens, vendo para crer, contam as vítimas enquanto expostas e mediáticas, não as vítimas como vítimas.

-----------------

Adenda: O Manuel Correia deu-se ao trabalho inspirado de dar uma versão reversa deste post. Agradeço e recomendo a leitura. Sobretudo porque demonstra que a imaginação e a ideologia estão bem vivas. E vamos voltar a cruzar-nos em cavaqueira ainda sobre o mesma tema de fundo. "Aquilo" está para durar e, pelo já visto, os dois teimamos em "andar por aí". 

Publicado por João Tunes às 17:52
Link do post
De Manuel Correia a 6 de Agosto de 2006
Viva João Tunes,
escrevi há pouco, no PUXA-PALAVRA, um poste em que sustento que o aparente desfavorecimento de Israel na guerra das imagens é o resultado de uma escolha dos estrategas hebreus e não um sintoma de antipatia dos media de grande circulação.
Que te parece?
Abraço
Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO