Segunda-feira, 29 de Agosto de 2005

ESCOLARIDADE E CHOQUE TECNOLÓGICO

i2_0067a.jpg

Através de posts e de comentários, o Miguel Silva tem levantado e tratado a questão de o nível português de escolaridade secundária ser não só o mais baixo da UE como cerca de metade do valor relativo espanhol.

É de, facto um valor terrível – 80% da nossa população não completou o ensino secundário (a IO completou este quadro com a indicação que só muito recentemente se chegou aos 50% dos que completaram o ensino escolar obrigatório, ou seja, os que terminaram com aproveitamento o 9º ano).

Projectando estes números para o ensino superior, chegaremos decerto a números ainda mais desanimadores, face aos padrões europeus, quanto ao número relativo de bacharéis e licenciados.

O que significa pois o resultado da explosão da frequência do Secundário e da Universidade após 1974? Primeiro, que foi uma explosão fraca e insuficiente (um quase fogacho se compararmos com o que se passa além fronteiras). Segundo, havendo de facto um enorme alargamento que dá uma quase sensação de banalização do acesso à Universidade por parte dos jovens, a recuperação do atraso medonho de ignorância e de desqualificação que o fascismo nos deixou como herança, leva décadas a superar.

Entretanto, a nível cultural na “expressão popular” (a mesma que pauta a aversão pela política, pelos políticos e pelos partidos), atenuou-se a tendência reverencial pacóvia para com o “senhor doutor” e “senhor engenheiro” para ir cedendo terreno à consagração do desagrado para com “todos quererem ser doutores ou engenheiros e faltar é gente para trabalhar” (típico de uma sociedade cristalizada na desvalorização do Saber, na teologia do Ter e no empurranço da apreciação do Ser para o pároco, o chefe e a família) .

Concomitantemente, desgraça maior, o mercado de trabalho mostra-se incapaz de absorver um grande número de recém-licenciados e muitos deles são obrigados a, camuflando as suas habilitações “excessivas”, procurarem a sobrevivência económica através de postos de trabalho de fraca qualificação.

Ou seja, os nossos indicadores de escolaridade e qualificação são baixíssimos, faltam empregos para os que se qualificam, socialmente tem baixado o prestígio dos que progridem com sucesso nos estudos.

Como sempre, a pergunta que se impõe é “que fazer?”. Como, neste quadro de aparente beco-sem-saída, dar a volta, procurando afirmar uma nova competitividade em maiores valores incorporados e acrescentados, o que só pode passar por uma mão-de-obra qualificada, a incorporação das modernas tecnologia e na afirmação da diferenciação? E o Miguel Silva acrescenta a estas preocupações uma pergunta-sentença atirada (julgo) à cara do governo e que apanhei por ricochete - ”que choque tecnológico se pode implementar quando 80% da população não completou sequer o ensino secundário?”

Chegado ao ponto de síntese e desânimo do Miguel Silva, surge também a minha discordância para com este tipo de ponto de vista. Porque não vejo que haja forma de gerir no tempo um faseamento social em que qualificamos primeiro e evoluímos depois. Se a exigência e a oportunidade de qualificação não aparecem (de forma a que seja gratificante para um licenciado terminar o curso e entrar no mercado de trabalho) a motivação pela qualificação vai falecendo. E sem esta motivação, aumenta a probabilidade de crescer o abandono e o insucesso escolares. Porque, há que reconhecer, não é imaginável que a melhoria dos indicadores se processe pela mobilização nacional para melhorar as estatísticas.

Nenhum País muda da noite para o dia (trinta anos não foram suficientes para escolarizar decentemente este País!). E as mudanças não só se fazem faseadas como têm, também, de decorrer em vários patamares consonantes. E o fio da meada encontra-se através de um elemento de catálise na mudança. Quanto às motivações para isso, julgo que seja perder tempo esperar que elas se processem pelas mudanças de atitude ou de posicionamento cultural. Terão de surgir factores objectivos que empurrem e imponham a mudança e a tornem gratificante (ou seja, útil e factor de prestígio e de estatuto remuneratório). Assim, o busilis, o mais dramático, o grande impasse, não estará na preocupante desqualificação da nossa população, encontrando-a na fraca e insuficiente receptividade empresarial, social e cultural (política, enfim) às fracções qualificadas que vão surgindo e não são absorvidas. Porque a nossa estrutura empresarial e de actividades continua, esse o nó cego, a assentar predominantemente na competitividade através da qualidade sofrível e do baixo custo salarial (incapaz, já hoje, de se bater com os “especialistas” nestes “produtos” – China, Índia, Paquistão, etc). Ora, não é precisamente a ideia de catálise do desbloqueio que enforma o slogan programático (tão desapreciado quando não ridicularizado pelos do "contra") do “choque tecnológico”? Estarei, caro Miguel, a ser mais socrático que Sócrates? Ou o meu caro amigo descrê, por questão de princípio, de tudo que venha daquela banda?
Publicado por João Tunes às 02:22
Link do post | Comentar
7 comentários:
De Joo a 31 de Agosto de 2005
Agradeço os comentários e as achegas. Saltei fora por dificuldades no acesso à net. Recomposto, fiz novo post para retomar esta agradável conversa.
De Pedro a 29 de Agosto de 2005
Ta fx sim senhor... ja agora passem por Http://semtido.blogs.sapo.pt e comentem;)
De macsilva a 29 de Agosto de 2005
Correcção: em vez de "constitua", naturalmente, "constituamos".
De macsilva a 29 de Agosto de 2005
São muito antigas as teses de que a educação é não só factor de desenvolvimento mas factor de desenvolvimento do desenvolvimento. Tais teses, que nunca foram provadas em lado algum, parecem assentar que nem uma luva ao nosso caso: estamos subdesenvolvidos porque o nosso nível de escolarização é (sempre foi) baixíssimo. Mas, também entre nós, a validade da tese é apenas aparente. Houvesse procura de força de trabalho qualificada, paga convenientemente, e ela apareceria em pouco tempo, como tem acontecido por todo o lado.
É claro que nos surpreende e nos causa desconforto ver hoje pessoas da nossa geração, escolarizadas, exprimindo-se e falando com o mesmo embotamento que há quarenta anos víamos nas pessoas com a nossa idade de hoje, como se a passagem do tempo tivesse tido como efeito fazer renascer os velhos atavismos de então. Constatar esta velha Fénix renascida, é o que me choca mais.
Por isso, me ponho a pensar se o problema não estará em nós e no que nos rodeia: o que somos, de que as nossas elites são apenas o espelho; e o que resulta da nossa relação com tanto sol e tanta praia, numa área tão pequena. Causa da nossa indolência, um tal produto foi tido como indústria natural, compensadora do engenho que nos faltava e factor de desenvolvimento. Também ele parece que falhou, porque sendo baixos os salários e o custo de vida relativo, baixíssimas acabam por ser as divisas que tal panaceia gera.
Nós e o sol, e as temperaturas cada vez maiores que em vez de nos assustarem nos deliciam, é que talvez constitua o problema maior deste nosso fado. Porque diminui o ritmo do trabalho e embota o pensar, esta maldita simbiose não nos favorece em nada. E com as alterações que já ocorrem na corrente do Golfo as coisas só tenderão a piorar. Contra isto, não há choque tecnológico que nos salve nem governo que nos valha.
De IO a 29 de Agosto de 2005
Mas, naquilo a que a lei chama 'profissionais qualificados e altamente qualificados', estes ascendem (2003) a 40.6% e os 'quadros médios' e 'superiores' a 14.8%, o que significa que os três grupos são metade dos activos com emprego.

Quanto aos empresários, penso que falta o mesmo que aos restantes cidadãos, a cultura do risco e um pouco menos de 'coorporativismo' no cérebro... e, claro, já lá vão os fundos mal gastos, que 'primeiro eu e, depois, a 'pátria' logo se vê...
De Miguel Silva a 29 de Agosto de 2005
Não é por descrer em tudo o que vem das bandas deste governo, embora já descreia muito. Até concordo, por princípio, com este tipo de apoios públicos. O João entende que o choque tecnológico tem a vantagem de gerar necessidade de mão-de-obra qualificada. Julgo que isto faz todo o sentido. Mas temos um condicionalismo estrutural que passa pela extrema fragilidade do tecido empresarial. Há uns tempos correu uma outra estatística que versava sobre o nível médio de escolaridade (também assustadoramente baixo) do empresário português. Ora, para que o choque tecnológico gere oferta de emprego qualificado (e, consequentemente, de remunerações adequadas e de prestígio social), é preciso que seja implementado. Assim sendo, pergunto agora: têm as empresas nacionais, na sua maioria micro ou pequenas empresas, geridas por empresários também eles sem qualificações, de implementar uma mudança organizacional deste calibre? Por ter dúvidas dessa capacidade é que prefiro dar ênfase à capacidade da mão-de-obra qualificada gerar um tecido empresarial diferente e, assim, operar a transformação a partir de dentro.

Como é claro, a minha pergunta-sentença, se era para atirar à cara de alguém, era à do governo. Mas aproveitei para variar e usar também outros cantinhos, para além do VE. São as consequências de se ter cantinhos acolhedores; uma pessoa sente-se sempre mais à-vontade para falar.
De IO a 29 de Agosto de 2005
A nível do Ensino Superior Universitário, a percentagem é de 10.8% em 2003 - eu, já no local dos números, à segunda-feira...

Que fazer?, Antes de querer mais doutores, primeiro que tudo assegurar que, os que saem do ensino obrigatório, não o façam sem saber ler, escrever e contar - infelizmente a primeira vergonha do nosso ensino. E, quanto a mim, que já fui professora, a culpa é de quem acabou com os exames no final do 1º ciclo do ensino básico (antiga 4ª classe).
Como é fácil de enganar e manobrar um cidadão nestas condições, seja no banco, mercearia, etc., etc...

Comentar post

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO