Quinta-feira, 27 de Julho de 2006

A CULPA DIREITISTA DO DIFOSFATO DE CLOROQUINA

0009zf88

Um dos muitos palermas com blogues abertos sem a auto-desejada audiência, com o vício da cobardia da clandestinidade coberta pela valentia do pseudónimo, cumpre a saga de tantos seus falhados parceiros – pintalga com sentenças radicais os blogues de outros. Os célebres e até os modestos (em que se inclui o meu que é tão tão modesto que dispensa sitemeter para não se envergonhar com a sua mísera “share”).

 

É caso, entre muitos casos, para tratamento de falha narcísica por padecimento de males na autoestima. Mas quem sofre e não se quer tratar, chateia outros. E nós outros, os que mostramos a cara e assinamos com o nome, não andamos cá para os aturar? Até certo ponto, sim. Se não passarem o ponto, é claro.

 

Pois um desses parvos acobardados, especializado (diz ele) em apanhar moscas, meteu detrito no meu post anterior sobre a nobre, valente e imortal manif de ontem frente à Embaixada de Israel. E lavrou condenação desta forma lapidar: será que a direita foi acometida de cretinice... doença para a qual ainda não há vacina?”. Fiquei chocado, mais que indignado, perante os retratos dos meus estimados pergaminhos de esquerda que tão árduos e penosos trâmites me custaram no corpo para os poder emoldurar. E um tipo, seja de direita, de esquerda ou do centro, se deita as molduras vividas todas para o lixo, fica feito o quê quando olha para o espelho da vida?

 

O primeiro impulso foi dar bofetada de silêncio como resposta ao palerma anonimado. Depois, fiquei a remoer sobre se ele, afinal, não teria a sua sábia razão de, nas minhas curvas e contracurvas, ao estar por Israel e pelos judeus [eu, que não sou nem judeu e muito menos israelita, apenas ateu graças a deus a tentar pensar pela única cabeça que tem em cima do pescoço], preferindo-os aos bombistas por Alá, merecer que ele me aponte o dedo (tratando-se de um jurado encapuçado e encartado em questões da linha geométrica-política de demarcação direita/esquerda), mostrando-me, como aviso, um cartão amarelo alaranjado perante o meu resvalar para a direita imperial e sionista. Porque, aprendi com a idade, para nos termos em atenção e boa postura na formatura, é melhor um vómito de um inimigo que um elogio de amigo. Pois pensei e repensei, revi tudo que Brecht ensinou sobre a técnica de distanciação, analisando-me e revendo-me, e afinal … dou-lhe razão. Só que a culpa não é minha. Ela cai toda, a cem por cem, no difosfato de cloroquina.

 

Resolvida a localização salvadora do meu químico-fármaco a funcionar como bode expiatório dos meus desvios políticos, passo a apresentar o resumo das razões cientificamente provadas (que me servem, no caso, ás mil maravilhas). Há um ror de tempo, tomo pastilhas de difosfato de cloroquina, entre os seis fármacos que o meu médico, atento ao evoluir desbragado da minha velhice, me manda ditatorialmente meter goelas abaixo sem falha de um único dia de folga. Só que, no caso gravoso do difosfato de cloroquina, os efeitos secundários avisados são os de perda de percepção da cor vermelha (!). Assim sendo, não querendo contrariar o saber médico do meu atilado clínico assistente, tenho de viver o que me resta de vida com a perda continuada da minha capacidade de distinguir o vermelho entre as demais cores. Como, entretanto, o meu benfiquismo não se queixou das doses de difosfato de cloroquina [muito pelo contrário e até porque já lavrei testamento a exigir a bandeira do Glorioso em cima da minha última cama a caminho do crematório], só posso deduzir que a progressão na minha aversão quimicamente provocada ao vermelho se concentra e esgota no meu resvalar político da esquerda para a direita, quiçá sem travar ao centro. Para mais, haverá coisa mais de direita que não ser contra as judiarias no Médio Oriente?

 

É isso. E obrigado ó “apanha-moscas” na clandestinidade. Mas nota bem, relata lá ao teu patrão Jerónimo, a culpa não é minha, é do difosfato de cloroquina! Se ele não sabe disso que consulte um camarada fármaco-químico. Mas se não quiser chegar a tanto, um qualquer médico também serve como consultor. Mesmo que seja da banda da direita sionista.

 

 

 

Publicado por João Tunes às 00:25
Link do post | Comentar
3 comentários:
De a.leitão a 27 de Julho de 2006
Ó João Tunes, desta foste apanhado. A isto é que eu chamo reacção desproporcionada, afinal o gajo tem é letra. Se o ÁLÁ lhe mandasse uns coiros para cima o tipo ia a correr era p´ró Bush.
Jerónimo e Sta Bárbara!
De C.S.A. a 27 de Julho de 2006
Vou-me a rir a bom rir com este subliminar post.
De luikki a 27 de Julho de 2006
só o facto de, abusivamente, me teres tratado por tu me leva a responder-te.
por norma, ignoro indivíduos que se arrogam qualidades ou estatutos que só eles reconhecem.
lamento que sejas incapaz de perceber que fazes parte do grupo dos palermas com blogue aberto.
e fico muito agradado que duas singelas linhas que expressam a minha opinião te tenham levado a tais cuidados e a escreveres um texto de quilómetros carregado de bílis e disparates.
aconselho-te a consultar outro médico. o difosfato de cloroquina deve ter mais efeitos secundários, que nesta fase da doença és incapaz de reconhecer, e que te estarão a afectar aquela parte do corpo que fica entre as orelhas....
as melhoras!
ps - presumo que te referes a jerónimo sousa quando escreves sobre um jerónimo "patrão"...
mais uma vez está errado!
sou o patrão de mim próprio e penso pela minha cabeça!
ps2 - se não gostas de comentários que não te convém, fecha-os... (isso tu não fazes, são o teu "sitemeter") ou, se 2 linhas minhas te provocm tanta raiva bolqueia o meu ip!

Comentar post

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO