Quinta-feira, 28 de Abril de 2005

Ó MANUEL, NEGOCIAMOS UM EMPATE?

capt.sge.jsw30.240405232644.photo00.photo.default-380x253[1].jpg

Aceito a crítica do Manuel Correia quando me atira “last but not least o nosso amigo e vizinho João Tunes (Água Lisa 2) apaga um post humorado em que se referia ao Cardeal Ratzinger como o Pastor Alemão”.

Aliás, verdade se diga e fique desde já certificado, eu concordarei com tudo o que o MC escrever nos próximos tempos. Devido à alegria do prazer de o voltar a ler nesse tesouro blogosférico que é o Puxa Palavra, um blogue feito por gente vivida, reflectida e de palavra afiada mas sensata (pese embora - ressaibo de lampião - a lagartagem estimada que por lá habita e que já me levou ao impulso ímpio de aqui pendurar o emblema rival).

Mas, no caso, não é só concordar por concordar. Mais que isso, é entender o fundo decantado nas palavras do MC. E o alerta que elas ressoam. Se bem entendi, o efeito de auto-censura da capacidade crítica e desconstrutiva dos republicanos de espírito face ao poder do Vaticano mediatizado e a ameaçar ocupar espaço de poder totalitário por via de assalto teocrático tentado sobre a soberania laica que tanto custou conquistar e se vê não estar consolidada.

Terá alguma razão o MC, mas não lhe dou toda a razão.

A minha antipatia pelo Vaticano e por Ratzinger não sofreu beliscadura. E acho que um Papa, um Papa a sério (e este não tenho dúvida que o será, já o sendo), não merece a indulgência do estado de graça que se costuma dar a governantes pecadores da política e na política. Além do mais, seria uma ofensa ao Espírito Santo, julgando-o capaz da leviandade de inspirar escolha conclávica de um “vira casacas” relativamente ao que foi a sua praxis cardinalícia. E há quantas décadas os portugueses se habituaram à presença tutelar (pelo menos, em negócios) do Espírito Santo? Mais que qualquer outro povo, o português sabe dos atributos larguíssimos do Espírito Santo (para mais, aqui, onde não é mero vértice de um triângulo mas se apresenta organizado em Grupo) e da forma eficaz como nos ilumina através de regimes (fascismo e democracia) e de governos de partidos (PS ou PSD ou PP). Por tudo isto, não acredito, não posso acreditar, nas mensagens que abundam por aí de propagação da esperança que Bento e Ratzinger serão duas e diferentes pessoas. E se Ratzinguer Cardeal foi péssimo, não vejo que o Papa Bento XVI possa ser óptimo ou sequer aceitável. Quando muito, o refúgio de esperança é que não dure demais e a “tchernenko” venha a suceder “gorbatchov” (não de vermelho vermelhão, mas de púrpura).

No entanto, o post que reneguei tinha uma via de facilidade de imagem e de associação que me pareceram, depois e após ajuda do alerta crítico de um companheiro – o Carlos Gil - Xicuembo -, como sendo primário e até ordinário porque amarrava Ratzinguer ao seu passado de adolescente nazi, causticava-o por aí, ou seja, na sua fase de vida menos responsável. E o trocadilho canídeo com o “pastor alemão”, não me pareceu, depois e a frio, de recomendável gosto. Pensando melhor, achei e acho que este Papa (que considero um péssimo Papa e que representa o pior do ressurgimento do pior Vaticano) merece combate de nível mais alto, não lhe baixando a guarda no afã de o deitar abaixo pela rasteira ou pela canelada. Assim, julgo que mais que auto-censura, a minha contrição foi ditada pelo desejo de não subestimar o (melhor, um) adversário. E não estou arrependido.

Quero-te, caro amigo MC, activo e bem activo na blogosfera. Bem penámos já pelo teu demasiado silêncio. Levas as Taças todas, se necessário. Mas, neste teu aparte, perdoe-se-me a sovinice, não levas os três pontos, contenta-te lá com um que é o prémio regulamentar para os casos de empate. E segue o abraço que é oferta da Liga.

Adenda:
O Manuel Correia, barreirense adoptivo como eu (parafraseando outros, os das camisolas às riscas, só eu sei o que esta cumplicidade significa), deu troco ao meu troco. E coloca questões que também a mim (só a nós?) preocupa. E que julgo merecerem debate antes que debater seja heresia de Estado. Daí ter entendido puxar-lhe a “réplica” deixada nos “comentários” para aqui:

”Amigo João Tunes, Aceito o empate. Acho-o justo. Aqui para nós, nem pedia tanto. Tal como outros dos teus amigos, que tanto prezas, não vou ao homem, mas à bola (às ideias). Nada me chateia mais de que o excesso fulanizado que ameaça a serenidade de qualquer boa discussão. Confesso que fiquei um pouco surpreendido. Para além de já não falarmos há tempo, e sem embargo de compreender tim-tim por tim-tim a tua couraçada argumentação, ao velejar na tua "Água Lisa", deparei-me com um fenómeno que supunha (e suponho) raro entre nós. Podemos exceder-nos - gentes de muita emoção e espontaneidade - e dar bronca, eventualmente. Por mim, já perdi o conto às vezes em que tal me aconteceu, na blogosfera e fora dela. A tua «cedência» impressionou-me mais pela visão que os deuses me proporcionaram - a constelação das rábulas católicas em Madrid, Dili e... aqui - do que pelo direito que obviamente tens de manipular o teu blogue como achares melhor. Pensei: ora aqui está um bom pretexto para tomar o pulso ao João Tunes. E tu, caro e diligente amigo, percebeste, como aliás era de esperar. O empate, que venho fraternalmente buscar ao “Água Lisa 2”, favorece-me. No domingo passado espreitei um pouco do Herman SIC. Ele e a Ruef apresentaram uma paródia que chalaceava com o Vaticano e o Papa, designadamente publicitando uma linha de produtos designada «Habemos Papa». A plateia, nada. Gelada. Os actores à rasca. Aplausos só no fim e já a propósito de uma graçola lateral. Fiquei perturbado. Compreendi que voltámos ao tempo em que a perda de sentido de humor vem outra vez de sotainas. Nestas coisas, estou com os católicos que sabem rir-se e compreender que o humorismo só pode beliscar as crenças fracas e os dogmas que a suma hierarquia da Igreja de Roma teima em promover como identidade de todos os crentes. Já pediram perdão a Galileu. Antes do fim do milénio hão-de pedir perdão às mulheres. Se pudesse apostava.”
Publicado por João Tunes às 16:20
Link do post
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO