Terça-feira, 6 de Junho de 2006

IGUALDADE PELA VIA DA ESTATÍSTICA?

0000dtfs

Felizmente, para cada tema, muitas são as sentenças. Nada que tenha que intrigar. Ou, sequer, que seja estranho. Porque não há um formato para o pensamento. Nem para a opinião. Tão simples quanto isso.

 

O Miguel e outros(as) estão em discordância comigo e com outros(as), sobre a questão das “quotas” e da “paridade” que, por via legislativa, se pretendem proporcionar às senhoras portuguesas. Normalíssimo. Mas, se ele me permite dizer assim, o seu último post sobre o tema tem não só uma alta dose de sofisma como de juízo de intenções sobre o pensamento divergente. Além de que, “trabalhando” o raciocínio da opinião oposta, caricaturando-a e deformando-a, tenta “facilitar” a defesa da “sua dama”. E o uso destes expedientes por parte do Miguel é que me intrigou, tendo-o eu, como tenho e mantenho, na conta de um cavalheiro na arte da discussão e do exercício do contraditório.

 

Porque a questão, caro Miguel, não é qualquer preconceito de que as senhoras não saberão fazer bom uso das “quotas”. Se, como nos casamentos, for “de sua livre vontade”. Ou sequer se merecem estar em “paridade” ou mesmo em “supremacia”, em toda ou qualquer actividade ou exercício de poder. Essas são ideias já da pré-história do machismo. As questões são outras e bem simples -  primeiro, as senhoras devem ser libertas da suspeita de chegarem onde chegam (e, por mérito delas, cada vez chegam e chegarão a muito mais) à pala da asa protectora das “quotas”; segundo, a ascensão por mérito deve ter por base a vontade da ascensão e do uso da ribalta. Porque, quando as senhoras não querem, em paridade de opção com os homens que o desejam, ser militares, polícias, presidentes de câmaras, deputadas ou dirigentes partidárias, isso é, deve ser, um exclusivo problema delas. E quantas são as vezes em que não o querem por compreensíveis razões “higiénicas” e que só ilustram a recusa. Assim como um “voto em branco” tem o mesmo valor de opção que um voto numa lista ou numa personalidade. Impor a “paridade” para ultrapassar problemas de vontade, só pode dar numa “pesca forçada” para “preencher quotas”, em que, forçosamente, o mérito real cede perante o paternalismo da paridade “martelada”. Que, no mínimo, contamina por igual da suspeita de protecção se fulana ou sicrana chega onde chega por mérito ou por “falta de melhor”.

 

Bem sabemos todos, os “pelas quotas” e os “contra as quotas”, que o busílis da questão está na desigualdade de condições sociais, económicas e culturais, mais a disparidade na repartição das obrigações domésticas e do trato dos filhos, entre os cavalheiros e as damas. E o problema maior, que indisponibiliza grande parte das mulheres para o exercício de cargos partidários, é que, na esmagadora maioria dos casos, as mulherem sofrem (somando o trabalho profissional com o trabalho doméstico e o tratamento dos filhos) de uma "carga de trabalho" muito superior à dos homens. Com uma boa ajuda de quase todas as religiões, onde, por regra, mais se difunde o atavismo serôdio da “inferioridade feminina” ou até do “pecado feminino”. E a luta contra tudo isto, os nós do problema, é que não deviam ter tréguas, nem sequer descanso. Resolver o problema “por cima”, administrativamente, acaba por, afinal, mascarar as causas reais da falta de paridade, a de facto. Congelando a evidência das causas da desigualdade. Se isto é um preconceito, então é por este preconceito que estou contra a menorização das senhoras, conservando-as no tempero avinagrado da sua “promoção” pela condição de pertencerem a uma “espécie protegida”.

 

Abraço, caro Miguel.

Adenda: A ler, em "contraditório", a tréplica do Miguel. Por mim, as diferenças de pontos de vista estão perfeitamente aclaradas. Ao fim e ao cabo, julgo, trata-se de uma questão de "vias" para chegar ao mesmo fim. E, sendo assim, afinal, a polémica até o foi muito pouco. É mais problema de "trânsito" que de opinião. E é por isso mesmo que não me parece justificar-se a tal Lei.

Publicado por João Tunes às 11:19
Link do post | Comentar
3 comentários:
De Gabriela a 9 de Junho de 2006
O problema é que o trânsito está engarrafado e por isso é que é necessária a lei.

A opinião do Miguel Silva pareceu-me, ao contrário de ser sofisma ou caricatura, uma seta no alvo de muitas argumentações do contra. Neste poste houve um girar de ancas, em que não é o nr. de mulheres com mérito que está em causa, mas o nr. de mulheres que querem entrar na política. E porque é que elas não querem entrar na política? Porque não têm tempo. Portanto, primeiro é necessário mudar as mentalidades para que elas tenham mais tempo. Sentemo-nos portanto à espera. Enquanto isso as poucas mulheres que arranjam o tempo para entrar na política têm que submeter-se à maioria dos homens que marcam reuniões para o fim da tarde, excepto se houver futebol. Então já se pode fazer uma excepção e passar os trabalhos para a manhã. Assim, se vive a política neste país.
De Teresa a 16 de Junho de 2006
Este post já está lá vai, mas que importa? A questão é que a minha filha de 5 anos achava que nunca poderia ser presidente da república ou ministra por ser menina. Por isso para mim tanto faz: que venham as quotas ou então que os senhores de S. Bento e de Belém comecem a vestir saias e a maquilharem-se. Assim é que não.
De Teresa a 17 de Junho de 2006
Retiro o comentário anterior até ocasião mais propícia ... é esta minha mania de ler os jornais (e blogues) de traz para a frente ...
Até breve!

Comentar post

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO