Terça-feira, 26 de Outubro de 2004

RESPOSTA A UM APELO AO DEBATE

delegados.jpg

Num post, o Altino Torres, assume-se como “comunista de voto”, identificando-se com o PCP “sobre um certo ponto de vista ideológico” (que não explicitou). Depois, lamenta que “quase ninguém fale” sobre a sucessão de liderança no PCP e verbera que em vez de “um debate de ideias presentes” se insista nas ideias “calcinadas por preconceitos datados” como a “antiga União Soviética” e o “facto de ser o PCP um partido anti união europeia”.

Dissesse o Altino que era militante do PCP, e eu ficaria caladinho que nem um rato. Porque, então, haveria uma desproporção quanto a espaços próprios de discussão e a blogosfera seria mais um sítio de ruído que de troca de ideias. Como fala na qualidade de “eleitor”, então o caso muda de figura, uma “igualdade” está estabelecida (seremos ambos só eleitores, embora com escolhas diferentes – eu voto, por regra mas sem contrato, CDU nas autárquicas e PS nas restantes escolhas) e julgo que algum debate é possível. Quanto a preconceitos, já não terei grande certeza em que eles não venham para cima da mesa (os meus, pelo menos), mas isso logo se vê. Haja elevação e os preconceitos poderão ser mondados durante a ceifa (pouco ortodoxo mas enfim).

Sobre a sucessão de Carlos Carvalhas, já lhe dediquei mais que um post. Até, atrevimento de um eleitor, me pronunciei sobre quem devia ser o próximo Secretário Geral, naquilo que me parece ser a única e última hipótese de haver uma inversão de marcha na tendência de declínio de penetração política e social do PCP. Portanto, neste peditório, quem estará em falta será o Altino de que não conheço a sua posição (a menos que a resposta esteja no refúgio de “o Congresso é que decide”).

Estou de acordo com o Altino, embora não utilizasse os mesmos termos (mas isso é questão menor), sobre a “necessidade de regeneração efectiva de um partido que detém sobre si a responsabilidade de levar a cabo uma postura séria e capaz, eivada de propostas políticas justas e mais próximas de todos aqueles que vivem em condições menos interessantes e, por isso, têm necessidade de não serem apenas lembrados em épocas eleitorais”. Porque a resposta a muitos dos anseios das camadas marginalizadas (sobretudo dos pontos de vista social, económico e dos direitos fundamentais) necessita de uma representação que não tem expressão nos restantes partidos à direita do PCP (PS incluído). E a coisa (o vazio de preocupação e de representação) agravou-se com a opção do PS por Sócrates. E, pelo que se vê, para as práticas sindical e autárquica do PS não se vislumbram medidas regeneradoras e revigorantes. Continua pois a haver um largo espaço de representação de anseios à esquerda do PS. E aqui, naturalmente o PCP tem um desafio de saber ou não saber lidar com esta fatia de cidadania e de eleitorado. E a medida em que segura a sua penetração declinante na “fuga para o voto útil” (PS), para o radicalismo bloquista ou para a abstenção (e, qualquer dia, para o populismo de direita).

O busílis está no desejo do Altino em que o debate, falando-se do PCP, nãos se calcine na “antiga União Soviética” e nas questões europeias. Mas essa agenda não é imposta de fora. É intocável vinda de dentro, na defesa de uma intra-caracterização. Para estas questões saírem da conversa, é necessário que, primeiro, o PCP as resolva e nos diga como as resolveu. Se alguns pressupostos de identificação são “pedras de toque” (o marxismo-leninismo, o centralismo democrático, a sacralização do Sector Empresarial do Estado, a amizade com Cuba e a Coreia do Norte, etc), como passar-lhes ao lado? Será possível? E como? (pergunto agora eu)
Publicado por João Tunes às 13:08
Link do post
Comentar:

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO