Terça-feira, 26 de Outubro de 2004

FALANDO EM DENTISTAS

dentista.jpg

Engalinho com idas ao dentista. Não por falta de resistência à dor que a tenho em suficiente medida. Mas é o aparato. Sentar-me, abrir a boca e assim ficar desguarnecido e indefeso. Olhar a mesa repleta de objectos de tortura. Ter uma luz forte nos olhos como se me arrancassem uma confissão que nunca poderá sair porque a boca está bloqueada por um tubo que cospe ar e líquido e que borbulha na língua, deixando-a sem poiso. È sempre o mesmo: sento-me e apetece-me logo fugir.

Já paguei caro a minha resistência a ir ao dentista. Da última vez, fui lá com uma moínha e para atalhar umas primeiras dores. Antes que fosse tarde demais. Entrei, indiquei o dente dorido, esperando uma brocadela e uma chumbada, sai com dois dentes a menos. Paguei os atrasos com juros. Mais juros ainda vou ter de pagar.

E dizendo isto, também digo que nada tenho contra os dentistas. Pelo contrário. Tenho até um que me preza com a amizade, desde que, em tempos me assistiu no seu consultório de bairro. Enturmámos no mesmo gosto de conversa, ele passou a deixar-me sempre para último cliente, eu de boca aberta, ele com os vagares de fim de serviço, tudo feito sem pressas, terminada a função, ali ficávamos mais meia hora divagando por temas vários. Ele tinha vivido em Angola e no Brasil, por essas terras e gentes nos perdíamos em memórias cruzadas, dávamos uma volta pela política, depois acabávamos em facetas da condição humana, nos pequenos dramas e alegrias que fazem as vidas. Acabou por ir ocupando cada vez mais tempo das conversas pós-serviço, falando-me da sua maior mágoa e maior ternura – um filho deficiente mental e motor profundo. E, de cada vez, o final era sempre ver acender-lhe um brilho especial nos olhos e ele confidenciar-me o último avanço e novidade – uma reacção positiva a um estímulo, um soletrar, uma esperteza nova, uma traquinice que ele contava e pontuava com uma gargalhada de imensa felicidade e orgulho. Na altura, não conhecia o rapaz de vista, mas imaginava-o através do contar daquele pai babado.

A partir de certa altura, vim a conhecer o Luciano, o filho do meu dentista que andará, agora, pelos treze anos. E vou-o vendo com regularidade. A carrinha da escola de deficientes trá-lo para o consultório do pai e só daí, mais tarde, segue para casa. Confirmei a realidade das suas deficiências profundas mas em que a superação progride a olhos vistos. Há muito pouco tempo, só se movia com amparo, não conseguia controlar os movimentos, nada falava que se entendesse. A partir de uma certa altura, passou a ir ao café lanchar na companhia da recepcionista do consultório. Ela tratando-o com uma ternura disciplinadora para não lhe dar azo a refugiar-se e explorar a sua diminuição. Um dia, o Luciano recusou-se a completar o lanche e insistiu categórico, autoritário mesmo, na aquisição imediata de um chupa-chupa. A empregada negou. Ele refugiou-se numa expressão profunda de amuo e desgosto, recusando mover-se. Como protesto, meteu-se em greve de reacções e o olhar deixou de sequer adivinhar-se. A empregada cedeu e mandou vir o chupa. Num ápice, o olhar do Luciano rasgou-se num riso aberto de gostar o mundo escancarado. Um espectáculo de mudança do comportamento humano.

Ultimamente, o Luciano, está cada vez mais solto e mais guloso, já vai sozinho ao café, sempre a rir-se, deixa cair as moedas no balcão, profere a palavra “chupa” e aponta com o dedo a sua preferência. A gulodice funciona-lhe como estímulo para vencer barreiras.

Vai lá, o Luciano. Mais depressa que eu entrar no consultório paterno e abrir a boca à tortura.
Publicado por João Tunes às 00:38
Link do post | Comentar

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO