Segunda-feira, 29 de Maio de 2006

UM LIVRO MATOU A ESPINGARDA

Gosto do som do “tá-tá-tá-tá” de uma espingarda. Não fazendo mal a uma mosca, sendo um pacífico e um pacifista, tenho um gosto discutível, como todos os gostos, pelo “tá-tá-tá-tá”. Tenho não, TINHA (mas isso fica mais para o fim).

Certo é que as espingardas matam. E, em certas circunstâncias, até matam muito. Por vezes (as mais das vezes?) até matam quem não devem e estão em mãos que deviam estar quietas e não a disparar. Mas, já antes das espingardas, era assim. A guerra e a morte são mais velhas que as espingardas. As espingardas, culpa única, vieram foi ajudar a matar melhor e mais, ajudando a ganhar guerras justas ou injustas. E a melhor de todas as espingardas o que acrescenta, às outras não tão boas, às guerras e à morte, é matarem ainda mais e ainda melhor que as outras espingardas, permitindo mais guerras e mais mortes. Além de terem um “tá-tá-tá-tá” diferente, um som personalizado e que fica melhor no ouvido, uma marca sonora que a distingue. Até podendo ser, caso talvez de perfídia estética, uma coisa bonita de se ver e agradável no mexer. Em caso extremo, se for verdade que a guerra comporta muito de sexualidades reprimidas ao serviço de um grupo, uma espingarda nas mãos até terá o seu toque erótico, um género de sucedâneo prolongado de um pénis mortífero em erecção sempre pronta, uma volúpia na dialéctica entre a vida e a morte, coisa que, dizem os entendidos, o acto sexual também será.

Lamento decepcionar os decepcionáveis, mas não falo da nossa querida G3 (bem boa e grata espingarda!), a noiva das “comissões” fardadas e do PREC, a noiva com que tantos casaram á força, a companhia que não “nos” faltou nos calores e medos da guerra. Nem da célebre M-16 que não chegou aos americanos para ganharem no Vietname. Falo, antes, da espingarda automática (a chamada “espingarda de assalto”), infelizmente rival da nossa querida G3, a espingarda mais apreciada, usada e difundida no mundo – a famosíssima “Kalachnikov”, por vezes tratada carinhosamente pelo terno diminutivo de “Kalach”. Ou, respeitando a nomenclatura oficial, pela burocrática designação de “AK-47” [em que “AK” é a abreviatura de “Espingarda de Assalto Kalachnikov” e “47” refere o ano do início da sua produção na ex-URSS (ainda com o “Pai dos Povos” em forma quanto a saúde, paranóia e despotismo)]. O certo é que a “Kalach” é unanimemente, independentemente de a usar ou ser por ela alvejado, considerada a maravilha máxima, em tecnologia, em concepção, em eficácia e na beleza das linhas, entre as espingardas jamais dadas ao mundo desde que, ao mundo, a “Kalach” veio parar. Vejam que até Bin Laden, que nas escolhas não parece ser parvo, não dispensa sentar uma “Kalach” ao colo das saias quando aparece naqueles vídeos para assustar os americanos e o resto do mundo. E não haverá guerreiro ou guerrilheiro, contra-guerrilheiro também, que não gostasse de ter uma “Kalach” para combater. Ainda é assim e ininterruptamente desde que apareceu a sua primeira versão em 1947 por mor de decreto presidencial do “Zé dos Bigodes” e génio de um obscuro inventor (até à “perestroika”, a sua identidade era secreta por ser considerada “segredo de Estado”).

Nunca escondi a minha curiosidade, admiração e inveja, uma espécie de fascínio castrado por nunca lhe ter pegado, desde que me foi dado ouvi-la e vê-la “do outro lado”, o lado dos patriotas guineenses, nos idos tempos da guerra colonial. Para acalmar esta minha obsessão, tenho procurado, persistentemente, saber mais e mais sobre o nascimento, vida e obra da “Kalach”. Finalmente, um livro encheu-me as medidas, tanto que me esgotou o interesse por tudo quanto seja espingarda (o que já não era sem tempo, bolas, sempre foram 37 anos a pensar no raio de uma espingarda!). Agora sim, livre da obsessão no sortilégio da “Kalach” posso, finalmente, sentir-me livre e solto para me dedicar a grandes e boas causas – contra a exclusão social (fazendo corpo de combate com o Presidente Aníbal), a ajuda aos pobres (militando num Confissão com capela aberta), a defesa do ambiente, a luta contra o tabagismo, a homofobia, o racismo e a xenofobia, o fim da violência doméstica mais a pública, a defesa da "classe operária" (fazendo bis), a luta contra a “gripe das aves” e tudo quanto seja a boa conservação e melhoria da saúde pública. Causas assim ou parecidas. Boas causas. Para o MIC do Alegre, isso não, para esse peditório já dei o meu voto, com muito gosto mas chegou. Só boas causas. Com o terminar súbito e dorido da paixão para com uma espingarda. O que um livro consegue, deus nosso!

O livro a que me refiro é uma pequena autobiografia do inventor da “Kalachnikov” (*), recentemente editada em Portugal, o qual, para não destoar, se chamava Kalachnikov também. Isto é, a espingarda chamou-se “Kalachnikov” porque o seu autor assim se chamava. A vida do sujeito, ainda vivo e activo (contando 83/85 anos, um pouco mais que Mário Soares), teve uma trajectória interessantíssima, tirando a parte “balhelhas” como o homem pensa a política e o mundo de hoje, pois ajuda a entender o prodígio e a odisseia de um sargento autodidacta ter concebido aquilo que os sábios, cientistas, engenheiros, ali ou noutra parte do mundo, nunca chegaram – a maravilha da espingarda leve, fiável, segura, resistindo a todas as poluições, bonita, fácil de desmontar e de fabricar.

Como disse, vencido o amor enciumado e tortuoso (enquanto traição à nossa querida e germanizada G3) pela bela “kalach”, não quero mais saber de espingardas. Agora sim, serei o pacífico e o pacifista perfeitos. Tentarei, pelo menos. Adeus "tá-tá-tá-tá".

(*) “Kalachnikov, autobiografia do inventor da mais famosa metralhadora do mundo”, Mikhail Kalachnikov (com Elena Joly), Ed. Terramar.

Imagem: Mikhail Kalachnikov promovendo, para a exportação da indústria russa de defesa, a espingarda que concebeu e deu fama ao seu nome.

Publicado por João Tunes às 18:21
Link do post
Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO