Sábado, 10 de Novembro de 2007

ORALIDADE E HISTÓRIA (1)

 0025r5eb

 

 Manuela Cruzeiro (*), através de um interessante e oportuno post, recoloca a questão do valor no trabalho histórico, em termos de rigor, da recolha testemunhal por via oral. E descompõe um velho preconceito historiográfico de aversão à oralidade como fonte de recolha da memória, que dogmatiza a valia dos documentos escritos como carpintaria exclusiva na pesquisa histórica. Não deixando de alertar:  

 

Não discuto que os documentos orais (exactamente como os escritos) têm que estar sujeitos à crítica, mas não apenas à crítica da comunidade científica, que como a própria história tem abundantemente provado não é imune àquilo que tanto teme e pensa esconjurar: embustes, falsificações ou manipulações.

 

Obviamente que manipulação tanto existe pelo legado escrito como pelo depoimento oral. E se os constrangimentos manipuladores não são da mesma natureza, ou mesmo de idêntico grau, admitindo-se que a via da oralidade convida a uma retórica justificativa mais elaborada do personagem e do seu grupo de afinidade, o certo é que a recolha de depoimentos orais permite, ao contrário da rigidez do documento depositado (com um eventual manipulação sepultada e difícil de questionar na sua cristalização), a aplicação de técnicas dinâmicas de entrevista, com exploração de pontos escuros e a detecção de contradições, mais ampliar o desbravar da memória. Isto para não se falar da amplitude de recolha que a oralidade permite, quando os personagens históricos ainda estão vivos, permitindo chegar-se a muitos mais depoimentos dos que ficam depositados como herança escrita espalhada por vários arquivos (quando estes os recolhem e estão acessíveis) e ir-se além, na foto histórica do acontecimento, da perspectiva das figuras secundárias ou passivas dos acontecimentos pois que o memorialismo escrito normalmente se circunscreve aos líderes dos acontecimentos (os mais interessados, também, em manipular a herança da memória).

 

Num livro recentemente editado, a que já aqui nos referimos e cuja importância enaltecemos, que resume a tese de doutoramento de Irene Pimentel sobre a(uma) história da PIDE, a autora assumiu explicitamente a opção por se cingir ao suporte documental escrito depositado em vários arquivos, abdicando totalmente do recurso a qualquer testemunho oral. Justificou-se a historiadora dizendo que eventuais testemunhos de agentes da PIDE iriam contaminar os factos (nomeadamente quanto à prática sistemática e institucionalizada da tortura) pelo inevitável discurso desculpabilizante que acabariam por distorcer o retrato histórico da PIDE como realidade policial do fascismo português. A opção é, naturalmente, não só legítima como eticamente meritória. No entanto, Irene Pimentel socorreu-se abundantemente quer dos relatórios fabricados pela própria PIDE (e esses relatórios, para além do objecto da informação, não só justificavam pessoas como tendiam a enaltecer a instituição, envernizando a sua eficácia) como de alguns livros publicados com memórias de alguns dos quadros policiais. E não deu, o que foi pena (mas talvez por ela não existir) a medida de distinção entre o poder manipulador de um livro de memórias de um agente policial e o conseguido por um depoimento verbal desse mesmo esbirro. Porque a confirmação e o cruzamento entre fontes, cuidado a que naturalmente a autora assumiu e se obrigou, tão possível é entre papéis escritos como entre registos orais e, ainda, uns com os outros.

 

No fundo, a história vive da construção de lógicas humanas e sociais reconstruídas pela acumulação de sinais e testemunhos (o máximo de testemunhos, independentemente da fonte e da forma de recolha), com peneira constante das manipulações (ponto ideal que se atinge numa sequência de “tentativa e erro”, como acontece com qualquer ciência). E quanto a manipulação, se a sua prevenção primeira cabe ao historiador (que mais não seja por dever académico) a última, quiçá a mais importante e decisiva, cabe ao leitor que tem de lidar com o labirinto das fontes utilizadas no trabalho histórico (procedendo a uma “segunda peneira”) como ao próprio acto manipulador do historiador (ele também um “manipulador” enquanto “interessado” na síntese percebida do acto de memória tentada).

----

Nota inútil: Como se nota à légua, este post é arroubo arrogante de um leitor de história (calejado, por imperativo de lucidez tentada, a ler, em várias leituras, as "histórias" publicadas) que, surrateiramente, se enfiou nos quês do mister reservado aos encartados na poda do fazer(-nos) história. Oxalá esta declaração expressa, penando por desnecessária, conte com a benevolência das duas admiradas autoras aqui citadas e às quais este cidadão muito agradece os contributos que deram à reconstrução da memória histórica, desejando-lhes(-nos) próximos acrescentos.

-------     

     

 

(*) Autora de um vasto espólio de recolhas de depoimentos orais, vários editados em livros, de figuras ligadas ao 25 de Abril. Este aturado e talentoso trabalho de Manuela Cruzeiro é, hoje e para memória futura, consulta obrigatória para o entendimento de aspectos essenciais da gestação do 25 de Abril e do PREC. E, em vez de “acrescentar manipulação”, os livros de Manuela Cruzeiro são fontes necessárias para relativizar e baixar o nível de ruído manipulador que os “documentos oficiais”, as “notícias” e os “comunicados partidários” transportam para dentro dos arquivos.

Publicado por João Tunes às 17:44
Link do post | Comentar
8 comentários:
De Augusto a 12 de Novembro de 2007
Caro João,
O meu comentário não deve ser entendido, de forma
alguma, como uma crítica à obra de Irene Pimentel.
Tenho grande admiração pelo excelente trabalho que
tem realizado e também pela sua pessoa.
Não é frequente, em Portugal e sobretudo no meio
académico, alguém responder de forma tão rápida e
simpática a comentários colocados num blog como IP
tem feito.
Um abraço.

Comentar post

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO