Terça-feira, 23 de Outubro de 2007

TEMPO DE INSULTAR DEIXAR DE SER GRÁTIS

0023zcb3

 

É bom que se leia: “Varias sentencias judiciales empiezan a poner coto a la impunidad en la Red - Los casos de 'cibervandalismo' obligan a muchas páginas a moderar el 'tráfico'”.

Obviamente que esta questão será sempre polémica. Dê-se a volta que se der. Mas, de qualquer forma, a cobardia do “cibervandalismo” tem de ter seu termo sob risco de a blogosfera se transformar num chiqueiro que a cobardia (e a maior parte do lixo disfarçado de “comentário” tenta ser anónimo), pensando ser impune, utiliza para defecar. E concordamos que um autor que permite, em nome do princípio abstracto da não censura, o depósito no seu blogue de actos de “cibervandalismo”, é não só conivente com a sua proliferação como co-responsável pelo lixo que permite que o seu blogue transporte, devendo responder como seu co-autor. Aqui, reafirmamos o princípio (regra editorial do autor): “toda a discordância é permitida e bem vinda, agradecida até, mas para o insulto e a prosa-lixo, dirigida ao autor ou a terceiros, descarrega-se o autoclismo”.

Publicado por João Tunes às 16:12
Link do post | Comentar
3 comentários:
De nelson anjos a 24 de Outubro de 2007
A análise, bem como a crítica implícita no texto, afiguram-se-me, no mínimo, de alcance profundamente reduzido e redutor.

Em boa verdade, na minha opinião, os principais produtores de lixo da blogosfera são, antes dos comentadores os próprios bloggers, com a sua abundante – mas na generalidade de fraca qualidade – produção. A velocidade de rotação do produto, imposta pela concorrência e pela necessidade de satisfazer a cultura de consumismo instalada (também na blogosfera) leva a que a qualidade – e o tempo de reflexão necessário, quer a quem a produz quer a quem a consome – ceda inexoravelmente lugar à superficialidade e ao lugar comum. E é esta prolífera produção que constitui, antes de qualquer outra coisa, as toneladas de blogolixo, que me parecem dificilmente removíveis através de medidas de natureza administrativa (e ainda menos com simples descargas de autoclismo).

Por mim, hoje, quando me refiro a um blog e digo dele que é bom, o que quero dizer é que, no vertiginoso e imparável fluxo diário de vulgaridades, na generalidade comum a todos, de vez em quando publica um texto cuja qualidade justifica a leitura e a necessária reflexão.

Embora o tema dê pano para mangas, não estando em casa própria resta-me apenas remeter os frades e as beatas mais puristas, das sacristias da blogosfera, para a necessidade de, em vez de atacarem as manifestações do mal, atacarem a sua origem: eles próprios e a sua cultura de consumismo do post diário (para já não falar dos muitos posts diários).

Para todos os efeitos julgados necessários, aqui fica a minha identificação conforme consta do meu BI:

Nome: Nelson do Rosário Anjos
BI nº 1589399 de 28 de Dezembro de 1998 – Lisboa
Naturalidade: Alcobaça
Data de nascimento: 28/04/1945
Estado Civil: divorciado
De João Tunes a 24 de Outubro de 2007
Concordo que há muitos blogues-lixo. Mas esses não incomodam ninguém, não se lêm e pronto (é como os canais-lixo na tv, os jornais-lixo e os livros-lixo). No meu caso, tenho a minha selecção (só consulto uma parcela ínfima da blogosfera) e ela é dinâmica. Com os "comentários"-lixo é diferente. Eles penduram-se num blogue alheio, em boleia, atrelando-se e parasitando responsabilidade de outras pessoas. E se cada um responde pelo que escreve num local por si criado e sob sua pessoal responsabilidade, não tem de(não deve) asilar web-vandalismos alheios, co-responsabilizando-se por eles. Fica aqui publicitada a sua opinião negativa sobre a blogosfera de que não comento a sua eventual costela masoquista por perder tempo a ler e a consultar aquilo que tão veementemente detesta. E como desta vez não insultou ninguém livra-se do autoclismo.
De nelson anjos a 25 de Outubro de 2007
A pólis emergente, que é a weblog, e a nova domus – o blog – irão certamente dar também origem a uma nova ética de webcidadania. Mas ainda não estamos lá e, ao abrigo do velho direito, é indiscutível que na minha casa mando eu. De tal modo que, qualquer tentativa de fundamentar e dar força a este dado à priori – como diria Kant – terá sempre e só o efeito perverso de conseguir o seu contrário.

Não fora o arrazoado ingénuo de João Tunes (JT) – e apenas isso está em causa – ele estaria já confortavelmente desparasitado de mim, não gastaria mais gasolina a dar-me boleia e, – crime dos crimes – pouparia o precioso líquido do seu respeitável autoclismo.

Penso que se deve a Pacheco Pereira a teoria da “parasitagem bloguista”. Que, sagaz como é, a abandonou de imediato ao dar-se conta do pântano por onde se metia. Ficou contudo o cliché, que vai servindo como argumento último para dirimir contenciosos de escada, entre comadres desavindas.

Com efeito, queixarmo-nos dos malefícios da “parasitagem” prosseguida através das caixas de comentários, faz o mesmo sentido que, muito embora reconhecendo as virtudes da água, apontar-lhe o irritante “defeito” de ... molhar.

Estou profundamente persuadido que JT é um homem honesto e inteligente, e nem sequer aquele pequeno truque de me pôr a dizer coisas que eu não disse, para validar a sua crítica, é suficiente para abalar a minha convicção. Acontece porém que, nem o mais forte e saudável se encontra a resguardo de uma qualquer situação de crise. Veja-se o caso do BCP. Dizem os entendidos tratar-se de uma crise de crescimento. Pois que assim seja e que a de JT seja do mesmo tipo.

Aqui lhe deixo os meus votos de uma rápida recuperação. A Blogosfera precisa de si.

Nome: Nelson do Rosário Anjos
BI nº 1589399 de 28 de Dezembro de 1998 – Lisboa
Naturalidade: Alcobaça
Data de nascimento: 28/04/1945
Estado Civil: divorciado

Comentar post

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO