Quarta-feira, 10 de Outubro de 2007

NÃO SEJAM MAL AGRADECIDOS

00232sfe

 

Esta interpretação do líder da CGTP

 

O líder da CGTP disse hoje que as últimas polémicas entre o primeiro-ministro e os sindicatos têm um objectivo claro, considerando que José Sócrates está a tentar pôr um travão na mobilização para o protesto agendado para 18 de Outubro.

Em conferência de imprensa, Carvalho da Silva reafirmou que o caso da PSP da Covilhã não foi um caso isolado, mostrando-se convicto de que se trata de mais um episódio de uma estratégia mais vasta.

«O primeiro-ministro, com esta sua actuação de procurar a todo o custo radicalizar os protestos para os descredibilizarem, tem como objectivo diminuir a base de mobilização dos trabalhadores para a grande manifestação que vamos fazer por uma Europa Social e por emprego com direitos no próximo dia 18», afirmou.

 

não tem ponta por onde se pegue. O efeito natural das intervenções desastradas de Sócrates e de seus servidores com excesso de zelo, relativamente aos sindicatos, ao contrário do que afirma Carvalho da Silva, é, pela indignação gerada, a fundamentada e a empolada, aumentar o potencial de mobilização para manifestações e protestos. No caso, com o contributo adicional de todos os partidos da oposição que, como lhes competia, não perderam a oportunidade proporcionada para defenderem as “liberdades democráticas”.

 

O que Carvalho da Silva podia dizia, compreendendo-se que não o tenha dito, é que a mobilização para o dia 18 não estava a correr muito bem e agora, para compor as coisas, há que somar ao efeito directo das calinadas do governo, um eco e élan adicionais pela exploração da vitimização sindical e das liberdades ameaçadas a fim de tentar ferver uma mobilização morna. E, para tudo isso, Sócrates deu-lhes, à CGTP, ao PCP e ao BE, uma generosa ajuda.

Publicado por João Tunes às 18:42
Link do post | Comentar
10 comentários:
De pedro silva a 11 de Outubro de 2007
J.Tunes:
Mesmo que não tenha ponta por onde se lhe pegue
( vamos admitir que sim, para bem da lógica argumentativa) e pegando no post para o qual o J.tunes auto remete, a realidade é que o J.tunes, está cair num erro aqui: desculpabilizar o Sr Sócrates.

Ele pode ter toda a aversão que quiser a sindicatos. Não pode é dar instruções para que se proceda a intimidação dos mesmos, nem pode afirmar que faz diferenças entre sindicatos e professores. Como se um sindicato de professores não fosse constituído por professores mas por leiteiros.

O seu ponto acerca dos serventuários zelosos no post a que remete também dá que pensar. Mesmo que seja verdade o que descreve ( admito que sim para lógica do argumento...) o problema é que o caso ou casos deste tipo continuam-se a repetir. Se se continuam a repetir é porque o Sr Sócrates nada faz para que eles parem, logo, a omissão dele está a dar força aos actos dos serventuários zelosos. Isso não é de propósito?

Se nada faz para parar com os excessos dos serventuários não acha legitimo que se desconfie do carácter democrático do personagem? E que surja a contestação?

Mais: vamos supor que os professores não sindicalizados nem ligados a partidos políticos decidiam de repente fazer um sindicato independente.
Ele repetiria o mesmo discurso tentando colá-los ao PCP? Ou não?
Consegue o J. Tunes ter uma resposta para isso e honestamente dizer que o homem não iria imediatamente atacar uma situação destas como o tem feito até aqui?

Você está a ser muito ...... tolerante ( à falta de melhor expressão) ...... para com o Sr Sócrates. Fica-lhe bem, mas o personagem já conseguiu demonstrar que não merece tanto apoio e tolerância. Pelo menos não merece o seu...
(mas isto sou eu que acho, por isso mande-me tomar banho...)
De João Tunes a 13 de Outubro de 2007
Esta é uma polémica inventada. Se ler aqui: http://agualisa6.blogs.sapo.pt/389564.html e aqui: http://agualisa6.blogs.sapo.pt/392462.html, verá que, no essencial, estamos de acordo. E eu escrevi: "Mas muito pior que o discurso de Cavaco Silva, inócuo mas bem intencionado, foi a gravíssima frase de comentário de Sócrates do “não confundam professores com sindicatos”, afirmando que está com os primeiros e não com os segundos. E esta declaração é tanto mais insuportável quanto a inoportunidade da data escolhida para a proferir. Porque é prova do mais profundo espírito antidemocrático tentar separar, ou colocar como polos contraditórios, sindicatos e sindicalizados. Poderia dizer que a educação é muito mais que o sindicalismo dos professores. Também podia acrescentar críticas às formas como os sindicatos dos professores resistem à reforma e à modernização do ensino. Até falar da excessiva politização do sindicalismo. Ou falar dos professores sem falar dos sindicatos. Mas nunca da forma como o fez, socavando politicamente um dos aspectos fundamentais do regime democrático, o da livre organização e actividade sindical. Para mais, relativamente a um sector sindical, onde não só a taxa de sindicalização é alta como é das mais plurais em termos político-sindicais." e "Sócrates perdeu a cabeça com a febre do seu sindroma sindical. São muitas e seguidas as suas calinadas (graves) neste domínio. E, como era previsível, os seus tiques autoritários de nojo serôdio pelos sindicatos encontraram logo terreno fértil para que uma legião de pequenos e médios subordinados servis quererem "apresentar serviço" para agradar ao chefe, típico dos bem conhecidos papistas zelosos. Sobretudo da parte dos que servem no campo da ordem (GNR, PSP, governadores civis). A obsessão antisindical de Sócrates, se ele não se curar depressa, acarta a água necessária para que o moinho da instrumentalização política dos sindicatos ensaque uns alqueires bem medidos de farinha de indignação e luta. Enquanto Sócrates se vai transformando num caso mal cheiroso em termos de higiene democrática. E poderá ainda, se não meter freio, evoluir para um caso de alguém que conseguiu diplomar-se com um imerecido diploma de estatuto político se vier a cair pela pressão oferecida de bandeja a um grupo minoritário que constrói a sua força partidária através da manipulação persistente sobre uma força social cristalizada, mas detentora de um saber adquirido em movimentações organizadas por profissionais que delas dependem como modo de vida. Com a prestimosa ajuda colateral de um PS gordo e gorduroso, atento e obediente, e que, transformado em partido de eleitos e nomeados, se deixou deslizar da esquerda para o centro-direita, caudilhando-se a um líder cujo grande mérito político de afirmação foi ter metido um golo na baliza do "frangueiro" Santana Lopes. " Tolerante para Sócrates? Acha? Acha mesmo? Ou vc tem a ambição de ser ventríloco deste blogue, repetindo posições e linguagem?
De Rui P. Bebiano a 16 de Outubro de 2007
Toda a razão João. Bem posto o dedo na ferida. Frases dessas podem resumir-se a "os professores, em geral, até são boas pessoas. Há é para ia umas ovelhas ranhosas, sindicalistas, comunas, enfim gente de mau carácter, que não merece o nosso respeito"

E vá lá que desta vez estamos de acordo ;-)
De Carlos Delgado a 11 de Outubro de 2007
"O que Carvalho da Silva podia dizer, compreende-se , é que a mobilização para o dia 18 estava a correr muito bem e agora, para compor as coisas, há que somar ao efeito directo das calinadas do governo, um eco e élan adicionais pela exploração da vitimização sindical e das liberdades ameaçadas a fim de tentar ferver uma mobilização .
E, para tudo isso, Sócrates deu-lhes, à CGTP, ao PCP ao BE,e aos portugueses em geral uma generosa ajuda.
Correcção de um pedaço deste post .
Que com o devido respeito penso que se adapta melhor à realidade
De João Tunes a 13 de Outubro de 2007
Ora escreva assim, com as suas exactas palavras, lá no seu blogue. Porque aqui não se usam correctores ortográficos oferecidos por candidatos (falhados) a controleiros. Isto está mal mas ainda não chegámos a Cuba e à Coreia do Norte.
De Rui P. Bebiano a 16 de Outubro de 2007
João, acho que a parte relevante era o acrescento "aos portugueses em geral" e não qq correcção ortográfica.

Eu tinha pensado o mesmo, ainda bem que alguem se antecipou a dizê-lo e levou a "bordoada"...
De João a 13 de Outubro de 2007
Não concordo. No caso presente, Sócrates tenta usar as tácticas do senador Mac Carthy (de triste memória) para "radicalizar os protestos para os descredibilizar", o que "tem como objectivo diminuir a base de mobilização dos trabalhadores". É verdade!

Não terá contado o primeiro-ministro com a ira de todos aqueles que andam a protestar e não são comunistas...
De João Tunes a 13 de Outubro de 2007
Ena pá, já vamos no Mac Carthy...
De Anónimo a 15 de Outubro de 2007
porque será que o sindicato recebeu os agentes policiais?

Poderia e deveria não os receber e então denunciaria a situação, mas não lhes convinha.

Por tudo issso meus amigos, nesta história mal contada <NÃO HÁ INOCENTES<
De Anónimo a 15 de Outubro de 2007
não há inocentes,

quando uma autoridade vai a casa de uma pessoa tem de levar uma ordem do tribunal, ou então a entrada é-lhe recusada também por lei.

Mas foram recebidos pelo sindicato, sabe-se lá porquê?

Comentar post

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO