Segunda-feira, 24 de Setembro de 2007

CARRILHO E OS PARTIDOS

0020kcht

 

Manuel Maria Carrilho, num interessante artigo publicado no DN, aborda a questão da crise nos partidos (com destaque, naturalmente, para a situação no PS) e o perigo de a democracia sofrer de uma “implosão partidária”. Interessante é o contributo que também é canhestro e manhoso.

 

Do texto, destacamos:

Da gigantesca abstenção até aos valores obtidos pelos "dissidentes", da desmotivação dos cidadãos até à fragmentação dos eleitos, tudo veio ajudar a empurrar o descrédito partidário para limiares que podem ser verdadeiramente implosivos.

Porque a implosão está perto: ela apenas depende do agravamento de dois factores: por um lado, da ilusão que os independentes podem representar de um modo mais genuíno a sociedade civil na vida democrática. E, por outro lado, do bloqueador vazio que se vive no interior dos partidos, que se tornaram cada vez mais em organizações de eleitos sobretudo preocupados com a eleição seguinte.

Claro que nesta situação - e tendo por pano de fundo uma crise da representação política de matriz civilizacional - os equívocos se multiplicam com facilidade. E o dos chamados "independentes" pode na verdade ter consequências muito negativas para a vitalidade da democracia.

Trata-se com efeito de um equívoco, e por várias razões: desde logo, porque quem temos visto a disputar eleições (trate-se de Isaltino ou de Valentim, de Roseta ou de Carmona), não são independentes, mas meros dissidentes de ocasião, que só as circunstâncias obrigaram a mudar de rótulo.

E depois porque, com este contrabando de designação, se iludem dois factos incontornáveis: é que nem estes independentes são emanações mais autênticas da sociedade, nem se encontra no mundo um só exemplo de democracia que funcione com base em independentes. Isso simplesmente não existe, por muito que tal custe à nossa tão atrevida ignorância!...

Portugal está assim, três décadas depois do 25 de Abril, refém de uma poderosa tenaz política, entalado entre partidos profundamente esclerosados e uns ocasionais ímpetos independentistas, sem verdadeira coerência ou consistência.

 

Nesta espécie de lição pedagógica para a regeneração partidária, Carrilho confunde causas e efeitos, acabando por, na sua hierarquização dos “males”, lobrigar o ónus maior no malefício da epidemia dos “independentes”. Como se não fosse, precisamente, o “bloqueador vazio que se vive no interior dos partidos” a causa e o motivo (mais o espaço aberto) para os “independentes” atingirem relativos sucessos nas últimas pugnas eleitorais. Sobretudo se tivermos em conta que realizaram campanhas sem o apoio das poderosas e endinheiradas máquinas partidárias.

 

Curiosamente, na listagem das heresias “independentistas” (“dissidentes” chama-lhes Carrilho, copiando a linguagem condenatória do PCP), o articulista “esqueceu-se” de mencionar a candidatura de Alegre às presidenciais (porque será? um milhão e cem mil votos é de mais ou de menos para caracterizar uma apostasia?) e, no relativo às autarquias, refere Valentim e Isaltino, Roseta e Carmona, mas deixa no escuro do silêncio o “caso Felgueiras” (e que caso!).

 

Carrilho comete ainda, neste artigo, duas outras omissões de monta: primeira, que nas “legislativas” (a excelência na afirmação partidária e de onde sai o parlamento e o governo), os “independentes/dissidentes” não têm espaço de intervenção concorrencial; segunda, silencia o seu próprio contributo pessoal para a “implosão partidária” pois que, enquanto “homem de partido”, na penúltima eleição autárquica para Lisboa (uma eleição não contaminada com a concorrência de “independentes”) deu forte contributo ao descrédito das “candidaturas partidárias” (a campanha de Carrilho proporcionou a maior vitória do PSD para a CML) além da péssima oposição camarária que exerceu (em que primou pela omissão e pela vitimização).

 

Afinal, nem sempre quem se veste de pedagogo vai além da tentativa de fazer pastorícia de bodes expiatórios.

Publicado por João Tunes às 15:06
Link do post | Comentar
1 comentário:
De Guilhotina a 25 de Setembro de 2007
O discurso de Carrilho esfia-se nos seus próprios conteúdos, de tão inóquos e redundantes, como articulados na retórica.

Comentar post

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO