Domingo, 16 de Setembro de 2007

O CAIR DA MÁSCARA

001zpt5b

 

1. Justifica-se transcrever na íntegra o texto publicado no “Avante” editado após o encerramento da “Festa do Avante” por Albano Nunes (*):

 

O PCP é um partido independente que orienta as suas relações internacionais em função da sua natureza de classe e da sua posição simultâneamente patriótica e internacionalista. É o PCP que determina soberanamente as forças com que se relaciona e o modo como o faz, trate-se de partidos comunistas ou outras forças progressistas, legais ou clandestinas, no poder ou resistindo de armas na mão. O PCP conhece bem a dureza da luta e o valor da solidariedade para se deixar intimidar por campanhas de autêntico terrorismo político e ideológico como a desencadeada contra a Festa do Avante! a pretexto das sua relações com os revolucionários colombianos.
A História mostra que a luta armada é determinada pela violência da opressão e não o contrário. Lenine, já com a Revolução de Outubro no horizonte, ainda preconizou a transferência pacífica do poder para os sovietes. E se povos como os das colónias portuguesas, sul-africano, palestiniano ou timorense, cuja Resistência foi invariavelmente apodada de «terrorista» recorreram à força das armas, foi porque a alternativa era a mais negra e indigna submissão.

É a cada povo que compete escolher o seu próprio caminho libertador. Ao povo colombiano compete decidir o seu. Outro é o entendimento do imperialismo norte-americano que sempre considerou a América Latina o seu «pátio das traseiras» e que, perante a onda anti-imperialista e progressista que de desenvolve no continente, fez da Colômbia com o governo narco-militar de Uribe a ponta de lança da sua estratégia subversiva na região.
Depois de Israel e do Egipto a Colômbia é o país que recebe maior «ajuda» militar e financeira dos EUA. Não há porém «ajuda» que possa resolver os problemas sociais e políticos de um país dominado por uma oligarquia tirânica, encharcado de esquadrões da morte, com milhares de presos políticos, gangrenado pelos cartéis da droga, profundamente injusto e desigual.

E é por isso que, apesar da violência terrorista da repressão as forças democráticas resistem com grandes acções de massa, obtêm os melhores resultados de sempre nas ultimas eleições, derrotam nas montanhas as sucessivas investidas militares que há 40 anos visam destruir as forças guerrilheiras. E é por isso que, contra a vontade de Uribe e do seu patrão norte-americano, se abre hoje a possibilidade de concretização do «acordo humanitário» proposto pelas FARC de troca de prisioneiros por combatentes presos nos cárceres governamentais. Não se trata ainda da Paz, «uma paz verdadeira, assente necessariamente na justiça social» que os revolucionários colombianos há muito propõem. Mas em qualquer caso um passo na direcção certa. Por isso, em lugar de dançar a música de Washington e de caluniar e criminalizar os comunistas e demais revolucionários colombianos, os governos deveriam considerar seriamente a Carta Aberta de Raul Reis de 6 de Setembro e reconhecer às FARC a sua qualidade de força beligerante. É isso que deveria fazer o Governo de Portugal, um país que teve a sua própria revolução libertadora e cuja Constituição «reconhece o direito dos povos ( ...) à insurreição contra todas as formas de opressão». Presidindo neste momento à União Europeia, daria assim uma valiosa contribuição para a solução do conflito colombiano. É uma questão de vontade política, coragem e respeito pelos valores de Abril.

 

2. O texto é esclarecedor em si mesmo. Para além da reafirmação moral e política da violência como estratégia de tomada do poder, há adesão de solidariedade às FARC, não só não há a mínima condenação da sua prática sistemática do sequestro como as vítimas sequestradas são classificados como “prisioneiros”, o recurso à venda de droga é só praticado pelo “governo narco-militar de Uribe” e a “violência terrorista” é indicada como um exclusivo do governo colombiano. Quanto à solução para o “problema colombiano”, ela é simples: acatem-se as propostas das FARC.

 

3. Antes da “Festa do Avante”, a denúncia do apoio do PCP às FARC, já antes manifestado pelo “Avante” e pela presença habitual de representantes das FARC na festa deste jornal, foi considerada uma falsificação e uma calúnia. E Albano Nunes repõe esta vitimização ao falar de “campanhas de autêntico terrorismo político e ideológico como a desencadeada contra a Festa do Avante! a pretexto das sua relações com os revolucionários colombianos”. Quanto aos artigos do “Avante” de clara identificação com as FARC, sobretudo os da autoria de Miguel Urbano Rodrigues, foram classificados como exprimindo opiniões individuais que não comprometiam o PCP.

 

4. Segundo parece, não houve presença visível das FARC, desta vez, na “Festa do Avante” e a expressão mostrada da solidariedade para com os “revolucionários colombianos” resumiu-se à promoção e venda de pacotes de “café da Colômbia”. Mas esta ocultação da visibilidade das FARC é posterior à campanha de denúncia porque houve tempo de organizar o embuste (ao contrário dos anos anteriores). Agora, passado que foi o “passo atrás”, Albano Nunes clarifica as coisas e dá os “dois passos em frente” na defesa das FARC em toda a linha de cumplicidade total. E tudo ficou claro.

 

5. Todos os que se empenharam em desmentir ou branquear a solidariedade cúmplice do PCP com as FARC e, nesse sentido, a sua cumplicidade objectiva com as práticas de terrorismo, narco-tráfico e sequestros daquela organização armada colombiana, ficaram agora na situação incómoda de ingénuos utilizados ou então não passaram de membros conscientes da orquestra de mentira da propaganda do PCP. A menos que, em último recurso de disfarce, argumentem que o artigo transcrito de Albano Nunes, dirigente máximo do PCP e só atrás de Jerónimo de Sousa na hierarquia do PCP, tenha sido um “mero artigo de opinião” que … não compromete o PCP.

 

(*) Responsável pelas relações internacionais do PCP e membro do seu Secretariado e da sua Comissão Política.

Publicado por João Tunes às 00:34
Link do post | Comentar
2 comentários:
De JMC a 16 de Setembro de 2007
Com cada um a expressar a sua opinião, um dia destes, como quem não quer a coisa, o centralismo oligárquico dá lugar à democracia.

Cotejamo-las e, surpresa!, não é que afinam todas pelo mesmo diapasão! Invocarão então que apesar de livres foram todos agraciados com a mesma divina inspiração.

A religião tem destas coisas...
De João Tunes a 17 de Setembro de 2007
É isso. O pensamento é único e vindo de cima e se há diferença entre o oficial e o expresso ela deve-se ao circunstancialismo da conveniência propagandística. Mas, na primeira recta a seguir à curva do discurso ocultado, a unicidade recompõe-se. Nem o Vaticano consegue (tb não precisa) ser tão mistificador.

Comentar post

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO