Quarta-feira, 3 de Maio de 2006

MORALES DA QUESTÃO

Obviamente que não tem muito que enganar o menu boliviano-populista de Morales. Bem como ao que levará o abraço repartido na cumplicidade retumbante desse trio Fidel-Chavez-Morales – um dia destes, sentarem-se à mesa do FMI e congéneres a ajustarem os cintos à medida do retrocesso pelo abuso da bebida da demagogia. O que, sabiamente, Lula soube poupar o Brasil, talvez pela inspiração da convicção no seu desígnio de grande potência latino-americana. Mas não se pode pedir a todos, sobretudo aos líderes caudilhistas feitos na pressa (para os quais, é muito mais fácil macaquear Fidel que abrir as veredas da libertação democrática e social), que tenham a manha sábia de Lula, construída na aprendizagem de umas tantas tentativas, democraticamente fracassadas, de chegar-se ao poder. Ou, sobretudo, receberem presidencialmente, como Lula, um país previamente organizado e regenerado por um político com o enorme talento, coragem e determinação de Fernando Henrique Cardoso, provavelmente o político que mais estruturou a democracia (na sua tríade política-social-económica) na América do Sul e que ainda está marcada pela paisagem do seu passado colonial.

Fidel à parte - um caso de paranóia fascistóide e caudilhista e na linha simétrica de Trujillo, Baptista, Perón, Pinochet e Videla, mais uns tantos ditadores de opereta sádica - Chavez e Morales são resultados do jogo democrático que os legitimam. Na história da América Latina, sempre navegada entre impulsos e excessos, com sinais contrários, um e outro são pólos repetidos (já vimos este filme no México, no Peru, no Chile, no Panamá, no Equador, sobretudo na Argentina) e por réplica a muitas outras mais tendências autoritárias e corruptas e a ainda mais experiências falhadas de “regeneração neo-liberal”. A Bolívia, como a Venezuela, enquanto decidam pelo voto, têm o pleníssimo direito a recusarem a imitação da sobriedade e equilíbrio de Lula, preferindo a experiência da aventura pelo excesso, pelo populismo e pela demagogia. E os neo-liberais serão os últimos com direito a atirarem pedras a Chavez e a Morales. Não pela profecia, fácil, sobre os becos onde leva o anarco-populismo venezuelo-boliviano, travestido de revolucionarismo, conveniente aos actuais senhores mandantes de Havana, seus amos vanguardistas na demonização dos opressores do norte continental. Mas, sobretudo, pela decência exigida como paga aos muitos silêncios engolidos para com as experiências autoritárias simétricas e os fracassos da receita selvagem do neo-liberalismo de terra queimada para os pobres ali aplicadas, sempre com a Espanha neo-colonial a rir-se nos entrefolhos, arrecadando as suas gordas receitas.

O meu voto, respeitando a distância imposta pela dimensão respeitável do Atlântico, é que, entre cem guinadas e cem cabeçadas, mil “Lulas” espalhem flores de bem-estar sábio a terras carentes de democracia adulta. Até lá, respeite-se o direito da América Latina aos seus excessos de adolescência política. Enquanto o voto (deles) for quem mais ordena.

Publicado por João Tunes às 15:25
Link do post | Comentar
2 comentários:
De pepe a 4 de Maio de 2006
Acho que a sorte de Lula e, consequentemente, do Brasil foi o longo estágio eleitoral que ele teve de fazer até chegar à presidência, ganhando uma "formação" que, de outro modo, resvalaria para uma versão populista feita à pressa, como muito bem diz a propósito do caudilhismo. Mas com isto não ponho em segundo plano todo o processo por que o Brasil passou ao longo dos anos do referido "estágio".
De João Tunes a 4 de Maio de 2006
Completamente de acordo, caro Pepe. Tentei dizer exactamente o que vc aqui disse. O problema na América Latina, ou onde quer que seja, é o impulso de escolha ser feita em redopio de opção polarizada entre fascistóides e populistas, como se as únicas cartas jogáveis sejam as da retumbância radical. E julgo que o Brasil deve a FHC um lastro de maturidade que conteve o populismo e obrigou até os populistas a converterem-se ao bom senso. Boa e feliz herança, digo eu. Rodando na geografia, esse não é ainda o problema das democracia no Leste europeu?

Comentar post

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO