Quinta-feira, 23 de Agosto de 2007

AINDA O MILHO E OS EXPLORADORES DOS MEDOS

001wzbr3

 

O assunto parece gasto mas julgo que a discussão sobre o essencial apenas começou. A questão dos transgénicos necessita mesmo de ser debatida. Caso contrário, sobra, na opinião pública, uma luta entre preceitos e preconceitos, tudo à molhada. E as demagogias adoram estas confusões.

 

Se há um quadro legal que já permite a cultura de vegetais transgénicos em certas condições, decerto a fundamentação do seu suporte passou ao lado da opinião pública, atendendo ao impacto conseguido pela história da selvajaria no campo de milho de Silves. Que teve dois efeitos conexos: a condenação dos “ecovândalos”, a par do avolumar do nojo e medo pelos produtos transgénicos (o que, objectivamente, constituiu uma vitória dos “eufémios” e do Bloco, ambos com motivo para dar graças pela mediatização do assunto). Sendo assim, o Ministério da Agricultura deve dar todos os esclarecimentos que se impõem e a comunidade científica deve-nos proporcionar o máximo debate contraditório. João Vasconcelos Costa, cientista no ramo da biologia molecular e estudioso da transgenia, já deu, na blogosfera, o seu contributo para este peditório. Venham outros, de preferência divergentes. Ou seja, menos algazarra, menos pânicos, mais argumentos, mais fundamentos. Pela minha parte, estou mais para ler e ouvir que para sentenciar.

 

A ”confusão transgénica” e o desencadear dos nojos e receios empolados (muito do que se esgrimiu contra é do domínio do apocalíptico) - e sobre isso Louçã foi claro na entrevista televisiva a Mário Crespo -, tem uma marca de ódio político pré-determinado: o “combate às multinacionais” (no caso, o alvo focalizado é a “Monsanto”). Ora, este constrangimento diabolizante é o primeiro elemento para perda de tino no debate a fazer, inquinando-o pela politização da moda anti-globalização. É antiga a fortíssima presença das multinacionais na indústria e comércio agro-alimentares e muito anteriores à implementação das técnicas de modificação genética na produção de cereais. Como é um facto que os transgénicos estão já correntemente incorporados sem lugar a escândalo. Há quantos anos se usam, por todo o mundo, produtos da Nestlé e da Kellogs, entre muitos e muitos outros? E os anti-Monsanto preferem dar lucros à Bayer para que esta multinacional químico-farmacêutica continue a vender em barda, com efeitos terríveis na contaminação dos solos, os seus agro-químicos? E toda a súbita legião anti-Monsanto, porque é contra as multinacionais, não anda de automóvel, se usa não mete gasolina, não toma flocos nem yogurtes, não compra nada na Zara nem envergou uma t-shirt da Nike, recusa-se a tomar qualquer medicamento, não lava os dentes nem se ensaboa no banho, não come pão (os fermentos vêm de multinacionais) e não é consumidor da dietética soja (maioritariamente já produzida como espécie transgénica)?    

 

A demagogia e o ódio político selectivo que fiquem à porta. Venha o debate.

Publicado por João Tunes às 17:15
Link do post | Comentar
9 comentários:
De paulo santiago a 23 de Agosto de 2007
Joâo
Tinha obrigação de saber algo sobre esta história dos
transgénicos, mas, não sei muito.Sei que as sementes
tal como no milho híbrido,apenas servem para uma
sementeira.Mas,mudemos de assunto,é sabido que há
vinte,trinta anos,um frango demoraria atingir 2kg à
volta de 8 semanas,sendo que hoje,devido ao melhoramento genético,conseguimos atingir aquele
peso às 5-6 semanas.É também sabido,que este
melhoramento genético,além de melhorar o índice de
conversão,contribuiu para uma maior resistência a
algumas doenças,que não vou agora enumerar por ser fastidioso.Há um preconceito enraizado,que diz ser um frango de capoeira,explorado extensivamente,
mais saudável,que um explorado intensivamente,ou
seja,criado num aviário industrial.Pura crendice,
sanitáriamente,um frango industrial,com todas as
melhorias genéticas,é muito mais seguro que um frango de capoeira ou de campo.O mesmo poderá ser
dito sobre um ovo dito"caseiro"e um ovo industrial,
enquanto este cai numa passadeira,relativamente
asséptica,o outro cai no meio dos dejectos das galinhas e,sabemos como a casca é porosa,principalmente com humidade mais elevada.
Voltemos ao milho transgénico,sobre o qual sei pouco,
neste momento,mas,se por exemplo,a semente contém um gene resistente ao"agriotes"ou broca do
milho,isso é uma óptima notícia,evitamos encharcar
o solo com um insecticida,sabendo como grande parte
deles são tóxicos e,contaminantes dos lençois friáticos
Esta guerra não é nova,aconteceu coisa parecida, na
altura da introdução dos híbridos em contrposição aos
"regionais"só que naquela época não havia grupelhos
ditos ambientalistas,com tendências fundamentalistas
e,terroristas.
Mas,passo a bola aos cientistas e investigadores,que
já apareceram nesta página.
Abraço
De Zé Paulo a 24 de Agosto de 2007
Paulo,
Não sou um dos cientistas a quem voce se refere, mas trabalho em uma agroindústria que comercializa soja e milho, além de também plantar estes dois produtos. Aqui no Brasil ainda não temos o milho transgênico de forma representativa, mas a soja já tomou grande parte desse negócio.
E neste caso o resultado de uma semente de soja trangênica é soja transgênica e depois os sub-produtos farelo e óleo degomado de soja transgênico.
Se é um facto a vantagem de não se usar os habituais "venenos", também já se sabe que a semente de soja transgênica não reage de forma natural. Um exemplo comprovado no Brasil é que a mesma não suporta da mesma forma períodos de estiagem como uma semente convencional, havendo uma queda de produtividade na colheita maior na áreas plantadas com a semente transgênica.
Agora, gostaria de levar a questão um pouco para o outro lado, que também fica na grande batalha do capital, por vezes perverso. A soja transgência surgiu no Brasil, em regiões especificas, quando ainda não era autorizado pelo governo braileiro o plantio da mesma. Assim foi pela América do Sul. Por uns anos, a Monsanto ficou quieta, até que a sua tecnologia, de forma "pirata", se consolidasse. Hoje, ganhou junto aos tribunais destes países, como no Brasil, que as empresas que recebem o produto dos agricultores tenham a obrigação de se certificar se o mesmo pagaram os royaltes das sementes; se não, tem estes comerciantes a obrigação de cobrar estes royaltes e repassar para a Monsanto. Posso afirmar que é um grande negócio. E ainda vos digo mais. Tem a Monsanto o direito de entrar na empresa que eu trabalho, ou qualquer uma que esteja dentro da cadeia de comercialização (no recebimento / armazenamento do produto) para fazer auditorias, solicitando relatórios contábeis em uma atitude similar a uma fiscalização do estado.
Técnicas de colocar o produto no mercado do tipo Windows...Se foi o Bill Gattes que aprendeu com a Monsanto ou o inverso, não sei, mas que os dois estão cheios da massa, estão.
Um abraço aos dois.
De Zé Paulo a 24 de Agosto de 2007
O abraço não foi nem para o Bill nem para a turma da Monsanto, e sim para o Paulo e para o João.
:)
De paulo santiago a 24 de Agosto de 2007
Olá ´Zé Paulo(cidadão do mundo)
Claro,para a Monsanto,isto tem que ser um negócio
chorudo,como foi o "Round Up"esse herbicida"milagroso".Não discuto esse assunto,vejo
que estás mais dentro dele.Há anos que não lido com
milhos,estou bastante desactualizado,mas sei,quanto
à estiagem,como vocês dizem no Brasil,é certo que
um milho FAO 700,por exemplo,tem necessidades de
água muito superiores a uma variedade convencional,como tu dizes,ou regional como dizemos
aqui.Também é certo, apesar desse gasto superior de
água,o rendimento para o agricultor é extremamente
significativo e,devido a isso as variedades regionais,
quase cairam em desuso.Claro,nos milhos hibridos,
também a Dekalb,a Maisdour,a Pionner,ganham rios
de dinheiro,mas o que podemos fazer?É a contrapartida do melhoramento genético.
Um abraço para ti e para o João que pôs a página à
disposição para o debate.Ainda hei-de ver um quintal
com milho no Seixal...
De Zé Paulo a 25 de Agosto de 2007
Olá, Paulo!
Veja que há uma diferença estratégica cercial importante entre um produto como o "Round Up" e a "tecnologia" de uma semente transgência.
O herbicida voce compra em uma loja / comércio de produtos agrícolas, usa, acaba, e quando precisar de mais compra de novo. O fabricante haverá que ganhar, muito ou pouco, não discuto (também gosto de ganhar dinheiro, de forma honesta). Mas veja que no caso de uma semente de soja convencional, nas suas diversas variedades, que também são vendidas em lojas / comércios agrícolas, depois de plantados e colhidas os produtores (agricultores) podem fazer uma seleção do melhor grão que colheu, fazer um tratamento adequado, e usar como semente para a próxima safra, diminuindo assim os seus custos de produção. No caso do grão trasgênico, o que é que acontece? O produtor que fizer isso terá que pagar os royalties, de no caso do Brasil de 2% a 3% do valor de venda da soja in natura da região em que o mesmo foi colhido.
Então façamos uma an´lise bastante simples. Como foi importante para a Monsanto a entrada no mercado brasileiro e sul-americano em geral, da semente transgênica de forma "pirata", pois hoje mesmo sem custos de produção dessa semente a Monsanto estará ganhando royalties por tempo indeterminado, e ainda conseguindo fazer com que as empresas privadas sejam obrigadas a trabalhar para as mesmas para controlar essa produção e para fazer essa cobrança dos tais royalties onde de forma unilateral se define uma taxa administrativa para que lhes prestem este serviço. Você não acha isto um grande negócio? Não se pode até acreditar que quem mandou para o Brasil e restante da América do Su as tais sementes "piratas", quando por aqui ainda não era autorizado o plantio da mesma , possa ter sido a própria Monsanto? Tirando esta minha última colocação, que é uma "suposição", o resto que eu aqui lhe conto é a pura realidade.
Na verdade não é a semente que é transgênica. O negôcio é que me parece ser transgênico.
Grande abraço.
De Zé Paulo a 25 de Agosto de 2007
cercial = crucial

O resto não corrijo...rsrsrsrsr
De nelson anjos a 24 de Agosto de 2007
A lucidez e a preocupação de honestidade e rigor de João Tunes – descontando algumas manifestações daquilo a que chamo TPD (Trauma Pós Dissidência), que ficou a afectar de forma permanente o comportamento de muitos ex-militantes do PC – fidelizaram-me como leitor deste blog.

Daí que o meu primeiro comentário seja precisamente para referir o sentimento de estranheza pelo que me parece algo contraditório: por um lado a manifestação da disponibilidade para “... estar mais para ler e ouvir que para sentenciar...” e, por outro, o espírito do restante texto do post que me parece razoavelmente impregnado de posições já estabelecidas à partida: preconceitos.
De pedro oliveira a 25 de Agosto de 2007
Ok, finalmente percebi o que estava, realmente em discussão, voltarei a passar por aqui.
De João Tunes a 25 de Agosto de 2007
Obrigado Paulo e Zé Paulo pelos vossos contributos.

Comentar post

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO