Quarta-feira, 22 de Agosto de 2007

EUROPA DOS ANOS DE CHUMBO DA “ESTRATÉGIA DE TENSÃO”

001wr50r

 

Um livro e um filme sobre os “anos de tensão” europeus nas décadas de 60 e 70, em que extrema-esquerda e extrema-direita, paralela ou cruzadamente, enveredaram pela conspiração, violência e crime, motivaram uma excelente nota reconstituinte de Miguel Cardina sobre as malhas deste “polvo negro” e cujos tentáculos se estenderam a Portugal. De leitura útil, muito útil, sobretudo para as memórias fracas e as fracas memórias. Passo, com a devida vénia, um excerto-aperitivo para a versão integral:

 

Sob a cobertura de uma agência noticiosa com o nome de Aginter Press, escondia-se uma estrutura que, cumpria serviços de espionagem e contra-subversão em ligação directa com os serviços secretos portugueses. Havia sido criada em 1966 por Guérin Sérac – um antigo militante da francesa OAS, conhecida pelo modo particularmente cruel como agiu durante a guerra da Argélia – e que em Portugal seria instrutor da Legião Portuguesa e da unidade anti-guerrilha do exército. Aginter albergava ainda a organização político-militar Ordem e Tradição que dispunha de um grupo clandestino destinado – segundo uma definição própria – a «intervir em qualquer parte do mundo para enfrentar as graves ameaças comunistas». Com uma rede de informadores espalhada pela Europa, Aginter ministrava, em Portugal, cursos técnicos em campos de treino disponibilizados pela PIDE e pela Legião Portuguesa, proporcionando, em troca, acções em países africanos. O assassinato do líder independentista moçambicano Eduardo Mondlane terá sido uma delas.

A Aginter financiara e preparara, em Itália, o terrorismo de direita ocorrido especialmente entre 1969 e 1974 no âmbito da referida «estratégia de tensão», que, em última análise, deveria levar a uma «situação de antipatia perante os governos e os partidos» que culminaria num golpe de estado de cunho nacionalista. Nesta altura, um documento da organização estipula ainda a vantagem de infiltração nos grupos da extrema-esquerda. O Partido Comunista Suíço (Marxista-Leninista), editor do jornal L’Etincelle, terá sido um desses colectivos que mantivera uma ligação estreita com Aginter. Outro caso terá sido a estranha conversão à retórica maoista de uma série de destacados militantes neofascistas italianos – como Mario Merlino e Stefano Delle Chiaie – após uma viagem à Grécia dos Coronéis, onde ocorreu uma reunião de quadros. Com dificuldades de penetrar no território filo-chinês, infiltram-se em organizações anarquistas. O primeiro cria o Círculo 22 de Março e terá sido ele a colocar as bombas em Roma, abrindo espaço à incriminação do grupo. Em Milão, as bombas terão sido colocadas por Delfo Zorzo, militante da secção veneziana de Ordem Nova.

Com o 25 de Abril, Guerin Sérac e os seus colegas refugiam-se em Espanha onde procuram manter vivo o seu objectivo. Nos primeiros anos da década de 1970, Espanha é, aliás, o refúgio de quase todos os italianos implicados na «estratégia da tensão». Recomposta a central neofascista – alimentada agora de agentes policiais dos recém-caídos governos de Portugal e Grécia – dedicam-se, entre outros projectos, à criação de um grupo anti-ETA. Em Fevereiro de 1975, agentes do MFA observam uma reunião do ELP, na qual se encontra Guerin Sérac e alguns portugueses ligados aos ambientes da extrema-direita política e militar. Um mês mais tarde, Eurico Corvacho, em nome do MFA, dava uma conferência de imprensa onde ligava o ELP ao golpe de estado falhado de Spínola, a 11 de Março, e revelava, baseando-se em documentos apreendidos, que a organização se preparava para realizar actos de desestabilização e sabotagem, entre os quais se incluiriam raptos e execuções de expoentes do MFA e de movimentos de esquerda ou interferências com a imagem de Nossa Senhora de Fátima nos discursos de Vasco Gonçalves e Costa Gomes. Nos anos seguintes, Sérac e o seu grupo iriam ainda actuar activamente em Angola, Argélia e Espanha.

Publicado por João Tunes às 21:58
Link do post | Comentar

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO