Terça-feira, 21 de Agosto de 2007

BEIRA COLONIAL (2)

001wfkqf

 

Ainda sobre a reportagem da RTP 1 sobre a Beira (Moçambique) e o seu decrépito Grande Hotel:

 

1) Um suspiro (de tristeza):

Foi, pois foi. Uma tristeza sem fim… Enquanto jantávamos estivemos a assistir ao programa na RTP1 sobre a Beira, em Moçambique. Ai... que coisinha má... que desassossego e não poderia ser de outra maneira. Aquilo virou tristeza e... em tempos era a alegria. A vida muda, de facto... e por vezes mais do que algum dia poderíamos pensar...

----

2) Segundo suspiro (chocado):

Arranca a reportagem e... «Começou mal, pois para gerir o hotel foi contratado o dono de uma pensão com seis quartos em Trás- Os-Montes: logo no primeiro ano houve um desfalque». As mães de Bragança não se indignarão?
(Mas é chocante a forma como tudo aquilo foi reduzido a escombros... habitados. E a Beira não era propriamente um povoado perdido na mata...)

-------

 

3) Voltando à “vaca fria”:

Visitei a Beira há quatro anos e levaram-me a ver (por fora) o degradado Grande Hotel (onde "viverão" 1.000 pessoas!). Como vi onde se ergueu uma réplica do "Moulin Rouge", espantei-me com um largo onde pontifica uma enorme estátua de homenagem à Coca Cola, admirei a bonita Igreja de Macuti e circulei pela zona comercial e habitacional, pejada de indianos e paquistaneses (que praticamente controlam todo o comércio formal). É uma cidade degradada (como é Tete e parte de Maputo, sendo excepção a relativamente bem conservada Chimoio, entre as cidades onde estive) e com marca de decadência que parece irreversível. A pujança da antiga Beira estava ligada (a cidade é "artificial" pois foi roubada aos pântanos e é amparada por diques) ao porto a servir a linha de escoamento, por via ferroviária, do minério das colónias britânicas fronteiriças e seu fornecimento de petróleo. E, sendo um feudo de Jardim (ele localizou lá uma fábrica da Lusalite que dirigia), o cônsul colonial puxava pela valorização da cidade e pelo bairrismo local, numa espécie de "disputa Porto-Lisboa" com Lourenço Marques. Com a independência, depois a guerra civil, a inoperacionalidade da linha férrea e o assoreamento do porto, Beira restou como uma cidade aparentemente inútil. Como não entender, enquadrando, o estado degradado e superpovoado do antigo Grande Hotel? E, no fundo, os habitantes daquelas ruínas nem vivem pior que na periferia do caniço. E o facto de a Beira votar maioritariamente Renamo (a Câmara é dominada por este partido) face a Maputo frelimista também não ajudará a que haja um consensual projecto de recuperação da cidade. Um meu amigo moçambicano (branco) nascido e criado na Beira, que me serviu de cicerone, recordava com mais saudade as aulas e convívio com Zeca Afonso (que lá foi professor do secundário) e a acção da igreja católica progressista (Bispo da Beira e Padres de Macuti), quanto ao resto perdido ou destruído limitava-se a encolher os ombros sem grandes sinais de indignação.

---- 

4) E a lucidez de quem viveu a Beira suspirada:

A Beira vai fazer 100 Anos, a Beira fez 100 Anos, e parece que o Grande Hotel da Beira passou a ser mais importante que a própria data secular da cidade. Parece que o Grande Hotel marca a diferença entre a prosperidade do passado (sic!) e a Beira actual em ruínas devido ser esta um centro anti-frelimo. O Grande Hotel em uma versão da Cidade da Lata vertical de Maputo pelas divergências da Renamo da Beira e a Frelimo de Maputo. Nisto tudo há uma certa lógica. O Grande Hotel do passado colonial é o mau exemplo de algumas das coisas que o colonialismo, levado até à segunda metade do Séc. XX debaixo do chicote da ditadura fascista, fez em terras moçambicanas, e o actual, ou o que sobra do mesmo, sendo o resultado do que há de mau de uma administração que não consegue resolver os problemas da miséria e das grandes diferenças sociais em pleno Séc. XXI.
Querer ver o Grande Hotel pelo ângulo saudosista é no mínimo um exercício masoquista ou não querer entender que ele nunca existiu a não ser na cabeça de alguns sonhadores, tenham sido eles arquitectos, engenheiros, usuários da sua bela piscina ou noivos.
(…)
O Grande Hotel da Beira não foi problema de saloios (no máximo, tanto quanto foram os do Hotel da Polana, da então LM) e nem por lá terem colocado um transmontano com experiência em administrar pensões. O problema (…) foi sim uma grande falta de estratégia e de planeamento.
A Beira serviu sempre muito bem para ter um belo porto e uma ferroviária para atender os países vizinhos, em especial a Rodésia. Já para o turismo, os bifes que lá chegavam eram mesmo para ficarem pelo camping do Macúti, e já vinham com os seus carros, e às vezes rolotes, abarrotados de mantimentos, pois nem para isso gastavam lá umas moedinhas para comprar nada nas mercearias locais, a não ser umas boas cervejinhas geladas nos bares. Alguns ainda ficavam no Motel Estoril e mais tarde no vizinho São Jorge.
O Turismo em Moçambique colónia ficava pela Gorongosa e por umas coutadas de caças, já que nestas últimas ainda não era politicamente errado matar a bicharada. Ou alguém ouvia falar muito mais do que isso no que se refere ao turismo de "importação"? O resto ficava pelo turismo interno e em cima de dicas de amigos, da propaganda de boca a boca, sem investimentos ou grandes incentivos do Estado.
O Grande Hotel foi sim uma megalomania "colonialista", sem avaliação da própria incompetência, - incompetência ou falta de interesse planeado -, no ramo turístico (não hoteleiro em si) onde o Hotel Polana de LM escapou por estar na capital da província onde tudo acontecia...o pouco que acontecia, convenhamos.

 

Imagem: A entrada do mercado da Beira (foto actual e copiada daqui)

Publicado por João Tunes às 11:13
Link do post
De Zé Paulo a 21 de Agosto de 2007
João,
Ter aqui um texto meu reproduzido é sempre motivo de grande satisfação. E depois ainda deixando-me cheio de peneiras quando o classificas de lúcido.
Um grande abraço.
Zé Paulo
De João Tunes a 21 de Agosto de 2007
Ora essa. Abraço.
Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO