Sexta-feira, 17 de Agosto de 2007

MAIS UM LIVRO PARA O ENGANO COLONIAL

001tq2k7

 

O livro de Margarida Calafate Ribeiro (*) sobre a presença feminina na guerra colonial é um contributo de recolha memorialista sobre a experiência traumática dos treze anos em que a juventude portuguesa foi envolvida na aventura do desespero ocupacionista em África vista do lado de várias mulheres (poucas) que acompanharam maridos nas missões militares. Mas, por outro lado, implica sérios riscos de desfocagem quanto à realidade vivida pelos militares no terreno de guerra e pela maioria das mulheres a eles ligadas.

 

Não só foi reduzidíssimo o número de mulheres que acompanharam militares a intervirem no teatro de guerra, como a maioria das que para lá foram acompanharam oficialidade de baixa e média patente e de carreira e ficaram confinadas em cidades ou localidades afastadas das zonas de maior intensidade nos confrontos com os guerrilheiros. E mesmo quanto à visão de África, tendo a maioria das depoentes estado nas maiores cidades das colónias e ocupadas profissionalmente no ensino secundário ou no funcionalismo público, encravadas no seio das camadas dominadoras, a visão de África recolhida é a obtida pela vivência urbana e filtrada pelos olhos dos colonos e dos militares profissionais. Assim, como testemunho sobre África e a guerra colonial, o valor dos depoimentos não ultrapassa a irrelevância e a distorção do olhar eurocentrista (incluindo nos casos em que se tratou de mulheres politizadas e mesmo com posições anticoloniais).

 

Dois outros aspectos ainda somam insignificância testemunhal à recolha de Margarida Calafate Ribeiro, transformando o livro num potencial indutor de visões distorcidas:

 

- a sensibilidade feminina da condição de esposas de guerreiros (exacerbada no sentido de que misturavam o receio pela sorte dos maridos e estavam em situação de “lua-de-mel”) mais a sensibilidade maternal pois a maioria foi para lá com filhos pequenos ou lá teve os seus primeiros partos;

 

- o facto de todas as entrevistadas terem conservado o anonimato não abona quanto à responsabilização pela autenticidade dos depoimentos e quanto às posições expressas.

 

Em termos históricos, o livro é não só discutível por ser fonte de irradiação de uma visão parcialista e desfocada da guerra como induz estereótipos sobre ela (os dos ecos nas mulheres que por ela passaram na retaguarda e subjugadas ao permanente temor quanto à sorte dos seus maridos guerreiros). Se, em todo o livro, África nunca aparece e a guerra só esparsamente aflora em erupções anedóticas e secundárias, muita presunção encheu a cabeça da autora para chegar ao atrevimento de lhe chamar “África no feminino”. África é muito mais que aquilo (por vezes, o contrário daquilo) que as entrevistadas viram e perceberam, a guerra no feminino, no lado português (e o outro?), foi esmagadoramente a sofrida pelos muitos milhares de mulheres, irmãs e filhas dos soldados e milicianos que, na metrópole, ficaram na espera inquieta pelo regresso dos seus. E como é possível que a autora não se tenha dado conta do desaforo de, sem o depoimento de uma única mulher africana, intitular o livro como o fez? Um pouco de modéstia e de respeito para com o enquadramento histórico não ficavam mal à académica que decerto é senhora com outras competências e outros saberes, nomeadamente como literata. Se assim fizesse, estou certo que as centenas de milhar dos que sofreram a guerra no corpo e na alma, de um e outro lado da contenda, lhe agradeceriam o respeito para com as chagas que arrastam na memória. E o respeito vale mais que um livro.

 

(*)“África no feminino”, Margarida Calafate Ribeiro, Edições Afrontamento  

Publicado por João Tunes às 15:50
Link do post
Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO