Segunda-feira, 23 de Julho de 2007

SIMPLEX E O VIVO QUE A BUROCRACIA QUER COMO MORTO

001rphdx

 

Também a guerra tem as suas burocracias. E, como qualquer burocracia, se não domada pelo sentido do humano, tende a tomar galopes soltos mesmo sem sinais humanos sentados na sela. Onde facilmente as vidas se perdem, ou se gastam, como é o caso das guerras, a “burocracia da guerra” pode cometer o mais caricato erro burocrático: trocar vivos por mortos, ou vice-versa.

 

Neste blogue, reconstitui-se uma odisseia burocrática que começou na guerra colonial na Guiné e se espraiou no meio da papelada, esmerando-se em caprichos, com que os militares portugueses registam os que, da guerra, saíram vivos e mortos. Mostrando-se difícil que alguém dado como morto e enterrado, afinal estando vivo, recupere a cidadania da sua vitalidade. [post 1, post 2, post 3]

 

Resumindo a história do ainda vivo cidadão António da Silva Batista, antigo soldado do Exército Colonial Português:

 

- Em 17 de Abril de 1972, em Quifaro (Guiné), uma emboscada montada pelo PAIGC provoca um número elevado de vítimas mortais: 11 militares portugueses, cinco “milícias” africanos e vários civis que eram transportados na coluna militar. O soldado Batista escapa com vida e é aprisionado pelos guerrilheiros do PAIGC, sendo levado por eles para a Guiné-Conacry. Através da Cruz Vermelha, o soldado Batista escreve várias cartas à família que nunca chegam ao seu destino.

 

- O soldado Batista é dado como morto pela burocracia militar portuguesa, um outro cadáver faz-lhe de corpo seu, é passada competente certidão de óbito, os restos mortais substitutos são entregues à família, que procede ao respectivo funeral, ficando com campa no cemitério da sua terra natal que passa a ser cuidada e transformada em culto de saudade pela família.

 

- Com o reconhecimento da independência da Guiné-Bissau, o PAIGC liberta o soldado Batista, entregando-o ao exército português. Em Setembro de 1974, passados 27 meses sobre a data da sua captura pelo PAIGC, volta a casa e à família. Visita a “sua campa” no cemitério (foto na imagem, publicada em 1974 no “Jornal de Notícias”) onde lê na lápide que lhe era dedicada Em memória de António da Silva Batista. Falecido em combate na província da Guiné em 17-4-1972" e deposita uma coroa de flores sobre o corpo que lhe fizera as vezes.

 

- O ex-soldado Batista, cujo único documento de identidade era a sua certidão de óbito, vê-se em palpos de aranha para recuperar a sua condição de cidadão vivo. Se o Exército o dera como morto em combate, com certidão de óbito devidamente emitida, como podia passar a vivo e contado o tempo de ausência como prisioneiro? A burocracia reage como é timbre da burocracia. O ex-soldado Batista é reintegrado no rol dos vivos mas ainda hoje, continuando vivo, não conseguiu que a sua permanência no campo de prisioneiros do PAIGC lhe conste, na sua caderneta, como tendo sido em serviço militar.

 

A burocracia não permite que um vivo tenha estado vivo enquanto os papéis, os sagrados papéis da burocracia, assinalam que o vivo estava morto. Quando muito terá estado vivo mas, nos papéis, continua morto, ou pelo menos ausente em parte incerta. E se o ex-soldado Batista quisesse documentos conformes, respeitasse o papel da certidão de óbito e, em vez de andar a atrapalhar a burocracia, aceitasse que estava morto. Nem o Simplex resolve tão intrincado desrespeito à santa burocracia?

 

Imagem: Foto de Alvaro Basto sobre o “JN” que relatava o regresso do morto-vivo.   

Publicado por João Tunes às 12:21
Link do post | Comentar
4 comentários:
De paulo santiago a 23 de Julho de 2007
João
Se o Batista lesse este teu post,ficaria agradecido,
como ele não anda pela net,agradeço eu,em seu
nome.Sinto-me muito revoltado,mais ainda,após ler
o post do Luís e o teu.Apagarem anos e meses da vida de uma pessoa é uma canalhice,é uma filha da
putice.Ainda não sei o que irei fazer,mas,quieto e
calado não ficarei.Senti que,para ele,é mais frustante
o não mencionarem o seu passado de prisioneiro de
guerra,que a não atribuição de qualquer pensão.
A foto tirada do"JN"foi feita pelo Alvaro Basto,não
por mim.
Abraço
De João Tunes a 23 de Julho de 2007
Caro Paulo,
Talvez ele precise de ser ajudado para se pressionar o Ministério da Defesa. Já corrigi o lapso sobre o autor da foto.
De paulo santiago a 23 de Julho de 2007
João
Estou a tratar do assunto.Já mandei mail a um Coronel e falei com outro ao tlm.Não vou desistir
Abraço
De João Tunes a 25 de Julho de 2007
Caro Paulo,

Essa é uma via - andar por aí a meter empenhos a coronéis ou generais conhecidos. E ainda bem que escolheste um antigo ajudante de campo de Spínola. E de Cavalaria! Talvez a alma do Marechal ajude o nosso camarada Batista.

Mas julgo que a via devia ser outra, institucional e colectiva - directamente dirigida às hierarquias, responsabilizando-as por uma decisão justa (CEME ou Ministro da Defesa). Porque não uma petição subscrita pelos antigos combatentes na Guiné (na "tertúlia", quem quisesse assinar, assinava.

Há que exigir a correcção de uma situação anacrónica, em vez de andar a fazer continências a coroneis outrora importantes e agora na reforma, pedindo-lhes as batatinhas de um gesto paternalista a mexer cordelinhos.

Para a petição contem comigo, para continências fora de época, jamais! (ler à M. Lino, com sotaque afrancesado)

Abraço.

Comentar post

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO