Domingo, 15 de Julho de 2007

FOI ASSIM, NÃO FOI NADA, TALVEZ FOSSE

001qfgp6

 

O último livro (*) de Zita Seabra tem várias imprecisões (**) mas julgo que nenhuma das até agora evidenciadas, apesar de demonstrar falta de trabalho atento da autora relativamente ao rigor das referências factuais e pessoais e condenável do ponto de vista da ética da escrita, é de natureza substantiva suficiente para destruir o valor (discutível, mesmo polémico) do seu testemunho.

 

Provavelmente, a mais desagradável e reprovável “invenção” do livro de Zita Seabra tem a ver com ter metido Raimundo Narciso, em fantasiosos trabalhos de montagem de sistema de escuta na sua casa que este já desmentiu e terá mesmo obtido da autora a garantia de uma próxima correcção.

 

Mas, obviamente, o levantamento em escarcéu dos lapsos do livro de Zita Seabra, empolando-os e dando-lhes relevo maior relativamente ao essencial do testemunho, serve ás mil maravilhas para, passando ao lado dos factos relevantes, desacreditar a autora, desacreditando o livro e desacreditar sobretudo a evidência da natureza estalinista intrínseca ao PCP, de que Zita, ela mesmo, foi estilo feita pessoa (mas que tem a coragem de assumir essa parte do seu passado).

 

Uma das denúncias mais apressadas dos “erros de Zita” foi feita aqui. Mas onde se mete água (isto é, grita “erro!” onde Zita acertou) logo à cabeça:

 

“A Zita Seabra fez um livro descuidado e mal editado. Nas páginas do “Foi Assim” descobrimos, por exemplo, que Amílcar Cabral era guineense (pág. 163) (…)”

 

Ora Amílcar Cabral era mesmo guineense. Nascido em Bafatá (Guiné) de mãe guineense e pai caboverdiano, Amilcar (mestiço escuro) era guineense, como, aliás, sempre se assumiu e disso se orgulhava (só conheceu Cabo Verde aos doze anos quando foi frequentar o liceu em São Vicente). Nas disputas racistas e tribalistas havidas no seio do PAIGC (e que permitiram à PIDE infiltrar os seus assassinos e a URSS urdir as suas intrigas paralelas), Amílcar “apanhava” de guineenses “puros” por ser mestiço e acusado de apoiar o domínios dos quadros caboverdianos, como “apanhava”, não menos, de caboverdianos que acusavam Amílcar de, sendo guineense, apoiar os combatentes desta proveniência. Muitos quadros caboverdianos do PAIGC foram, durante cursos de formação militar na URSS (nomeadamente a equipa que foi lá para se formar como pilotos de MIGs e quando regressou, por ainda não haver condições para que o PAIGC tivesse força aérea, foi operar com os mísseis terra-ar que neutralizaram a aviação colonial, acelerando o desfecho da guerra), foram doutrinados pelos soviéticos no sentimento anti-Amílcar, a quem acusavam de ser um defensor exagerado dos guineenses e por o ser. Isto tinha a ver com os interesses da URSS que do ponto de vista geoestratégico nos seus interesses de superpotência, estava muito mais interessada em ter um “porta-aviões” no meio do Atlântico Sul (Cabo Verde) que a costa da Guiné-Bissau (onde Sekou Touré, na Guiné-Conacry, já lhe fornecia essa posição). Por outro lado, ao contrário do que muitos julgam, Amilcar Cabral era mais “independente” do que a “fidelidade soviética” exigia, e não era bem vista a enorme habilidade diplomática com que Amílcar se relacionava no mundo (o socialista e o ocidental), particularmente com os países nórdicos sociais-democratas (com destaque para Olof Palme, Suécia) e que apoiavam o PAIGC nos domínios dos fundos, cobertura diplomática, apoio médico e educacional. [Como também foi significativo que a invasão da Guiné-Conacry, em 1970, para decapitar Sekou Touré e Amílcar, aniquilar o PAIGC e mudar o regime da Guiné-Conacry, liderada por Alpoim Calvão e com a autorização de Spínola, tenha usado um bem sortido lote de kalashnikov novinhas e do último modelo, compradas pelo traficante de armas Zoio na URSS, por encomenda da PIDE]. Assim, se a PIDE atingiu Amílcar infiltrando gente guineense que o odiava por ser “caboverdiano” (o que era falso), a URSS acirrava contra Amilcar o ódio dos caboverdianos por este ser, como era, guineense (na esperança que, numa futura e previsível cisão, os caboverdianos, agradecidos, facilitassem Cabo Verde como base de implantação da URSS no Atlântico Sul).

 

Como se comprova, os erros não escolhem autores. E a pressa da denúncia desvalorativa pode ter efeitos de “boomerang” sobre alguns denunciantes com passo de corrida para "malhar na Zita".  

 

 

(*)“Foi assim”, Zita Seabra, Aletheia Editores

 

(**) – Por exemplo, confunde o nome do sogro de Joaquim Pina Moura, Guilherme da Costa Carvalho (foi um destacado dirigente do PCP), com o de outro dirigente do mesmo partido, Rogério Carvalho.

Publicado por João Tunes às 16:13
Link do post
Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO