Segunda-feira, 9 de Julho de 2007

O LIVRO QUE NÃO SE DEVE LER (1)

001pwr6g

Pela amostra já obtida numa volta pela blogosfera, confirmo o que previa: o último livro de Zita Seabra (*) vai ser muito mais falado (detestado) que lido, quanto mais discutido, suscitando uma onda de convergência de repugnâncias várias. E o chicote do ostracismo estalou logo que a autora se atreveu a mostrar a “capa do livro” através de breves transcrições na imprensa e numa entrevista televisiva. O nojo ficou logo fortemente vincado com juras de dispensa de leitura.

 

A autora, só por si, é fonte de enorme alergia pelos seus deméritos públicos e chocantes (em que avulta o cabotinismo mais grotesco e insuportável) e pela trajectória que a levou do PCP (da clandestinidade, da revolução e da pós-revolução) ao PSD e a patéticas defesas de causas (caso do “Não” ao referendo sobre a IVG), sendo um dos mais fortes símbolos consolidados da desqualificação política com o senão acrescentado de insistir em permanecer na ribalta. E com a desfaçatez do exibicionismo persistente.

 

Como se Zita Seabra, ela mesma, não chegasse, ela insiste em desnudar duas realidades cujos tabus fazem parte da religiosidade que a institucionalidade político-partidária consagra entre os mitos sagrados e intocáveis da cultura política dominante – o PCP e Álvaro Cunhal. É que, não falando do ódio sacro dos comunistas para com a galeria dos seus “traidores”, mesmo nos quadrantes adversários, incluindo os anticomunistas, o politicamente correcto estabelecido é que se respeite e admire Cunhal e se arranhe o PCP com parcimónia (como antidemocrático e estalinista, ponto final). Pela relevância histórica no século XX português que o PCP e Cunhal tiveram (ambos acumulando realidade e mito) - o que dá uma ideia da miséria portuguesa relativa num dos períodos mais fecundos, por más e boas razões, da história europeia e mundial -, há um “respeito mínimo” que a “boa educação” e as “tradições” exigem para que a memória política portuguesa não encontre, olhando para trás, para o passado vivido pela maioria dos portugueses vivos, a par da longa escuridão salazarista e de uma revolução fracassada, o contraponto à realidade fascista num candidato a ditador alternativo (ainda mais cruel, pérfido e cínico) e uma máquina de triturar a sociedade (com maior discriminação e iniquidade e mais presos políticos que os da época fascista). Seria insuportável para a auto-imagem dos portugueses. Com Zita Seabra a fazê-lo, tudo piora. Então, por higienismo histórico e político retroactivo, a solução está em desfazer Zita Seabra e já que a senhora não pode ser “apagada”, como Iejov fazia com os retratos onde aparecia Trotski, negue-se o livro, a sua memória e o desaforo de nos incomodar com ela (**).

 

Esta forma de liquidar testemunhos, não os integrando na construção histórica, casa bem com uma outra aversão tipicamente portuguesa -  a de discutir ideias e projectos, num universo profundamente maniqueísta em que tudo ou é branco ou é preto. O mais fácil e recorrente, em casos como o dos hábitos culturais portugueses, é puxar da pistola ou do ramo de flores, conforme quem usa da palavra, antes de a usar. Tal como a Censura, na ditadura, antes fazia por nós e para nós, o sentido prévio do interdito perdura, agora com indexes voluntariamente assumidos e colectivamente construídos em interdições por nojo para que não percamos a arca dos tabus e dos mitos.

 

José Manuel Correia, num post acutilante, remando contra a maré do conformismo em gavetas de amores e ódios, escalpeliza bem o fenómeno da rejeição prévia ao livro de Zita Seabra e em que termina com esta frase lapidar: “Foi assim, mas há sempre alguém que não deseja acreditar”. No caso, neste “não desejar acreditar”, o PCP e a imagem de Cunhal têm as vidas facilitadas para não serem beliscados sem necessidade de rebater uma vírgula sequer numa linha gasta no “Avante”.  Do arco de toda a esquerda, incluindo a classificada pelo PCP como a “falsa esquerda” ou a “esquerda de direita”, saltarão repulsas condenatórias suficientes para alimentar o nojo que neutralize a tentação pelo conhecimento e digestão do conteúdo do livro. É assim.

 

(*) “Foi assim”, Zita Seabra, Aletheia Editores

 

(**) – O fenómeno da rejeição pelo livro de Zita Seabra é “copy paste” do ocorrido quando Cândida Ventura lançou, no início da década de 80 (antes da “perestroika”), o seu livro “O Socialismo que eu vivi” (Ed. O Jornal) e que foi eficazmente ostracizado apesar de ser um dos mais sustentados libelos-testemunhos sobre o “socialismo real” e o PCP e a sua dependência soviética. Curiosamente, Zita Seabra não refere Cândida Ventura, a sua dissidência e o seu livro, o que confirma que, na altura, ainda não tinha chegado “a sua hora”.

Publicado por João Tunes às 18:17
Link do post
De cristina a 9 de Julho de 2007
repugnância???
o livro, entendo, é feito de muita luta interior e com certeza muita mágoa. a coragem demonstrada está muito além dos outros, é em relação a ela própria, àquilo em que acreditava.
Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO