Quarta-feira, 27 de Junho de 2007

OS LUTOS DIFÍCEIS NO MARXISMO-LENINISMO (1)

001kq1c8001kpqwp

 

 

O culto mitológico e necrófilo em constante disseminação no PCP e envolvendo Álvaro Cunhal é, em larga medida, uma importante, quiçá necessária, compensação para a pobreza ideológica que grassa naquele partido, incapaz de entender e dar respostas aos desafios da etapa da globalização acelerada, como uma caução para o acantonamento defensivo do partido face às transformações sociais, culturais e tecnológicas e cuja afirmação se reduz ao tacticismo assente nas bolsas dos ressentimentos sociais face às mudanças e numa prática frenética de sindicalismo partidário usando a CGTP como joguete instrumental. O culto por Cunhal, nunca autorizado na sua vida (e Cunhal nunca permitiu que expressamente lhe fosse prestado culto para que ele adquirisse a sua potência mais elevada, a obtida pela sublimação e pela interiorização do recalcamento da idolatria), hoje à solta no PCP, funciona também como uma sombra protectora para as evidentes debilidades políticas e ideológicas da sua direcção e do seu líder nominal. Perdido Cunhal, o PCP impede e adia o seu luto político, procurando rentabilizar a marca do prestígio deixado em amplos sectores da sociedade portuguesa, hipotecando, assim, a capacidade do PCP responder aos (novos) desafios da era pós-Cunhal e da pós-revolução portuguesa, no quadro da fase pós-soviética, estes tempos de vida democrática assente na legitimidade eleitoral num Portugal radicalmente diferente daquele em que interveio o líder histórico dos comunistas portugueses que pretendeu moldar e que se saldou por uma sua derrota política clamorosa e absoluta.

 

Cunhal nunca foi um teórico do marxismo-leninismo. Não por falta de capacidade (capacidades intelectuais, culturais e políticas, tinha-as e muito) mas por impossibilidade. A obra de Karl Marx é praticamente tudo na teoria marxista. As achegas de Engels foram (maus) acabamentos parcelares. Lenine foi sobretudo um sistematizador do pragmatismo brutal da conquista e conservação do poder comunista, nas condições particulares da Rússia do início do século XX. Estaline, ao enformar o marxismo-leninismo na forma de cartilha, adaptada aos interesses conjunturais da URSS enquanto potência, liquidou-lhe a capacidade de elaboração teórica e fez regredir os próprios contributos e desafios teóricos de Marx ao patamar da escolástica de vulgata, naquilo que hoje se continua a designar como marxismo-leninismo e que nada é mais que uma colecção de mandamentos do bom partido e do bom partidário. Após o advento do estalinismo (sobretudo após a sua consolidação a partir de 1929), o movimento comunista internacional perdeu toda e qualquer capacidade teórica (o último arremedo de teorização criativa foi experimentado por Gramsci enfiado na prisão no início da década de 20). A teoria comunista transformou-se em versões revistas e aumentadas da cartilha de boas práticas sem admissão de colisão com a absoluta hegemonia e caução do PCUS. Foi isso que Cunhal fez, moldando o PCP entre a realidade percebida portuguesa e os mandamentos estalinistas quanto ao funcionamento partidário exemplar. Nada acrescentou ou inovou relativamente à cristalização do marxismo-leninismo. Nem o podia fazer. Se Cunhal estava inibido, por natureza partidária, de ser um pensador político, era um intelectual que pensava e pensava bem, além de ser um revolucionário experimentado e multifacetado. Dedicou-se, pois, àquilo que a prática comunista internacional permitia aos seus quadros dirigentes nacionais -  a reformulação das tácticas, a vigilância ideológica e o aperfeiçoamento dos aparelhos. Esse é o legado da sua obra “teórica”.

 

Enquadrado no actual culto a Cunhal, as Edições Avante iniciaram a publicação das suas “obras completas” (quase) e de que foi editado o primeiro tomo. Mas obviamente que, além do seu valor em termos de posse fetichista para os militantes idólatras, a maioria dos militantes do PCP comprará os livros “do Álvaro” mas poucos se darão ao esforço de os ler. Pelo fraco nível cultural e diminutos hábitos de leitura e reflexão que caracteriza a maioria dos militantes do PCP e pela necessidade de, atendendo nomeadamente á diferença entre épocas, ser necessário descriptar politicamente muitos dos seus escritos. Prova de que assim é e como tal é entendido pela direcção do PCP, foi a necessidade de as mesmas Edições Avante terem agora lançado uma espécie de “gramática de Cunhal” (*) em que vários dos seus dirigentes explicam, sucinta e de modo acessível, simplificando o mestre, os principais significados do que Cunhal quis dizer quando escreveu o que escreveu, numa espécie de retalhos de resenhas para semi-analfabetos do marxismo-leninismo lusitano pensado por Cunhal. Como é normal, os vulgarizadores ficam aquém dos mestres inspiradores. Aqui, confirma-se.

 

(*) 5 Obras de Álvaro Cunhal”, vários, Edições Avante

Publicado por João Tunes às 17:53
Link do post
Comentar:

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO