Terça-feira, 26 de Junho de 2007

RAIZ SOVIÉTICA NO ANTISEMITISMO DE ESQUERDA (3) - ECOS PORTUGUESES

001ka6ew

 

Se a explicação do poder totalitário de Estaline se tem de encontrar na sua própria figura, em que a paranóia criminosa pessoal teve um papel instrumental e estratégico central, ele necessariamente, além de ter bebido na herança deixada por Lenine, correspondeu aos anseios de uma ampla base de apoio procurando a satisfação (por via perversa) de expectativas (desde o grande projecto de ambição de alcançar o cume da pirâmide da “nomenklatura” até ao interesse mais mesquinho de sobrevivência ou uma pequena, ou média, ascensão/afirmação social) de muitos actores secundários, terciários, etc, na URSS e espalhados pelo mundo. A ser assim, o “culto de Estaline” e o servilismo pró-soviético difundido tem de ser entendido no quadro histórico de uma ampla alienação política, ideológica e social com génese na utopia comunista e no marxismo-leninismo (a idealização reificada da praxis do primeiro poder proletário com sucesso sustentado, o saído da Revolução de Outubro, concebido e manipulado em forma de cartilha – com o “centralismo-democrático” como pedra de toque - pelo georgiano que, tendo começado como vulgar seminarista, acabou a dominar um império de meio mundo e a levar a URSS à categoria de superpotência). Alienação esta que, hoje, na Europa do nosso tempo, tem as suas maiores raízes sobreviventes num dos países europeus mais atrasados económica, social, laboral e culturalmente, vivendo um ciclo de orfandade nacional quanto a identidade e projecto (Portugal, PCP com 8% de votos em eleições livres, o que, após mais de 50 anos passados sobre a morte de Estaline e a denúncia dos seus crimes pelo XX Congresso do PCUS, em 1956, representa uma das fixações políticas em Estaline mais tardo-persistentes entre o quadro partidário europeu). Que, passado meio século sobre o desaparecimento e desmascaramento de Estaline, procede, com eco de condescendência social e política desde a esquerda até à direita, a uma rentável reprodução do “culto da personalidade” antes prestada ao “Pai dos Povos”, decalcando-a na veneração póstuma e necrófila de Álvaro Cunhal que esbate a evidência da mediocridade do seu actual e nominal dirigente máximo (um pigmeu político comparado com todos os anteriores líderes do PCP, incluindo no cotejo com o cinzento líder da transição pós-Cunhal, Carlos Carvalhas).

 

Um partido comunista periférico de um país europeu periférico, como foi o PCP, para mais banido durante décadas do movimento comunista internacional (por suspeita de infiltração policial), com sucessivas crises convulsivas de liderança e sujeito a uma feroz perseguição, desenvolveu duas vertentes, catalizadas pelo isolamento e atraso salazaristas: um forte espírito de seita com raízes populares profundas onde as explorações capitalista e feudo-agrária eram mais brutais; uma subsidariedade complexada, com essência de servilismo, perante o farol político da URSS e sem massa crítica para “contestar o pai”, lendo antes a ideologia nos sinais das suas pegadas. A partir da década de 60, Álvaro Cunhal, um visceral e heróico estalinista, um intelectual político de alto gabarito, corajoso e devotado, dotado de uma inteligência superior e com cultura multifacetada, autêntico príncipe maquiavélico, fugido da prisão e líder absoluto e incontestado do PCP, moldou o PCP na cristalização das suas duas componentes identitárias vindas do passado: autonomia para a estratégia nacional de consumo interno e serviço acrítico aos supremos interesses de uma potência estrangeira guia e tutora (URSS).

 

O PCP adorou Lenine enquanto este foi o líder supremo da Rússia bolchevique. O PCP adorou Estaline enquanto Estaline viveu, comandou e assassinou em massa (incluindo centenas de milhar de comunistas), chorando copiosamente a sua morte. O PCP inflectiu “à direita” no seu V Congresso, em 1957 (com Cunhal na prisão), um ano após o XX Congresso do PCUS que adoptou a “coexistência pacífica” e entronizou Kroutchov. Cunhal, finalmente mandatado como secretário-geral e exilado no Leste socialista, acompanhou, entusiasmado, o golpe vitorioso de Brejnev contra Kroutchov, cortejando a clique brejneviana até ao seu fim.  Cunhal, depois, apoiou Andropov, Tchernenko e Gorbatchov na sua ascensão (supunha-o portador de uma panaceia leninista para os males da URSS). Só rompeu com Gorbatchov quando percebeu que a “perestroika” e a “gladnost” encaminhavam o império comunista para a implosão eminente. Na Checoslováquia, apoiou o estalinismo mitigado de Novotny, foi um entusiasta da “primavera de Praga” e amigo declarado de Dubcheck, foi um dos primeiros líderes comunistas a apoiar o esmagamento da experiência checoslovaca pelos tanques do Pacto de Varsóvia, sentindo-se em casa durante a “normalização” de Husak que implicou, além do mais, a expulsão do Partido Comunista da Checoslováquia de meio milhão de militantes comunistas checos e eslovacos. Na Polónia, foi apoiante fidelíssimo de Jaruzelski na imposição da lei marcial contra o sindicalismo polaco. Apoiou, sem vacilações, a invasão do Afeganistão pelo Exército Vermelho. E por aí fora, segundo o princípio de que da URSS só vinham raios solares que iluminavam o mundo. Foi, provavelmente, o português mais soviético (ou, se preferirem, o soviético que melhor conheceu Portugal e os portugueses, e o que aqui deixou marcas mais profundas). Com as suas hostes partidárias rendidas a obedecer-lhe cegamente. Deixou uma herança política e partidária de difícil gestão, desguarnecida da sua excepcional personalidade e da bússula soviética. Hoje, lendo-se o “Avante”, o velho internacionalismo proletário deu lugar a uma salada de aventureirismo cúmplice que mete ETA, bombistas islâmicos, tallibans, Chavez e Fidel. E o regresso esplendoroso, sem tibiezas, ao culto a Estaline, o velho pai recuperado, por via do mito, do túmulo da memória.

 

A comunidade judaica em Portugal, desde a sua expulsão pela Inquisição, há muito que não passa do patamar da insignificância. Mas o preconceito anti-judaico tem raízes fortes na cultura tradicional alimentado pela prolongada prédica católica do tempo do fascismo, só sendo um epifenómeno por falta de visibilidade dos “outros”. Na mitologia popular, “judiaria” é sinónimo de maldade especialmente perversa, “judas” é o traidor, “semítico” é sinónimo de avareza e agiotagem. Israel não é especialmente estimada. A inteligência de esquerda zurze, sem dó e com fraco contraditório, no sionismo, tomando contra Israel posições sistemáticas de repúdio e denúncia quando se verificam conflitos israelo-árabes, se necessário inclinando-se, em cumplicidade, para o apoio moderado mas selectivo pelos fanáticos islâmicos, seja o Irão, o Hezbollah ou o Hamas.

 

Quando Estaline meteu em marcha a sua campanha antisemita e de purga comunista (ver dois posts anteriores), na “conjura das batas brancas” na URSS com réplicas nos restantes países de regime comunista, o PCP apoiou, como sempre foi seu timbre no culto a Estaline e à URSS, mesmo quando das suas maiores monstruosidades criminosas. Veja-se, como exemplo, a posição oficial do PCP tomada no início de 1953, dois meses antes da morte de Estaline:

 

“O recente julgamento, em Praga, de 10 espiões e traidores ao serviço dos imperialistas norte-americanos constitui uma grande contribuição para a defesa da Paz e do Socialismo.”

“Nos seus planos bélicos, os imperialistas não contam somente com o rearmamento, a construção de bases e a preparação de grandes exércitos com vista a atacarem a União Soviética, as Democracias Populares e as forças democráticas de todo o Mundo. Nesses planos têm destacado lugar a espionagem e a provocação contra as forças da Paz e em especial os Partidos Comunistas e Operários, forças de vanguarda da luta dos povos pela Paz, a Democracia e o Socialismo.”

“Em relação aos países da Democracia Popular, em que os Partidos Comunistas e Operários estão no poder, ainda se torna mais encarniçada a acção contra eles e a História mostra-nos muitos exemplos dos infames meios a que os imperialistas têm lançado mão.”

“A própria história da grande União Soviética dá-nos importantes lições a esse respeito. Na sua política de domínio mundial, os imperialistas recorreram á sabotagem, á espionagem e ao assassinato dentro da União Soviética. Os seus agentes, acobertados no próprio Partido Comunista, foram descobertos, julgados e condenados em 1937 e 1938. Estes históricos julgamentos vibraram um golpe profundo nos planos imperialistas, contribuíram poderosamente para a defesa da União Soviética, cujo povo, unido e dirigido pelo heróico Partido Bolchevique, infligiu ao fascismo a grande derrota de 1945. Recentemente foram descobertos os crimes de 11 médicos judeus que, instigados pelos serventuários do imperialismo americano e do Estado de Israel, se dedicavam na União Soviética a crimes de assassinato contra os mais destacados dirigentes do Partido Comunista e do Estado, particularmente dos dirigentes das forças armadas, tendo assassinado Jdanov e o general Shderbokov. Estes infames crimes mostram bem os intentos criminosos dos imperialistas americanos e dos seus lacaios israelitas. “

(…)

“Os imperialistas têm procurado também arrancar a Checoslováquia do campo da Paz e do Socialismo. Em Fevereiro de 1948, o povo checoslovaco, dirigido pelo Partido Comunista, derrotou o golpe de Estado organizado pelas forças da reacção com apoio americano. Desde então o povo checoslovaco tomou conta definitiva dos seus destinos.”

“A descoberta há dois anos, do grupo de espiões encabeçado por Sling, Svermova e Clementis, e passado um ano, a descoberta do chefe de toda esta manobra de traição, Rudolf Slanski [nota: o então Secretário-geral do Partido Comunista da Checoslováquia], vibrou um pesado golpe ma reacção checoslovaca e nos seus patrões, os imperialistas americanos, que contavam com esses traidores e espiões para corroer a Checoslováquia arrancando-a ao campo da Paz.”

“O julgamento e a condenação de Rudolf Slanski [nota: foi enforcado, juntamente com os seus camaradas condenados, numa execução pública numa praça de Praga] e de mais nove espiões imperialistas, eliminando esse grupo de inimigos do povo checoslovaco e desmascarando, mais uma vez, os manejos dos imperialistas, fortalece a unidade e defesa da Checoslováquia, arma o seu povo com novas lições para a luta pela construção do socialismo, rouba aos imperialistas um trunfo importante nos seus planos bélicos – constitui, por isso, uma grande contribuição para a defesa da Paz e do Socialismo.”

(in “Avante”, nº 174, Janeiro de 1953)

 

Imagem: Cartoon checoslovaco sobre a “oferta” da “cabeça” de Slanski, numa bandeja, ao todo-poderoso Estaline.

Publicado por João Tunes às 00:52
Link do post | Comentar

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO