Sábado, 23 de Junho de 2007

VISITA GUIADA À MEMÓRIA

001hz7sw

 

Lendo-se:

 

“Militarmente derrotados, os nazis deixaram semente nas formas do capitalismo democrático do qual foram e são parte integrante. Por isso, para melhor se entenderem as ânsias de branqueamento e de Nova Cruzada que se desenvolvem no presente é preciso visitar a memória.”

 

Passando de largo o tremendismo da visão maximalista e apocalíptica da integração determinista e fatalista do nazismo no “capitalismo democrático, fica-se com uma inevitável expectativa sobre os caminhos propostos para “visitar a memória”, exercício sempre aliciante. Tanto mais que, no próximo domingo, segundo o evocador Jorge Messias, “há uma efeméride que importa recordar: a bestial invasão nazi da União Soviética, em 24 de Junho de 1941”.

 

O pior vem depois. Da guerra vêm uns flashes: “A guerra começou com a invasão da Polónia”, “A derrota nazi que libertou a Europa foi paga pela URSS com o assassinato de 20 milhões de cidadãos soviéticos”, mais a cumplicidade do Vaticano com Hitler. Pouco mais. E nada, absolutamente nada, referindo:

 

- Quando a guerra começou, em 1939, vigorava o “pacto Molotov-Ribbentrop”, de amizade e aliança nazi-soviética, que levou à invasão e ocupação simultânea da Polónia pelo Exército Nazi (parte ocidental) e pelo Exército Vermelho (parte oriental). E que da invasão e ocupação conjunta nazi-soviética da Polónia ainda hoje restam rastos nos traçados das fronteiras ditados pelos vencedores no após-guerra: parte importante da Polónia oriental ocupada em 1939 pelos soviéticos foi integrada em território da URSS reconfigurada por expansão territorial (hoje integrando, sobretudo, a Ucrânia); a Polónia comunista do após-guerra foi “compensada” dos territórios integrados na URSS com a expansão polaca para territórios antes integrados na Alemanha vencida.

 

- Que, em paralelo com a ocupação soviética da Polónia oriental, a URSS anexou as três repúblicas bálticas (Estónia, Letónia e Lituânia), também acordado com os nazis no Pacto Molotov-Ribbentrop.

 

- Que Estaline acreditou até ao último segundo que antecedeu a invasão da URSS por Hitler, descrendo dos seus próprios serviços de espionagem e de informações da “inteligência” ocidental, que o chefe nazi iria honrar sempre o pacto de amizade nazi-soviética e nunca atacaria a URSS (hipótese que Estaline encarava como “uma provocação”). Prova disso é que as fronteiras ocidentais da URSS, a 24 de Junho de 1941, estavam desguarnecidas como se entreteve, em vésperas da invasão, a decapitar os comandos do Exército Vermelho, purgando com fuzilamentos a maioria dos seus generais. E que, assim, Estaline é um dos grandes responsáveis na forma fulgurante como o exército nazi penetrou e ocupou a URSS e pelos 20 milhões de soviéticos caídos na 2ª Guerra Mundial.

 

- Que se a resistência e contra-ofensiva do Exército Vermelho foram fundamentais, com elevado preço em perdas humanas e materiais, para derrotar Hitler, muitos outros (não soviéticos) caíram e que, sem a abertura da “segunda frente” no ocidente da Europa, o Exército Vermelho não tinha alcançado Berlim.

 

Mas é assim, em requentada mitologia pró-soviética e de culto a Estaline que, ainda hoje, o “Avante” se mantem inamovível na parcialidade propagandística, anti-histórica, com que “visita a memória”. Os crimes e os erros estalinistas, integrando a tragédia soviética, resistem a ser expelidos do património do PCP. Para os articulistas do “Avante”, repudiar Estaline e os crimes soviéticos, hoje como ontem, seria fazer o jogo dos “inimigos do partido”, incluindo os nazis que são parte integrante do “capitalismo democrático.

Publicado por João Tunes às 01:11
Link do post | Comentar

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO