Sábado, 16 de Junho de 2007

TESTEMUNHO INCONTORNÁVEL DE UM CAPITÃO DE ABRIL

001hbh59001hc4e4

 

Um militar-historiador (*), figura vinda do nível intermédio do MFA, na preparação da revolução e na sua concretização, sempre na sua banda esquerda até ser marginalizado no nevoeiro de Novembro, passou as suas memórias revolucionárias a romance (**).

 

Como romance, o resultado é assim a modos que um caldo de cozido a puxar para a canja de galinha e com paladar de caldo verde. Mais parecendo um arroubo literário de adolescente a meter brios de candidatura aos jogos florais de um jornalzinho de província. Desastre acabado este, em que se misturam fios de estilo, enredos mal amanhados por puerilmente pretensiosos, devaneios filosóficos, mensagens à Soeiro Pereira Gomes embrulhadas em telurismo à Torga, com um final a galope e o autor à corrida para apanhar a montada.

 

E, no entanto, neste naufrágio de tentativa romanesca, o livro de Gertrudes da Silva tem um valor inestimável como retrato da “pureza” dos capitães de Abril, na banda dos mais genuínos, dos mais sinceros, dos mais desinteressadamente empenhados. Permitindo uma percepção cristalina da psicologia e da evolução traumática da transformação de oficiais profissionais, profundamente provincianos, que da têmpera da guerra colonial se viram alçados a vanguarda popular de um povo em estonteante mudança com os partidos encavalitados no lombo, tentando manter a lucidez da utopia no meio da bebedeira das ideologias à solta. Debalde e tanto que a revolução os engoliu, os melhores, os mais puros, à cabeça.

 

A nostalgia de Gertrudes da Silva pode ter várias leituras. Quanto aos sonhos desfeitos mas também quanto ao absurdo histórico de lançar um povo à solta, depois de longamente reprimido, a fazer a festa com bandas militares a quererem acompanhar a música mas com os instrumentos entupidos com autocolantes a gritar que o povo é quem mais ordena. Enfim, uma nostalgia que é resultado do absurdo magnífico que foi o enterro do fascismo como paga da marcha vinda de Braga em 1926. Num e noutro caso, a mostrar os limites da capacidade transformadora das crenças condutoras germinadas nas casernas.

 

Pela sinceridade demonstrada e experiência partilhada, dificilmente se entenderá o 25 de Abril visto de dentro (nos bastidores das penumbras das sinceridades dos militares curtidas pelas dores das decepções acumuladas até ao beco sem saída) sem se ler o livro de Gertrudes da Silva. Merecendo, por isso, desculpa pelo arroubo de ter plantado nos ombros, desnecessariamente, ridiculamente, galões de romancista.

 

(*) - Gertrudes da Silva, de seu nome completo Diamantino Gertrudes da Silva, nasceu em Alvite, concelho de Moimenta da Beira, a 20 de Fevereiro de 1943. Em 1963 ingressou na Academia Militar, seguindo depois a carreira de Oficial do Exército, na Arma de Infantaria e cumpriu duas comissões na Guerra Colonial – a 1.ª em Angola e a 2.ª na Guiné.

Na preparação do 25 de Abril e no processo revolucionário que se lhe seguiu, foi sempre membro activo nas estruturas e nas movimentações do MFA. Conotado com a “ala esquerda” (ou “gonçalvista”) do MFA, apesar de sempre ter evitado posições extremadas ou radicais, foi marginalizado após o 25 de Novembro de 1975, ficando-se pelo posto de Coronel (agora na situação de reforma).

Em 1980, concluiu a Licenciatura em História na Universidade de Coimbra.
Para além de outras condecorações, foi agraciado com a Grã-Cruz da Ordem da Liberdade pela sua participação no Movimento do 25 de Abril de 1974.

Publicou três livros sobre as suas memórias militares e político-militares.

 

(**) – “Quatro Estações em Abril”, Gertrudes da Silva, Edições Palimage  

Publicado por João Tunes às 16:17
Link do post | Comentar
2 comentários:
De paulo santiago a 16 de Junho de 2007
João
Como sabes não tenho a tua capacidade de análise,só
te sei dizer que não gostei muito deste livro do
Gertrudes da Silva,achei-o um bocado enfadonho.
Gostei do"Deus,Pátriae...aVida"e,ainda mais de"A Pátria ou a Vida"e,até lhe vou transmitir isso numa
próxima altura em que esteja com ele.
Tu tinhas alertado,no post sobre o livro"Estaline"mas,
cada página que leio só encontro horrores.Aqueles
gaijos matavam com um à vontade de arrepiar.Como
foi possivel?
Durante seis meses vais deixar de ser um beduíno...
Abraço
De João Tunes a 19 de Junho de 2007
Abraço meu caro.

Comentar post

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO