Quinta-feira, 7 de Junho de 2007

AINDA OS MÍSSEIS E OS ANTI-MÍSSEIS

001g0qft

 

Tendo contraditado um post do João Abel Freitas sobre a polémica dos mísseis/anti-mísseis na ponta oriental da União Europeia, saltou o Raimundo Narciso com a sua conhecida e reconhecida competência como especialista em questões militares e de defesa. Como o João Abel veio confirmar a delegação de argumentos no seu parceiro mais entendido, nosso amigo comum, é, pois, com o Raimundo Narciso que me tenho de entender (como reparto estima e admiração por ambos, é com absoluta benevolência que assisti a esta “troca de cadeiras”). Embora sem méritos de competência técnica idênticos aos seus e sem dispor de cábula soprada pelos únicos que, em Portugal, pedem meças ao Raimundo Narciso nesta matéria de rara especialização – Nuno Rogeiro e Loureiro dos Santos. Mas quem não tem gato caça com rato, recorrendo a uma pequena habilidade desde já confessada – deslocar-me para a discussão política.

 

1)      É evidente que o RN sofre de “sovietismo do tempo da guerra fria” (curiosamente, de espécie mais “dura” que a que foi expressa ontem pelo “Avante”). Numa imutabilidade em que Putin e a actual Rússia mantêm por herança os lugares intocáveis de culto e afecto quando eram protagonistas de outras eras, pelo menos em comparação com o “Imperador do Mal”. E, por acréscimo, mantem a diabolização (muitas vezes, pelo silenciamento das qualidades dos estados-membros) da NATO (agora … desnecessária) e uma visão teimada na separação conflitual Europa / Estados Unidos (visão de maldição dicotómica que esquece que a Europa precisou dos Estados Unidos para vencer as vontades imperiais alemãs na I e na II Guerras Mundiais e para se libertar do domínio comunista). Este sovietismo persistente, na sua parte mais inquietante, vai ao ponto de continuar a colocar os antigos países sob “socialismo real” numa espécie de inibição nas suas políticas de alianças, como se as décadas de domínio soviético lhes ficassem agarradas à pele como eterna condicionante geoestratégica. Assim, o facto de estados soberanos definirem as suas posições no quadro da NATO, se elas irritarem a Rússia, transforma-os em “vítimas da síndrome anti-soviética naturalmente transferida para a Rússia são por razões históricas presas fáceis de nova satelização e prestam-se mais que outros e por baixo preço, a ser peões americanos na União Europeia”. Mas como o que antes daria direito a invasão e hoje nem tanto, desvalorize-se este espiche xenófobo relativamente a estados e povos libertos da “soberania limitada” definida por Brejnev e falida definitivamente vai para quase vinte anos.

 

2)      O argumento mais fantástico de RN para advogar inibições da Polónia e da República Checa em implantarem sistemas defensivos anti-mísseis que ofendam Putin (a Alemanha possui-os e tal não é questionado) é que “foi esta [União Soviética] com Gorbatchov, que facilitou a descolonização da Europa de Leste”, o que é absolutamente risível. Com que então, uma implosão partilhada, dá direito a dívidas de gratidão do pequeno implodido para com o grande implodido? Oh meu amigo…

 

3)      No fundo, o mais interessante neste imbróglio é que o mais certo é, afinal, Bush e Putin se virem rapidamente a entender sobre a crise aberta (como isso induz as conversações bilaterias ocorridas paralelamente à reunião do G8). Aqui sim, como nos velhos tempos. E, infelizmente, com a Europa a fazer pouco mais que a assistir ou tão somente a fornecer a sala de reuniões. Passando ao anedotário as partes gagas de Putin mandar a NATO utilizar o Azerbeijão em vez da Polónia e da República Checa, com a Letónia a perfilar-se como sucedânea nas barbas russas postas de molho no Báltico.

 

4)      Reconheço e sublinho que o RN partilhou comigo não termos ido na patranha da “defesa contra o Irão e a Coreia do Norte”, mal enfiada neste caso. E ambos não termos ido neste falacioso argumento de Bush, é uma boa forma de se celebrar o final desta conversa. Muito gostaria de ter RN também a partilhar uma visão menos soviética (agora na variante russófila). Mas, como sobre coisas tão perigosas quanto os mísseis, um acordo que seja, mesmo minimalista, é sempre digno de nota.

Publicado por João Tunes às 22:55
Link do post | Comentar

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO