Terça-feira, 5 de Junho de 2007

O ESPÍRITO SANTO QUE LIXOU O MEXILHÃO

001fsqa0

 

As feridas abertas pelo fiasco da última “greve geral” vão demorar a sarar. Sobretudo porque quem a impôs está longe de ter o hábito de reconhecer erros e confessar derivas aventureiras em que a realidade é substituída pela satisfação dos ímpetos. Assim, o mais provável é que se tente apagar a evidência do desaire (que era mais que previsível) com uma barreira de pequenos êxitos parciais e localizados mais o empolamento das “coacções” que terão impedido o êxito absoluto e retumbante. Porque “não se pode prejudicar o partido” nem “a central sindical” e muito menos “fazer o jogo da reacção”, eufemismo este que designa um leque vasto que vai do governo ao patronato, passando pela UGT. Basta esperar os comunicados de balanço da “greve geral” a serem proximamente emitidos pelo Conselho Nacional da CGTP e pelo CC do PCP. Lá estarão expostas as peneiras candidatas a tapar o sol das evidências. O costume.

 

O Bloco de Esquerda que convive com o PCP na CGTP, embora numa posição ultraminoritária, aproveitou o seu congresso do passado fim-de-semana para sacudir a água do capote ao desmontar a falácia desta pseudo “greve geral”. O que só veio acirrar os rancores da maioria de controlo que, em qualquer circunstância, só canta sucessos e vitórias em crédito de amanhãs redentores. E as reprimendas ao Bloco não tardaram da parte de Jerónimo de Sousa:

 

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, acusou ontem o Bloco de Esquerda de ter "uma deriva social-democrata".

(…)

A greve geral, afirmou, "não foi nada por invenção da CGTP ou do PCP, mas foi por necessidade objectiva dos trabalhadores portugueses", garantiu Jerónimo de Sousa.

 

O primeiro parágrafo transcrito deste puxão de orelhas é sintomático de revelação da sintaxe partidária do PCP na sua relação instrumental com o movimento sindical. Como ser-se ou não “social-democrata” (epíteto condenatório usado para calar ou afastar alas em intra-dissonância dentro das fileiras “revolucionárias” do PCP, na velhíssima dicotomia que baliza a “firmeza ideológica”) fosse critério de avaliação para uma componente de um movimento social (o mundo sindical) ou para um outro partido não subordinado. O segundo parágrafo transcrito é ainda pior, na medida em que alija responsabilidades para o campo do abstracto (“os trabalhadores portugueses”). Como se a decisão voluntarista da realização desta “greve geral” tivesse sido imposta ao PCP e à CGTP, por obra e graça do espírito santo, por uma qualquer “necessidade objectiva” caída desamparada em cima dos conciliábulos sindicais. Mas, mais uma vez, nada melhor se pode esperar de aventureiros profissionais encartados de revolucionários com os pés fora do mundo da realidade.

 

De qualquer forma, o mais grave nesta luta pífia denominada de “greve geral”, está muito para além da chicana partidária alinhada com a desresponsabilização política dos actos praticados (e aqui pinga para o lado do PCP como para a banda do Bloco que só se descolou da "greve geral" depois e porque ela foi um fracasso). O pior é que esta derrota, ampliada por não se assumirem nem se corrigirem os crassos erros de procedimento, avaliação e decisão, ocasiona não só um retrocesso do já debilitado sindicalismo (está nos “livros do sindicalismo” que uma greve falhada – a greve é uma ferramenta de luta a utilizar como último recurso e em condições que lhe sejam favoráveis – representando sempre um retrocesso difícil e moroso de recuperar), como proporciona ao governo e ao patronato um álibi formidável para a continuação de práticas de insensibilidade e desprezo social. Além de que, minguando a margem da resposta social na sociedade civil, aumenta o espaço de manobra para o florescimento do “centrão”. E, como diria Jerónimo, o vento soprará mais a favor da “deriva social-democrata”.

 

Imagem: Jerónimo, o bem aventurado entre grevistas (da capa do último “Avante”)

Publicado por João Tunes às 11:44
Link do post
Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO