Sábado, 26 de Maio de 2007

SEM CULPA, ESTIVEMOS TODOS LÁ?

001ecrg4

 

Alexandra Prado Coelho (APC) desenvolveu um extenso e competente artigo no último suplemento “ípsilon” do “Público” dedicado à nova vaga de literatura portuguesa sobre as nossas raízes africanas. E situa o previsível caminho de sucesso do romance de estreia de Francisco Camacho [“Niassa” (*)] na neo-literatura pós-colonial inaugurada com um livro de Francisco José Viegas (“Lourenço Marques”). Tratar-se-á, segundo APC, de uma superação, por via literária, das marcas dos traumas da colonização/descolonização como da guerra colonial (segundo APC, essa espécie de via gasta e esgotada). Neste regresso às origens africanistas que amarram, mais ou menos conscientemente, a maioria dos portugueses, nessa ideia do “estivemos todos lá”, junta-se a desculpabilização desse esperado regresso a “África, sem culpa”.

 

Se pressa mais vontade fossem boas companheiras e melhores auxiliares, APC não só teria razão como se lhe ficaria a dever o diagnóstico certeiro de termos catarse feita e para a frente é que é caminho. Não o creio, contudo. Por razões que indiquei antes e por outras acrescentadas pelo agora celebrado livro de Francisco Camacho. E se o livro de Francisco José Viegas, o tal percursor da “nova vaga neo-africanista”, fraquíssimo e falhado do ponto de vista da criação literária (o que não é o caso deste “Niassa”, muitíssimo mais valioso neste aspecto, autêntico caso bem sucedido de estreia trepidante no romance), foi o iniciador paradigmático desse olhar de superioridade moral de direita perante a pós-descolonização, onde avulta o criticismo cínico condenatório da forma como os africanos construíram e constroem as suas independências, Camacho não lhe fica atrás, pelo contrário. Curiosamente, centrando a caracterização da perfídia colonial em Angola (o massacre da baixa do Cassanje), mas com o ónus centrado nos hiper-colonialistas belgas da Cotonang e com os colonos portugueses até a fazerem boa figura, salta para Moçambique (e por cima da guerra colonial) para obter o contraponto nos desmandos da administração e do modo de vida habitual da nomenklatura corrupta moçambicana. Claro que quem conhece (ou leia as notícias) a realidade dos novos estados africanos e as pós-independências, sabe que Camacho, como antes Viegas, não inventam nada e que já foi escrito, por exemplo, por Pepetela, ou aludido por Mia Couto e outros. Como se sabe da monstruosidade que foi a “Operação Produção”, mandada por Samora e organizada por Guebuza, na deportação “à Pol Pot” de parte da população urbana de Maputo para o Niassa. Como se sabe do flagelo da rapina e crime que recheiam a construção da “acumulação capitalista acelerada e selvagem” nas antigas colónias portuguesas. E muito mais, do pior. Tanto que a muitos romances profícuos podem servir de excelente motivo. A questão, a meu ver, não está aqui, nesta realidade de construção de nações assente na rapina (e quantos estados se construíram sem ela?) ou, no caso vertente, Moçambique, numa rapina de re-apropriação que destrói mais que aquilo que acumula. O problema começa, sim, quando, por insuficiência da localização do passado de rapina e iniquidades coloniais e dessa monstruosidade maior chamada guerra colonial, projectando-se sobre os africanos uma mítica degradação social e humana ao cuidarem de si e da herança igualmente mítica da ordem, progresso e abundância coloniais, olhadas sob a severidade do juízo do homem europeu, mormente nostálgico do romantismo africano e legitimado pela autoridade dos brancos que ali nasceram, criaram raízes e permaneceram como guardiães semi-cafrealizados da civilização justa, a ocidental.

 

A não perder a leitura do excelente romance de estreia de Francisco Camacho, esse reencontro com as margens do Índico, onde repousam muitas e sufocantes nostalgias, em que o mistério/sortilégio Niassa ocupa o zénite do mito/lenda. Com uma narrativa empolgante, muito bem escrito, a percorrer com a adrenalina máxima de leitura. Embora, além de uma ponta final narrativa perfeitamente desastrada numa forma caótica de embrulhar o livro, entregá-lo ao editor e seja o que deus quiser, se ressinta ainda, ao contrário do que pensa e diz APC, dos buracos na nossa literatura sobre a presença portuguesa em África e cuja catarse continua em demorada fila de espera. Pois talvez só os escritores africanos, os permanentes (e não os de passagem, esses inchados de nostalgia do transitório, muito menos os enfeitados com togas de superioridade ocidental), possam completar as peças soltas dos puzzles, os nossos e os deles.

 

(*)“Niassa”, Francisco Camacho, Ed Babilónia 

Publicado por João Tunes às 15:27
Link do post
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO