Quinta-feira, 17 de Maio de 2007

NOUTRA IGREJA, A DOS CATÓLICOS

001d6cbd

 

Lançados pela mesma editora, num curto espaço de tempo de intervalo, com o mesmo formato e idêntica linha gráfica das capas, o livro de Joana Lopes sobre a luta dos católicos progressistas no tempo do fascismo (*) e o de Raimundo Narciso sobre a “dissidência da terceira via” quase se confundem nos escaparates das livrarias. Depois, atentando bem nas capas, numa resplandece Cunhal e na outra os “salazares” multiplicam-se como se fosse uma montra de capelista. Mas lendo-os, as sensações de semelhança regressam à tona – estão lá as “igrejas” e as suas ovelhas tresmalhadas, ambas com algumas missas estragadas e depois recompostas, confirmando as enormes semelhanças entre comunismo e catolicismo.

 

O livro de Joana Lopes, que viveu como militante católica antifascista as peripécias da erupção e acção corajosa dos católicos progressistas portugueses contra o Estado Novo e o enfeudamento da Igreja Católica ao regime, é um notável documento testemunhal sobre uma forma de luta, talvez das mais esquecidas e menos valorizadas, no quadro da Resistência. Lendo as peripécias, feitos e falhanços daqueles católicos que, influenciados e impulsionados pela sua “glanost” (no caso deles, o Concílio Vaticano II), pretenderam forçar um outro olhar cristão sobre a sociedade, a fractura no cimento do “fascismo catolicista”, essa essência ideológica do fascismo à portuguesa, e pela democracia e pela liberdade, com ênfase particular na denúncia da guerra colonial, sentimos a par e passo a evidência, em termos de luta política e se comparada com a que era feita pelos “revolucionários profissionais”, constantes toques de ingenuidade, amadorismo e um romantismo muito pueril em busca constante de suportes teológicos que abrissem brechas no dogmatismo da aliança sólida e consolidada entre Salazar e Cerejeira. E, no entanto, que força essa, espiritual e determinada, que levou esse punhado de activistas que não entendiam que a ditadura coubesse nos evangelhos! Como mérito maior, o livro de Joana Lopes, além do valor do seu contributo histórico, permite um olhar múltiplo para os diversos caminhos da resistência à ditadura enquanto demonstra também que, afinal, nos últimos tempos da ditadura (a partir da década de 60), a Igreja, sobretudo católicos leigos mas também vários sacerdotes, estava longe de ser um bloco monolítico de suporte do regime. Também ali, o fascismo português ia apodrecendo.

 

Pensando na herança desta luta dos católicos que foram capazes de dizer não, lá vem a pecha sistemática de quase todas as dissidências: a falta de sinais de continuidade e de herança. De facto, onde está hoje na Igreja a herança do percurso glorioso dos hoje venerandos e reformados “católicos progressistas”? Deixo as respostas para os directamente interessados nesta "missa".

 

(*)“Entre as brumas da memória – os católicos portugueses e a ditadura”, Joana Lopes, Editora Âmbar.

Publicado por João Tunes às 16:41
Link do post | Comentar
4 comentários:
De mjoanalopes@gmail.com a 17 de Maio de 2007 às 22:46
Obrigada, caro João, pela atenção prestada ao meu livro.
A semelhança gráfica com o do RN é óbvia: mesma editora e mesma colecção, resultantes da abertura para estas excentriciddes de um excelente editor (Nelson de Matos) que, entretanto e infelizmente, já deixou a Âmbar.
Quanto ao que pergunta sobre à herança destes progressistas na Igreja de hoje, é uma questão muito complexa, na qual não me quero meter porque eu própria tenho grandes dificuldades em entendê-la...
De Paulo Santiago a 17 de Maio de 2007 às 23:16
A pergunta que fazes no fim do teu post,também a
faço a mim próprio.Penso que a Igreja regrediu,a
Cúria tenta acabar com o Vaticano II,os leigos
progressistas parece que desapareceram,continuando
a haver causas importantes por as quais é preciso
lutar.Havia personagens de referência:o enorme
D. Helder Câmara,Bispo de Olinda e Recife,o assassinado D.Óscar Romero,o Abbé Pierre,os Padres
Brancos e D.Vieira Pinto em Moçambique,enfim grandes católicos e grandes homens já desaparecidos.
Voltaram a aparecer os fundamentalistas"cursos de
cristandade"
Mas,continuo a acreditar,também sou Igreja.Melhor,
sou um anarca católico.
Um abraço
Paulo
De M.C. a 18 de Maio de 2007 às 15:15
Meu caríssimo, João. Boa comparação entre o comunismo e o centralismo católico. São assuntos muito complicados e profundos para dialogar.

Aqui, na sua caixinha de comentários, deixo o desabafo em relação a uma carta que recebi esta semana assinada por um padre (jovem) responsável por um serviço na Igreja e que, apenas acabada de ler, a desfiz em mil pedaços e deitei no lixo como se me queimasse as mãos. Mais do que as mãos, a alma, como é fácil de supor.

Quando aconteceu o 25 de Abril, eu era uma adolescente e os métodos e as consequências da ditadura fui conhecendo depois.

Não é que a porcaria da carta (circular) era um espelho perfeito de tudo isso?

Fiquei tão chocada que ainda não tive coragem de a comentar com ninguém.

De João Tunes a 18 de Maio de 2007 às 15:52
Para o Paulo e a Maria Conceição, sendo católicos desinibidos, têm todas as razões para não deixarem de ler o livro da Joana Lopes. Ele conta a odisseia dos que quiseram ser católicos limpos num tempo muito difícil para o ser. Com o senão, também partilhado em cima pela autora, de induzir perplexidades de hoje, sem o casamento entre a Igreja e o Regime, serem menos audíveis as vozes por uma fé limpa do serviço aos poderosos e autoritária nos seus procedimentos internos.

Comentar post

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO