Sexta-feira, 11 de Maio de 2007

O IMPOSSÍVEL CONSEGUIDO

001cdp9c

 

O Vítor Sousa chama-lhe “a história de uma inverosimilhança real (em Portugal)”. Os seus organizadores contextualizam-no assim:

Pretende contar uma história – a história da candidatura de Manuel Alegre às presidenciais de 2006, contada por alguns dos que a viveram. Mas pretende também sustentar uma tese – a de que esta candidatura foi o espaço de um movimento emergente, inovador e transversal aos partidos, que alastrou a todo o país e teve um carácter verdadeiramente nacional.”

 

O livro chama-se “Conseguir o Impossível”, trata da campanha presidencial de Manuel Alegre, teve coordenação de Helena Roseta, Manuela Júdice e Nuno David, apresenta um posfácio de Nuno Júdice e contou com a colaboração de Luís Novaes Tito. Com chancela da Dom Quixote, é posto à venda no próximo dia 21.  

 

A minha modesta participação na campanha por Manuel Alegre foi, no calmo retiro político-partidário a que me remeti desde que abandonei o PCP em 1988, um grato momento de recaída activista e de entusiasmado proseletismo. Mais que uma miragem utópica, esta campanha pela revitalização política da cidadania e da afirmação de uma esquerda liberta das teias de aranha dos estereótipos partidários, foi uma forma de abanão, demonstrando que era possível, foi quase possível, apelar ao impossível. Ou seja, ao sonho de transformar. O que não impediu o enorme espanto de verificar que, afinal, centenas de milhares de cidadãos e cidadãs deste país estavam prontos a quererem acordar, recuperando a palavra. Isto enquanto a esquerda que gosta de ser velha, persistia no equívoco serôdio de puxar a manivela dos velhos reflexos, insistindo em mais do mesmo. Esquerda velha e teimosa esta que ainda hoje não entendeu porque é que o sonho lhes ganhou em votos.

 

Foi-se a campanha, ficou o sonho. Venha, agora, o livro. Para que a memória ajude a guardar o ânimo para (ainda) fazer o impossível acontecer.

--------

 

Adenda: Segundo informa o Luís N. Tito, a apresentação pública deste livro, a cargo do sociólogo Manuel Villaverde Cabral, será em 29 de Maio. Mas o livro é colocado à venda no dia 21.

Publicado por João Tunes às 13:04
Link do post | Comentar
6 comentários:
De outro a 11 de Maio de 2007
então a 21 passa oficialmente à estante. é a velhice.
gosto e não gosto do que emocionalmente senti ao ler este post. 'passar à estante' ´q quase arrumar e por terra em cima, e ainda foi há tão pouco tempo, porque é que ele ainda parece mais quando assim, 'livro', memória já lombada de estante?
claro que vou comprá-lo. claro, pois. manias. manias da velhice, assim acelerada.
abc
De JN a 11 de Maio de 2007
Mas a campanha do M. Alegre foi uma desilusão a toda a linha... Muitos chavões utópicos e pouco mais. Muita parra e pouca uva. Quanto a originalidades - que desastre! - acho mesmo que só o vetusto conceito de "patriotismo", que ele foi buscar não sei donde. E no final que sobrou? Apesar dos resultados nas urnas, foi um "ar" que lhe deu. Sumiu-se sem rasto, tipo balão vazio, numa "festa" que não chegou a inscrever-se nem deixar marca consistente.
Pelo menos para mim foi uma desilusão, que fui simpatizante.
João Nascimento
De Vítor Sousa a 11 de Maio de 2007
Não conseguir diagnosticar originalidade numa campanha com matizes precursores é, no mínimo, rocambolesco. Ainda para mais quando o João Nascimento assume que foi simpatizante da causa. Com mais tempo, tentarei abordar com minúcia os dois comentários aqui vertidos. De qualquer modo, posso garantir que o livro não representa a eternização do passado, mas sim a exposição de um passado transformado em candeia do futuro.

Um abraço insular.
De LNT a 13 de Maio de 2007
O que eu acho, meu caro, é que a democracia tem pouco tempo para lutos e que a memória em política é tão curta que se não for registada será fantasiada.
Quem esteve por dentro, melhor, alguns dos que estiveram por dentro, entenderam fazer esse registo.
Poderá ser cedo? Talvez.
Mas é preferível que fique feito por quem esteve envolvido do que por alguém que um dia destes, com base nas habituais informações de fontes anónimas, o venha a fazer.
Se outros entenderem registar igualmente certamente não lhes faltará arte para o fazer.
Abraço
Luís Novaes Tito
(publico igualmente este comentário no On the Road Again)
De carlos gil a 13 de Maio de 2007
lá no meu tasco fartei-me de escrever acerca disto e acho que até me embaralho mas o essencial andará por lá.
olho para as 'lombadas' e vejo memórias, dia x passa mais um ano. eu nasci a 9 de Abril, dia da batalha de La Lys. quando cheguei a Pt olhava com interesse as notícias na tv no 'meu dia', a que nunca faltava que era a dos 'sobreviventes' da batalha, uma turma medalhada e com bandeira a tiracolo que foi diminuindo até que o programa acabou, há anos que a tv não faz uma festa no meu dia. foi este sentimento (com o prudente 'mais ou menos', claro) que senti ao ler que um acontecimento que me fora marcante passava a facto histórico encadernado, outra lombada na estante das memórias e, tivesse igual tragédia associada, personagens iam-se diluindo no tempo pelo perecimento da memória, incluindo a sub judice, a dos sonhos. é mais ou menos isto, mero sentimento pessoal de que a velocidade do tempo não pára de me surpreender, e em resmungo lamentado num "já?" estritamente - repito - por razão pessoal.
abraço do Gil, outro especial ao João que muito também sente ao 'ler' este livro, recordar.
De João Tunes a 14 de Maio de 2007
Obrigado a todos pela vossa excelente conversa.

Comentar post

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO