Domingo, 6 de Maio de 2007

FOTOS E MEMÓRIAS NO PREÇO DA LIBERDADE

001btqt4

 

O livro recentemente editado pela “Assírio & Alvim” sobre ex-presos políticos portugueses (*) tem a particularidade primeira de ser da autoria de dois jovens, o que confere aos seus olhares (pela fotografia ou pela obtenção dos depoimentos) uma componente de “descoberta” perante os tempos em que se era preso por se combater por ideias, um quase absurdo nos tempos que correm (pela ausência de repressão e porque são muito escassas as ideias). Depois, apresenta a singularidade de ser um livro a quatro mãos, pelas fotos e pela escrita, apresentada em registos separados, e disso resultar uma estética da memória sofrida. Finalmente, a escolha do leque dos resistentes lembrados e entrevistados demonstra um invulgar critério selectivo em que se constata que, afinal, a luta contra o fascismo não foi toda do PCP, embora lhe tenha cabido a parte maior.

 

A opção na parte fotográfica de João Pina resulta em sugestivos registos da passagem do tempo, em que à impressividade fotogénica sob o medo e o terror dos carcereiros nas fotografias tiradas nos primeiros momentos das prisões pela PIDE (antes de os presos serem torturados), se somam as marcas dos tempos passados em que a velhice dos retratados desponta sobre o inexorável desgaste de mais de trinta anos acumulados de liberdade e uns tantos sonhos gastos (dois dos retratados/entrevistados já faleceram entretanto: Emídio Guerreiro e Sérgio Vilarigues).

 

Os depoimentos têm um registo sintético-biográfico que nos dão uma dimensão bem real do que foram, em iniquidade e continuidade, o salazarismo e o marcelismo. Como costume, os depoimentos de comunistas ainda alinhados no formato partidário vindo dos confins em que Cunhal o moldou, tornando-o num dos mais “moscovitas” entre os partidos irmãos, são os expectáveis – o mesmo apagamento individual, o mesmo enaltecimento colectivo da causa, a mesma reprodução em poupanças quanto a registos humanos variáveis em que “sombras” possam espreitar e prejudicar os mitos partidários. Mais interessantes, porque mais soltos, são os vários depoimentos de não comunistas ou que o foram e deixaram de ser, como se a amplitude humana ganhasse sem a canga da moldura do auto-estereótipo.

 

Particularmente interessante, além das sagas aventureiras fascinantes de Edmundo Pedro, Varela Gomes e (sobretudo) Emídio Guerreiro, é o depoimento de Nuno Teotónio Pereira, militante católico, na medida em que é um dos poucos casos em que assumiu publicamente não ter resistido à tortura da PIDE e ter denunciado, acarretando-lhes a prisão, os seus companheiros de conspiração. Este acto dorido de confissão de traição, com descrição dos martírios de consciência que isso acarretava e que prolongava infinitamente o próprio acto de tortura da polícia, é não só corajoso como derrama sobre a epopeia dos presos políticos um banho de humanidade credível. Assim, a excepção de Nuno Teotónio Pereira, quando sabemos que foram muitas as centenas de pessoas que, tendo lutado contra o Estado Novo, não suportaram a tortura física e psicológica aplicada pelos esbirros da PIDE, levanta a questão de quanta parcialidade e composição do retrato histórico do antifascismo é difundida através dos depoimentos oficializados e considerados correctos na absolutização da dicotomia de heróis para um lado (os resistentes) e diabos para outro (Salazar e pides). Como se fosse possível uma tal grandeza universal numa qualquer comunidade clandestina, género “fábrica de heróis”, para mais sujeita aos tratos brutais extremados aplicados por Salazar e Caetano aos seus oponentes para os excluir de qualquer ponta de dignidade humana. Quando se perceber que a revelação da extensão e profundidade do leque abundante dos que baquearam na PIDE, é sobretudo reveladora da perfídia maior da máquina repressiva do regime fascista, talvez os que “traíram” comecem a falar. Hoje, mais que julgá-los, o que está em causa é libertá-los do fardo do silêncio que amarfanha os seus sentimentos de culpa, enquanto a saga antifascista ganha em credibilidade, ao tornar-se humana.

 

(*)“Por teu livre pensamento”, Rui Daniel Galiza (texto) e João Pina (fotografia), Edições “Assírio & Alvim”

Publicado por João Tunes às 17:30
Link do post | Comentar
2 comentários:
De Joana Lopes a 7 de Maio de 2007 às 10:47
Excelente. Refiro-me sobretudo ao que diz sobre o depoimento de NTPereira (de quem sou amiga há mais de 40 anos). A denúncia que faz da necessidade de trazer à liça a problemática dos que falaram porque não aguentaram as torturas da PIDE é importante e urgente. É um projecto que tenho em carteira já há algum tempo, mas não sei ainda como lhe pegar - um blog não chega, embora talvez aproveite a sua boleia para abordar o assunto no meu.
De João Tunes a 7 de Maio de 2007 às 14:54
Obrigado pela simpatia. Dediquei-lhe um re-post como retribuição. É uma honra ter por aqui a sua ilustre companhia.

Comentar post

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO