Domingo, 6 de Maio de 2007

UM PARADOXO DE TALLIN?

001bsg9s

 

A propósito do reboliço com a estatuária em Tallin (citando, em paralelo, a questão do museu de Santa Comba Dão), Rui Bebiano suscita uma interessante questão: em que medida os actos simbólicos de rejeição e apego aos marcos públicos de memória, são ajustes directos de contas com o passado vivido e rejeitado ou, antes, pretextos para imaginar, resolver ou agregar causas aproveitadas. E aventa a hipótese de, por paradoxo, o confronto retroactivo nem sequer significar um retrocesso saudosista, antes esgotando-se na ritualização de um descontentamento.

 

No essencial, concordo com Rui Bebiano. Mas considerando adicionalmente que não há, não pode haver, um corte absoluto entre a reprodução desejada e a recriação celebrada. Por muito forte que seja a sublimação substituinte. Haverá, pois, um traço de continuidade que funde as suas linhas paralelas (a celebrada e a desejada). Caso contrário, não se explicaria, no mínimo, como é que as crispações envolvem afirmações fanatizadas que não hesitam enveredar pela via da violência, saldando-se, em parte dos casos, em riscos assumidos e consumados de risco de vida, integridade física e privação da liberdade, para além dos riscos grossos de dissonância conflitual traçados no tecido gregário e com marcas que atravessam famílias, amizades, comunidades profissionais e espaços de convívio.

 

O caso da Estónia é especial e específico. De tal forma que julgo difícil que sirva de paralelo com muitos outros e especialmente com a saga grotesca de Santa Comba Dão, o que não impede que se aceite o desafio de Rui Bebiano enquanto escopo da sua tese. A Estónia é não só um pequeníssimo país (e próspero!) como, em termos relativos, foi submetido a uma “russificação soviética” de grande impacto e num medonho processo de “trocas” [no após-guerra, uns bons milhares de “estonianos maus”, acusados de colaboracionismo com os nazis, foram fuzilados ou remetidos para o Gulag, enquanto uns outros bons milhares de “russos bons” (tão “bons” que eram “soviéticos”) procederam a um povoamento ocupante da pequena e próspera Estónia]. E este “intercâmbio” teve ainda o significado, não despiciente, de se ter processado com troca de mosaicos étnicos bem vincados (nórdicos para o paredão e o campo de concentração, eslavos para a “substituição”). Implodido o império soviético, o mosaico estónio-russo daquele pequeno país ficou feito vidro perante a mais pequena martelada. Os ocupantes de ontem, mas mantendo peso significativo, passaram a minoria exposta ao ressentimento (para mais, a maioria dos russos vivendo na Estónia, mantiveram-se como cidadãos russos e não adquiriram a nacionalidade estoniana). Os acontecimentos à volta do monumento-memorial dedicado aos soldados soviéticos caídos no combate contra os nazis, agora removido, foram o clímax das tensões acumuladas e não resolvidas e demonstram que cada uma das comunidades está longe de baixar os braços na disputa e no confronto em torno do papel dos “russos estonianos” no futuro do país. Pela parte nacionalista estoniana, obviamente que se deseja que, com a “despedida do monumento”, a maior parte dos russos se vá embora. Quanto ao lado dos “russos estonianos” (sublinhe-se que, nas manifestações destes, dão-lhes colorido as muitas velhas bandeiras da URSS), não há vontade alguma de trocarem a prosperidade estoniana, com a maioria instalada em posições de privilégios adquiridos à sombra do mando vindos do tempo da nomenklatura soviética, pela miséria russa dos tempos actuais.    

 

 

E o que faz, no meio dos veros conflitos, o conjunto de pedra monumental de homenagem ao combatente soviético contra o nazismo plantado em Tallin? Não será, seguindo o raciocínio de Rui Bebiano, um mero pretexto para outros duelos e ajustes de contas? No caso, para erupções de nacionalismo, chauvinismo e xenofobia, doenças políticas (modernas) de que o pobre combatente do Exército Vermelho, empenhado que estava, e apenas, em heroicamente dar a vida para expulsar a besta nazi. O problema é que esta isenção purificadora da estatuária soviética (ao fim e ao cabo, a lida pela parte russófila) é uma parte pequena, muito pequena, da multi-simbologia associada e associável àquelas pedras da discórdia. E com a agravante de, ali, os símbolos se negarem entre si. Se os soldados soviéticos libertaram as terras estonianas do nazismo, mais (!) que a vontade de grande parte dos estonianos o desejaria, não é menos verdade que o nazismo ocupou a Estónia (e restantes repúblicas bálticas) em substituição de uma anterior ocupação soviética acordada entre Hitler e Stalin (constava dos protocolos secretos anexos ao pacto de não agressão nazi-soviético de 1939). Ou seja, a “libertação soviética” da Estónia em 1944, publicamente enaltecida como memória publicamente exposta, feitas as contas, não foi mais que a reposição da repartição imperial acordada em 1939 por dois aliados que, depois, se zangaram e guerrearam. E, neste sentido, o soldado soviético empedrado é, antes do mais, a figuração do soldado ocupante que ali se instalou em domínio em 1939, por vontade de Stalin e com o beneplácito de Hitler. Numa continuidade ocupante apenas interrompida entre 1941-1944 e só terminada em 1991. Para nós outros, encharcados que estamos do efeito dos módulos do antifascismo e da libertação do nazismo pelos soviéticos, a simbologia acumulada do memorial da discórdia em Tallin pode parecer demasiado retorcida para o considerarmos apropriável pelas novas gerações estonianas, inclinando-nos, antes, para aproveitamentos e extrapolações de novas e desvairadas paixões oportunistas. Mas, aposto que, para um qualquer estoniano (excepto para os que comeram à mesa do “aparelho do partido”), a continuidade histórica é bem simples de estabelecer. Pior, de aceitar.

-----

[Adenda: A não deixar de ler o post complementar colocado pelo Rui Bebiano.]

Publicado por João Tunes às 16:02
Link do post
Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO