Terça-feira, 24 de Abril de 2007

PUNIÇÃO PARA O NEGACIONISMO?

001adxzd001acy6x

 

Desta vez, estou completamente de acordo com o Tiago Barbosa Ribeiro. Não faz qualquer sentido impor um filtro administrativo-disciplinar à expressão de ideias e interpretações, por muito estúpidas e repugnantes que elas sejam. E os efeitos são sempre contraproducentes: cria-se um pólo de interdito com poder atractivo; abre-se uma senda de deduções reactivas de equivalências intermináveis e inevitáveis, algumas absolutamente justificáveis e cuja isenção apenas se deve a um défice de escalpe e denúncia, ao abrigo da simplificação pelo enfoque sobre o Mal Maior.

 

A proibição de “más ideias” ou “ideias erradas”, mesmo sob pretexto de que representam negações de crimes horrendos e colectivos, portanto uma objectiva cumplicidade com os criminosos e as ideologias de suporte, comporta, em si mesmo, uma “ideia perigosa”, a da “superioridade moral” de uma elite de pensamento limpo e com as mãos limpas que ilumina e protege as sociedades. E logo pela via estreita de querer “ganhar na secretaria” o campeonato do debate e da competição prosélita. Tirando o Vaticano e o Islão, que só assim funcionam, não vejo como sociedades abertas e que se querem intelectual e politicamente maduras possam catalogar e castigar o interdito. [Falo, é claro, em termos de difusão de ideias; acção e organização com base em programas para consumar projectos criminosos, isso é outra história.]  

 

Para mais, na Europa, nesta Europa ainda com sangue seco de ignomínias acumuladas, em que o Holocausto é uma vergonha entre vergonhas. E se o Holocausto é a vergonha mais imediatamente repugnante, em que o Mal culpado (o “Mal Castanho”) está perfeitamente identificado, isso deve-se a justas e exaustivas denúncias, “beneficiando” da derrota do nazi-fascismo e da sua incapacidade de reconstrução. Neste sentido, e ainda bem que assim é, a repugnância pelo Holocausto é, hoje, um prolongamento da “lei dos vencedores” herdada do desenlace da II Guerra Mundial. Querer coroar esta aquisição de repugnância colectiva por via da punição do negacionismo é abdicar, desde logo, dos ganhos do efeito da denúncia, malbaratando-os no funil do índex. A não ser os interessados em varrerem esqueletos para baixo do tapete (como os camaradas dos carrascos do Gulag, a grande vergonha silenciada), além dos preguiçosos que preferem a comodidade sonolenta das ideias standard e “moralmente correctas”, ninguém ganha, do ponto de vista intelectual e político, com a institucionalização deste género de interdição. E o combate ao anti-semitismo, uma luta a continuar e sem merecer tréguas, só perde se “beneficiar” de uma protecção de natureza administrativa no desbravar do juízo da história. Pela minha parte, claramente, sacudo esta “ajuda” que nada ajuda.

 

Imagens (copiadas do TBR): Holocausto e Gulag, duas vergonhas em duas doenças políticas (a primeira com condenação protegida, a segunda encoberta pelo silêncio).

 

PS (irónico-amistoso): Caro TBR, veja só se um qualquer índex incluísse a proibição de negar que o salazarismo foi um fascismo…    

Publicado por João Tunes às 12:19
Link do post | Comentar

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO