Segunda-feira, 16 de Abril de 2007

CUBANOS SÍ

0015srae

 

Se é natural que se defenda o direito dos cubanos, como qualquer outro povo, à democracia e ao respeito pelos direitos humanos, com o fim de uma ditadura que se aproxima do meio século de existência (se somarmos esta à anterior, a de Batista, teremos ideia de quantas gerações de cubanos viram negados os direitos “naturais” a nascerem, viverem e morrerem em democracia e em liberdade), são muitas as incertezas sobre a inevitável transição em Cuba, dependente como está dos caprichos fisiológicos da evolução do estado de saúde do velho ditador, a luta de poder entre os seus putativos sucessores e a capacidade do regime em se regenerar, abrindo-se à transição democrática, ou apodrecer num marxismo-leninismo crispado em estado de patologia política terminal.

 

Se o futuro de Cuba depende da forma como os “herdeiros da ditadura” (ou seja, os seus actuais beneficiários) se vão comportar perante a agonia do regime, mais ainda depende da capacidade da oposição cubana construir consensos e alternativas e conseguir instalar os pilares de novos modos de funcionamento cívico e de participação do povo cubano na construção soberana do seu futuro, em cima dos restos podres que sobrem da ditadura. Nas mãos de uns e de outros, está a possibilidade de haver uma desejada transição pacífica em que o voto livre seja quem mais ordena. Ou então, desgraçadamente, teremos o confronto violento e os ajustes de contas. Mas não é fácil (sabemo-lo nós, quando saímos da longa noite de Salazar e Marcelo), que os sofredores pela causa da democracia, da liberdade e do pluralismo, os que pagaram por isso com a prisão, a tortura, a exclusão, o ostracismo e o exílio, aos escapados do fuzilamento, sejam tão generosos que poupem do castigo vingativo os seus carrascos, os que fizeram carreira em cima da morte da liberdade e dos privilégios do poder único e absoluto (essa miríade de pequenos, médios e grandes tiranetes que pululam em qualquer ditadura).

 

Não há ditadura que permita ou prepare o seu fim (a “transição espanhola” foi a grande excepção e por particularíssimas e conhecidas razões). Muito menos, colabore com a sua substituição. Assim será com os “herdeiros de Fidel”. Que terão os seus émulos simétricos e assanhados entre grande parte (*) da comunidade anti-castrista mafiosa, corrupta e fascistóide de Miami (que estará mais interessada em “ajustes de contas” e “retrocessos sociais” que na transição democrática). Entre uns e outros, os radicais déspotas do regime e os “vingadores de Miami”, a solução da democratização pacífica está naqueles que, nas mais difíceis condições, vivendo o quotidiano repressivo cubano, temperados no quanto custa alcançar um grão de liberdade e civismo, sabendo da coragem necessária para imprimir e distribuir meia dúzia de folhas clandestinas a passarem de mão em mão para que não morra a ideia da liberdade e o valor da ideia de alternativa, capazes de uma pequena marcha pelas ruas de Havana perante o olhar indiferente ou assustado dos seus patrícios desabituados de outra intervenção que não seja encher a praça para ouvir e aplaudir os títeres do mando absoluto. Como sabemos, a “oposição interna cubana” é pequena, tem uma diminuta base popular, está dividida em inúmeros grupos e grupúsculos e é mais comum divergirem entre si que se afirmarem pela unificação de oposição ao regime (a infiltração da polícia política castrista muito bem tem trabalhado neste sentido). Mas esta natureza grupuscular e rivalista é própria de todas as incipiências na luta contra as ditaduras. Se assim não fosse, se a oposição interna adquirisse uma dimensão “perigosa” já teria sido decapitada e depositada nos cárceres (juntando-se às quase quatro centenas de presos políticos que lá se arrastam e definham por terem atingido o estatuto da “intervenção política perigosa”). Por pressão da comunidade democrática internacional (**), pelas condições de decomposição da ditadura, impõe-se que cresça e se estruture uma “oposição interna” (conservando as matrizes das suas infra-diferenças ideológicas e políticas) que se afirme como alternativa à ditadura em estado de putrefacção, apresentando-se ao povo cubano (a maioria esmagadora do qual nunca viveu sem ser em ditaduras) não só como alternativa ao regime, mas igualmente como pré-figuração da vida democrática e suas virtudes e, principalmente, como meio de solucionar os graves problemas económicos e sociais que amarram o povo cubano à indigência e à falta de horizontes quanto a uma mínima qualidade de vida.

 

Há dias, segundo a Agência EFE, um importante passo foi dado no sentido da coordenação na base de um “programa mínimo” entre os vários grupos internos da dissidência cubana e expresso no documento "Unidad por la Libertad". Neste documento, assinado, entre outros, por Vladimiro Roca, Oswaldo Payá, Martha Beatriz Roque, René Gomez Manzano, Elizardo Sánchez, Laura Pollán, Berta Soler, Miriam Leiva, Héctor Palacios e Oscar Espinoza, defende-se “el respeto de los derechos humanos, la democracia, la justicia social, la libertad y la soberanía del pueblo cubano; reclama la liberación inmediata e incondicional de los presos políticos y el respeto de la pluralidad y diversidad de posiciones”. Aqui está um pequeno passo que só se pode desejar que seja grande em termos de sucesso.

 

Enquanto aqui na Europa, a muitas milhas das Caraíbas, só lembradas quando folheamos os folhetos de oferta de férias em que abundam as propostas aliciantes para gozarmos sol e mar em Varadero, cansados tantas vezes da democracia, mais indignados com os seus entorses que cientes do seu valor, um punhado de cubanos teimosamente indignados por estarem plantados na Ilha onde Fidel construiu o seu trono e o seu altar, desejando-lhe como futuro que seja também o seu túmulo, lançam este grito que nos ecoa ressonâncias primitivas e serôdias (para nós, têm mais de trinta anos de verdete de velhice em cima): liberdade, democracia, pluralidade, direitos humanos e … libertação dos presos políticos. Vale a pena ouvi-los e ser solidários com eles? Pela parte que me toca, digo sim. Melhor, digo: "Cubanos Sí" 

 

(*) Seria uma generalização abusiva identificar toda a comunidade cubana a viver nos Estados Unidos como ausente de sentimentos e princípios democráticos e que tenha fugido por "perda de privilégios" (a esmagadora maioria foi para os Estados Unidos trabalhar e fugir à miséria), bem como a imensa diáspora de cubanos emigrados nas sete partidas do mundo (particularmente importante é a colónia cubana que vive exilada em Espanha). Mas é um facto que, em Miami, há um peso enorme de "gusanos" (os que preferiam Batista a Fidel) que só voltariam a Cuba para a "matança da vingança" e em nada contribuiriam para a reconstrução democrática do seu país de origem.

 

(**) O fim imediato do bloqueio norte-americano a Cuba seria a mais urgente e importante ajuda dos Estados Unidos à causa da democracia cubana. Muito mais que o dinheiro encaminhado para os ultras anti-castristas de Miami que, cristalizados na ideia de “revanche”, muito alimentam a utilização pelo regime cubano da crispação nacionalista como forma de conservar o apoio passivo do povo cubano por temor de uma nova “invasão da Baía dos Porcos”.

 

Imagem: Despedida numa partida de “balseros” (cubanos pobres que se lançam ao mar em jangadas improvisadas tentando alcançar Miami para fugirem da miséria cubana)

Publicado por João Tunes às 15:23
Link do post | Comentar
2 comentários:
De otávio a 26 de Setembro de 2007
AH! por favor, você deve estudar mais sobre a história de Cuba e descobrir que os direitos humanos dos cubanos são muito defendidos, mais do que em qualquer outra terra desse mundo. Não existem analfabetos, nem moradores de rua, educação e moradia são garantidas, dois direitos humanos que são realizados. A maior parte é universitário, a médico para todos, não existe classes sociais, é uma única classe. A pobreza em Cuba se deve ao embargo dos EUA.
Fidel, Raúl, Cienfuegos e Che Guevara são os heróis do consciente povo cubano, que se quisesse tirava Fidel do poder, acontece que não querem pois eles amam o Fidel e su coragem, sua história e pela dignidade que ele deu à Cuba e ao povo cubano. Preste atenção ao que se propaga.
De João Tunes a 26 de Setembro de 2007
Vc é adido de propaganda em que Embaixada de Cuba? Além da ladaínha vê-se que domina muito mal a língua portuguesa.

Comentar post

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO