Sábado, 14 de Abril de 2007

HONRA NA FÉ

0019dwz0

 

É uma ideia adquirida e globalmente correcta que a Igreja Católica não só foi um dos esteios do regime fascista como foi uma sua importante beneficiada, no pressuposto que a existência e prolongamento do Estado Novo eram as melhores formas de domínio monopolista da sua fé religiosa sobre o povo português. Fazer a história do casamento entre a Igreja Católica portuguesa e o fascismo português seria fazer a história do regime de ditadura, tamanha foi a promiscuidade e apoios recíprocos. Mais ainda, sendo necessário percorrer até aos tempos actuais, para percebermos os privilégios de hoje (muitos ainda a beneficiarem do movimento de inércia) e a forma como o catolicismo resiste à “concorrência” e se arroga à relevância de se assumir como “religião do povo português”.

 

No entanto, uma parte (ínfima) dos católicos, incluindo alguns padres e bispos, opôs-se ao fascismo e ao colonialismo. E, entre estes, uma parte conheceu os punhos repressivos de Salazar e Caetano. Aqueles que puseram o Evangelho à frente da hossana à ditadura, fazem parte da face honrada da Igreja Católica portuguesa, aquela mesma de quem se continua a esperar que abdique dos seus privilégios transitados e peça desculpa ao povo português pela forma como, maioritariamente e por imposição da sua Hierarquia, serviu o fascismo e o colonialismo e deles se serviu. E os católicos que, por coerência de fé, disseram não ao fascismo e ao colonialismo, merecem um lugar na nossa memória da resistência.

 

Uma lista elaborada por Nuno Teotónio Pereira está inserida num blogue em que nomeia os padres e bispos católicos que combateram o fascismo e o colonialismo em Portugal. A nossa homenagem aqui fica sob a forma de transcrição:


P. Joaquim Alves Correia – Missionário da Congregação do Espírito Santo. Autor de um livro que fez História, “A Largueza do Reino de Deus”, foi mandado para os Estados Unidos em 1946, onde veio a falecer em 1951.
P. César Teixeira da Fonte – Sacerdote madeirense, expulso da sua terra por ter apoiado manifestações de protesto de camponeses explorados. Veio residir para o Continente e foi um dos signatários dos abaixo-assinados promovidos por Francisco Lino Neto em 1959, na sequência da campanha eleitoral de Humberto Delgado.
P. Manuel Rocha – originário dos Açores, foi companheiro de Abel Varzim em Lovaina, onde se doutorou na década de 40, regressando depois a Portugal como assistente da Acção Católica Operária. Acusado pelo governo de fomentar a revolta, foi mandado pelo Cardeal Cerejeira para Ludlow, Mass, como pastor de uma importante colónia açoreana.
P. Abel Varzim – Após a ordenação, ofereceu-se voluntariamente para a diocese de Beja, tendo depois seguido para Lovaina, onde se doutorou. Regressado a Portugal, foi nomeado assistente geral da Juventude Operária, acumulando com a direcção do Instituto do Serviço Social e outros cargos da Igreja. Deputado à Assembleia Nacional pela União Nacional, foi aí autor de um aviso prévio sobre os sindicatos que indispôs o regime. Fundador do jornal “O Trabalhador”, conseguiu manter durante anos a sua publicação, apesar dos cortes da censura, a qual acabou por proibir o jornal. Afastado, por pressão do governo, de todos os cargos, foi nomeado pároco da freguesia da Encarnação, em Lisboa, desenvolvendo aí a sua acção pastoral. Finalmente é destituído pelo Cardeal Cerejeira também desse cargo, regressando a Cristelo, sua aldeia natal, onde, até morrer, desenvolve notável acção social. Primeiro signatário, que lhe coube por ordem alfabética, dos manifestos de 1959 referidos acima.
P. Adriano Botelho – Pároco de Alcântara, freguesia marcadamente operária, o seu trabalho suscita críticas do governo, o que leva a que Cerejeira o destitua e mande para a Argentina, numa cidade da Patagónia. Regressado passados alguns anos, é nomeado pároco de S. João de Brito, em Alvalade, onde colabora com movimentos da oposição católica ao regime. Signatário também dos documentos de 1959.
P. João Perestrelo de Vasconcelos – Ainda jovem, é nomeado Capelão do Arsenal do Alfeite, onde seu pai era administrador. Oriundo de família da alta burguesia, ali assume os problemas da classe operária. Também subscritor dos documentos de 59, facilita a Manuel Serra, João Gomes e outros dirigentes da Acção Católica Operária, a utilização da Sede da Associação dos Marinheiros Católicos nos claustros da Sé de Lisboa, onde foi preparada a chamada revolta da Sé, em 1959. Demitido de seu cargo no Arsenal, foi depois para o Brasil.
P. António Jorge Martins – Ainda jovem, foi colocado no Seminário de Almada, mantendo contactos cada vez mais apertados com meios católicos da oposição à ditadura, tendo sido co-fundador da publicação clandestina “Direito à Informação”, iniciada em 1963. Caiu assim nas suspeitas do regime, pelo que Cerejeira o mandou estudar para Estrasburgo, onde refez a sua vida, tornando-se um elemento importante da comunidade portuguesa. Foi também signatário dos documentos de 1959 e de outros posteriores.
P. José da Costa Pio – Coadjutor da freguesia de Arroios, em Lisboa, tendo sido demitido e perseguido. Igualmente signatário dos abaixo-assinados de 1959.
P. José Narino de Campos – pároco em Évora, foi acusado de inimigo da Pátria e da Igreja, exilando-se no Brasil.
P. José Maria da Cruz Dinis – da diocese de Coimbra, conheceu a prisão pela Pide.
P. Joaquim Pinto de Andrade – irmão do dirigente do MPLA Mário de Andrade, foi preso em Luanda pela primeira vez em 1960, quando Vigário Geral da Diocese. Deportado para Lisboa, é transferido para a Ilha do Príncipe. Libertado com residência fixa em 1961, é preso sucessivamente mais 4 vezes pela Pide, julgado e condenado, cumprindo pena no forte de Peniche. Presidente honorário do MPLA durante esses anos, vive hoje em Luanda, muito doente.
P. Franklin da Costa – Professor do seminário de Luanda, foi preso em Portugal pela Pide em 1960, tendo sido obrigado a residência fixa em Lisboa. Depois do 25 de Abril regressou a Angola, tendo sido nomeado Arcebispo de Lubango.
P. Alexandre Nascimento – Preso em Luanda a seguir aos acontecimentos de 4 de Fevereiro de 1961, foi deportado para Lisboa com residência fixa. Regressado a Angola em 1974, foi mais tarde nomeado arcebispo de Luanda.
P. Manuel Joaquim das Neves – Vigário Geral de Luanda, acusado de preparar o assalto à prisão da Pide em 4 de Fevereiro, é preso e deportado, com residência fixa em Braga, onde veio a falecer.
Padres Vicente Rafael, Domingos, Alfredo Gaspar, Martinho Samba e Lino Guimarães – presos em Luanda a seguir ao 4 de Fevereiro, são deportados para Portugal com residência fixa, sendo alguns anos depois autorizados a regressar.
P. Mário de Oliveira – Considerado incómodo pelo trabalho que desenvolvia junto dos jovens, foi designado para capelão militar em 1967, tendo sido colocado no teatro de guerra da Guiné. Após alguns meses foi expulso por indesejável, tendo sido nomeado pároco em Macieira de Lixa, onde desenvolveu uma acção pastoral que lhe valeu ser preso duas vezes pela Pide. É hoje animador duma comunidade cristã na região do Porto e director do jornal “Fraternizar”.
P. José da Felicidade Alves – Professor no seminário dos Olivais, foi nomeado pároco de Belém, onde começou a questionar a guerra colonial nas homilias de domingo. Cedendo às pressões do governo, é mandado pelo Cardeal Cerejeira estudar para Paris, onde vive o Maio de 68. Regressado a Lisboa, funda os Cadernos GEDOC em 1969, “Grupo de Estudos e Documentação”, editados sem a necessária autorização, pelo que são considerados ilegais pela Pide, que instaura um processo aos responsáveis. Depois de casado, foi reduzido ao estado laical e mais tarde readmitido, antes de falecer.
Padres Joaquim Teles Sampaio e Fernando Marques Mendes – conhecidos por Padres do Macúti, paróquia de que eram responsáveis na diocese da Beira, em Moçambique, também denunciaram os massacres cometidos pelas tropas portuguesas em Moçambique, juntamente com missionários estrangeiros. Foram por isso presos pela Pide.
Padres João Dekker e Adriano (holandeses) – Trata-se de dois padres da Congregação dos Sagrados Corações, que trabalhavam na freguesia do Couço (Ribatejo), povoação que ficou conhecida pela resistência dos camponeses à ditadura e cuja população foi objecto de terríveis perseguições. Em 1970 foram presos pela Pide e levados até à fronteira do Caia.
P. Bartolomeu Recker – também holandês e da mesma congregação, foi obrigado a sair do país.
P. Ismael Nabais Gonçalves – Pároco de Igreja Nova, em Mafra, foi preso no final de 1973, no processo que levou a Caxias muitos activistas católicos.

(…)

A lista é por ordem cronológica dos acontecimentos e contempla apenas os padres que foram objecto de repressão. Não estão entretanto incluídos os missionários estrangeiros em Moçambique que também denunciaram os massacres, como sucedeu com os Padres Brancos e os Padres de Burgos, vários deles expulsos da colónia.
Não inclui por isso padres portugueses que lutaram contra a ditadura, por diversos meios, mas que não chegaram a ser presos ou sancionados pelos superiores. Estão neste caso, por exemplo, várias dominicanos, como frei Bento Domingues e outros, e ainda os padres António Correia e Carlos Póvoa, párocos de Palmela e de Alhos Vedros, que participaram em diversas formas de luta, especialmente no domínio da informação. E o P. Alberto Neto, responsável pela Capela do Rato. E também o P. Telmo Ferraz, capelão da barragem do Picote, que publicou “O Lodo e as Estrelas”.
Também não estão na lista bispos, por serem mais conhecidos os seus casos. Entre eles, o mais destacado é António Ferreira Gomes, bispo do Porto, sendo de nomear também Sebastião Soares de Resende, bispo da Beira, e Manuel Vieira Pinto, de Nampula, expulso de Moçambique pouco antes do 25 de Abril. E ainda Altino Ribeiro de Santana, bispo em Angola.

Publicado por João Tunes às 22:29
Link do post | Comentar
2 comentários:
De joao a 9 de Julho de 2009
No dia 5 de Julho foi feita a homenagem ao Padre Domingos Ferrao, considerado martir e heroi em Tete, que foi preso pela Pide. Nao vejo na sua lista apesar de ser Mocambicano e que na altura dos acontecimentos era de jur Portugues. Sera por esquecimento ou por falta de dados. Domingos Ferrao era Padre Diocesano, primeiro Mocambicano a ser ordenado em Tete e vivia com os Burgos na Missao de Sa Pedro. Foi o real autor do Relatorio dos Massacres de wiriamu e para nao voltar a cadeia pois a Pide estava ao seu encalco, os cologas Burgos aceitaram levar o relatorio para fora de Mocambique e assumir a sua autoria. Acho muito exquisito que nem os Pdres Burgos tenhaminteresse em corrigir a historia do verdadeiro autor do relatorio, nao sei se 'e por portunismo ou desinteresse. As autoridadesda Frelimo tambem ignoraram os feitos deste Padre. Nas comemoracoes esteve presente o comandante Jose Moiana que comanda a guerra em Tete e testemunhou as ligacoes que este tinha com os guerrilheiros da Frelimo.
Espero que alguem corrija os factos da historia para que todos vivamos em harmonia. Segundo o resignado bispo de Tete, Dom Paulo Mandlate, um dosmaiores desgostos que este Padre teve foi nunca ninguem revelar que ele havia sido o autor desse relatorio e sofreu ate a sua morte por isso.

Somente depois de ele falecer em Portugal la vao uns anos e que as pessoas timidamente falam do assunto, mas nao vejo nada relatado em nenhum sitio.















































































Joao
De joao paulo dias a 17 de Agosto de 2009
Padre José Correia da Cunha (1917-1977) era um homem de espírito aberto, muito culto e de invulgar inteligência. Assanhava-se com designações como: uma igreja progressista ou cristãos empenhados na construção de uma sociedade socialista. A sua sólida formação adquirida sob o signo do amor à Pátria, não lhe permitia alimentar esta ‘’aventuras’’, contudo conheci Padres que sofreram por congruência à Fé e se afirmaram contra o regime e que merecerão também ser recordados: Pe. José Diogo d’Orey Mousinho de Albuquerque, Pe. Ismael Sanches, assistente da JUC e PE. João Perestrelo. Todos, viveram longos tempos em São Vicente de Fora e chegaram a ser detidos pela PIDE. Padre Correia da Cunha muitas vezes teve de intervir para proteger estes seus amigos que viviam a seu lado. Não posso terminar sem recordar também Pe. João Saraiva Diogo, falecido em 1973, não celebrando a Liberdade que nos aí anunciando através da leitura assídua do seu jornal diário : A REPUBLICA. Teria sido uma grande festa para SI.
http://padrecorreiadacunha.blogspot.com – João Paulo Dias

Comentar post

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO