Sábado, 7 de Abril de 2007

PERDOA-LHES ADRIANO, E … CANTA!

0018h19c

 

Adriano Correia de Oliveira, se vivo e continuando a cantar, teria agora feito 65 anos. Tendo-nos deixado cedo, apenas com 40 anos de idade, ficam os registos de memória e da sua voz única numa carreira marcante de um talento excepcional posto ao serviço assumido do canto e da esquerda militante. Por exemplo, a admiração por Manuel Alegre, o Manuel Alegre do grito contra o fascismo e da esperança socialista, o conhecimento difundido da sua poesia, é impensável sem a voz de Adriano. Essa voz que, junto com Zeca Afonso, mas por outra via melódica, regenerou o canto coimbrão, subvertendo-o de tal forma que fê-lo libertar-se do passadismo provinciano e bafiento do romantismo serôdio de estudantes fardados de frades que, libertos do celibato mas não da mesada, mostravam uma ansiedade incontrolada para cumprir a caça doutoral a míticas beirãs tricanas disponíveis para, via um ritual de namoro casamenteiro de “gata borralheira” (que a maior parte das vezes se ficava pelo simbólico), ascenderem socialmente. E o “salto” de Zeca e Adriano, a metamorfose do datado fado coimbrão, de que só lhe sobrou a sonoridade e o timbre romântico, foi absolutamente radical, levando-o, transfigurado, para o canto usado como uma arma militante e revolucionária, primeiro contra o fascismo, depois para cavalgar a utopia socialista (em Zeca, mais próximo do esquerdismo libertário pró-anarco-sindicalista; em Adriano, no caminho dos milagres do Partido). Num caso e noutro, distinguindo-os de tanta fancaria que lhes fez companhia fugaz, dois enormes e diferentes talentos que valem, como património musical, acima e além das encadernações das causas que serviram. Zeca, com o seu canto como obra de talento “total” em que permanentemente reinventou os sons e os poemas e pesquisou novos caminhos e incorporando vivências que têm dentro Portugal e Áfica (Moçambique). Adriano, remetendo-se a cantar, dando voz aos poetas, sobretudo Alegre, os transmuta com uma expressão melódica fabulosa e única e os torna indissociáveis da sua voz e canto. Quem conheceu, conhece e se dá ao tédio de querer conhecer Coimbra, amaldiçoada ao peso medievo de uma Universidade solene, provinciana e atávica, saberá dar o devido valor às excepcionalidades espantosas dos cantos de Zeca e Adriano, devendo usar como “cábula” imprescindível, para superar espantos, o conhecimento das crises académicas de 1962 e 1969, esses tremendos e fascinantes marcos de anacronismos revolucionários (a transformação de estudantes saloios amantes da praxe e da bebedeira em lutadores valentes e criativos contra o fascismo só pode ombrear com o paradoxo do 25 de Abril em que oficiais militares colonialistas se transformaram em oficiais antifascistas e depois em oficiais anticapitalistas, num caso e noutro a deverem muito, em dívidas das fantásticas metamorfoses, a Zeca e a Adriano).

 

Navegando por aí, encontrei dois interessantes depoimentos sobre Adriano Correia de Oliveira e a efeméride em curso. Um, é um post de M.C.R. que revela um conhecimento saudoso de um companheirismo fraterno que os uniu e caldeou nos tempos de Coimbra. E que aborda um aspecto tabu da carreira artística de Adriano, a do pós-25 de Abril, sobretudo a fase precedente do seu falecimento. Diz M.C.R.:

 

Com o 25 de Abril, a carreira dele estava ao mesmo tempo traçada e destraçada. Num primeiro momento, o Adriano e a sua voz alentavam as forças políticas que ele abnegada e graciosamente servira. Depois...depois o Adriano começou a duvidar. Não da esquerda onde sempre esteve, mas daquela especial esquerda dogmática e contumaz que à força de excluir se foi excluindo da vida política e cultural do país. O Adriano foi lentamente perdendo a aura de herói e grande cantor popular para cair no poceirão dos esquecidos ou dos expulsos.”

(…)

“Convém dizer que corria contra o Adriano uma torpe insinuação de origem claramente política mas que se reflectia no aspecto profissional: que ele estava alcoolizado em último grau, que perdera a voz, que não cumpria os compromissos, etc...etc...”

 

Nunca tendo conhecido pessoalmente Adriano, confirmo que, na última fase do cantor, este se tornara uma espécie de “cantor maldito” nas suas (e minhas) fileiras partidárias. Era considerado um caso de “decadência pessoal”, um bêbado a esquecer (com a “vantagem” de que quanto menos cantasse Adriano menos se cantava Manuel Alegre, o “poeta traidor” que lhe estava agarrado à pele do canto).  

 

José Sucena dá-nos outra versão (mais conforme com a hagiografia apropriadora e a técnica da calúnia disfarçada):

 

“Pôs a sua casa à disposição do Partido onde se fariam várias reuniões de camaradas clandestinos, alguns dos quais lá estiveram por curtos períodos escondidos da PIDE. De entre eles, um pelo menos, disso se esqueceu quando, já céptico, não prestou a ajuda de que o Adriano precisava.”

“Chegada a liberdade, cantou com o seu Partido, o Partido Comunista Português, em tudo o que era sítio, com condições e sem condições, em pavilhões e ao ar livre, em cidades, vilas e aldeias, para multidões ou para poucas pessoas em que sobressai, entre algumas outras, uma sessão da campanha eleitoral de 1976 numa aldeia do concelho de Viseu, em que cantou em cima de um carro de bois, ao ar livre e sem instalação sonora, para um reduzido número de pessoas que o receberam de forma hostil, mas que soube acalmar e criar as condições para que o cabeça de lista pudesse intervir.”
”Homem de partido, militante incansável e de uma disponibilidade total, forte de convicções, afável e recto, o Adriano voltou a passar por Águeda, num sábado de manhã, a caminho do Barreiro onde foi cantar numa iniciativa do Partido. No sábado seguinte, 16 de Outubro de 1982, partiu. Mas ficou connosco.”

 

Nesta outra versão de efeméride, repare-se como se silenciam todas as infâmias cometidas contra Adriano pela sua tribo partidária, dando-lhe uma auréola de militante exemplar segundo todos os cânones, relançando-se a lama, cobardemente, sobre um sujeito não nomeado e simplesmente aludido, segundo a arte da calúnia estalinista, como “um pelo menos, disso se esqueceu quando, já céptico, não prestou a ajuda de que o Adriano precisava”. O que demonstra que um “céptico” atirado ao vento que passa dá sempre jeito inestimável para limpar lama acumulada dentro de casa.

 

Infelizmente, Adriano já não vive, tendo partido muito cedo. Felizmente, Adriano canta. E cantará.

Publicado por João Tunes às 00:27
Link do post | Comentar
4 comentários:
De IO a 7 de Abril de 2007
Grande 'post'!, levei o link, abraço, IO.
De paulo santiago a 7 de Abril de 2007
Ouvi,por diversas vezes,alguns ex-camaradas de Partido,referirem-se ao José Sucena,como um tipo
tremendamente sectário,bem diferente do irmão.
O artigo confirma-o,fala muito de Águeda,mas nunca
citando,o poeta desta terra,mais cantado pelo Adriano
Diz"o António Portugal casado em Águeda"omitindo o
nome Teresa Alegre.Está visto:para ele,este apelido
é maldito,cumprindo,assim,os dogmas a que está
obrigado.
De João Tunes a 9 de Abril de 2007
Este José Sucena é irmão do Paulo Sucena?
De paulo santiago a 9 de Abril de 2007
Exacto,são irmãos.

Comentar post

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO