Quinta-feira, 22 de Março de 2007

OS CLANDESTINOS E AS FRONTEIRAS

0016z8ez

Quase nunca as narrativas da vida clandestina dos combatentes contra o fascismo e as suas peripécias são literariamente interessantes (o que não invalida a importância histórica dos testemunhos). Porque aos antigos clandestinos não se exigia que tivessem dotes narrativos e talentos na arte da escrita e estes demonstravam-se melhor a conspirar, disfarçar e contornar a repressão, como convinha, que como contadores de histórias. Também porque a cosmovisão comunista enformada no centralismo democrático empurrava os clandestinos para um atrofiamento do “eu”, para o recalque dos sentimentos e até da sua e alheias humanidades, empurrando o épico para a glorificação concentrada no “colectivo” e no “partido”, resultando, na maioria das vezes, numa seca, árida e estereotipada “linguagem de madeira” tão própria dos comunistas quando falam e quando se dispõem a escrever. Por todas estas razões, a maioria do memorialismo publicado sobre a saga antifascista é enfadonho, incaracterístico em termos de humanidade, pouco credível como retrato completo pois nota-se, em cada frase bem medida partidariamente, o constrangimento autocensório de se escrever conforme os cânones comunistas de continuar a servir a “causa” em que o militante nunca passa de mero instrumento circunstancial e seguindo a máxima “tudo pelo partido, nada que prejudique o partido”.

 

Assim, a autodesumanização comunista, pela sua assumida condição de militante que se apaga para que a única luz que brilhe seja a do Partido, nunca passando da ambição de ser uma modesta e insignificante molécula na colmeia do exaltante “corpo revolucionário”, a quem resta apenas o prazer de pertença emocional a uma superioridade moral de que a sua seita se arroga mais a “certeza científica” na vitória final, leva a que sejam poucos os comunistas que escrevem para o público e entre os que o fazem, por profissão ou por cumprimento de tarefa comunicacional, têm mais de enfadonhos, de repetitivos, mais ocultantes que reveladores, são pouco interessantes quanto ao conhecimento da “humanidade comunista”. E, deste desiderato, resulta que o mais interessante publicado sobre a vida e acção dos comunistas, enquanto pessoas e enquanto organização, seja produzido por quem nunca o foi ou deixou de o ser. Casos de a biografia mais interessante e completa (apesar dos inúmeros erros, omissões e confusões) sobre Cunhal estar a ser produzida por Pacheco Pereira e o melhor retrato da militância comunista dos anos 30 e 40 do século passado se encontrar no primeiro volume publicado das memórias de Edmundo Pedro. A que se poderiam juntar, sobre épocas posteriores, os depoimentos de Cândida Ventura e o livro biográfico sobre Flausino Torres. E pouco mais (as obras literárias de Cunhal, esse enorme talento castrado, são mais manuais indutores de boas práticas partidárias, tipo zdanovismo lusitano sobre engenharia de almas, que boa e sincera literatura).

 

Raimundo Narciso, antigo clandestino, antigo chefe guerrilheiro e antigo dirigente do PCP (até à sua expulsão), nosso companheiro da blogosfera, amigo discreto que muito estimo e admiro, iniciou uma série de relatos sobre a sua experiência de clandestino e as peripécias das suas passagem a “salto” das fronteiras. A sua qualidade de escrita e a distância proporcionada pela sabedoria da idade e pelo avivar crítico, numa espécie de rehumanização comunista, tornam a sua série “Passar a Fronteira a Salto” como uma leitura absolutamente recomendável para quem queira saber mais sobre a vida dos clandestinos na fase terminal do Estado Novo.

0017068g

Publicado por João Tunes às 12:30
Link do post | Comentar
2 comentários:
De RN a 23 de Março de 2007
Obrigado pela promoção. Sempre que digas bem do que escrevo dar-te-ei toda a razão. E espero que quem te leia acredite em ti.
Abraço.

Comentar post

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO