Domingo, 18 de Março de 2007

A FORÇA DO MITO ALFREDO DA SILVA (3)

0016k6k5

Concluo a série de posts (*) motivados pelo centenário da instalação da CUF no Barreiro e ao mito persistente sobre a figura de Alfredo da Silva, com um depoimento de cunho pessoal.

 

Fui criado e educado no Barreiro, razão pela qual me considero filho adoptivo daquela terra, a que me ligam fortes laços afectivos. Foi ali que me treinei para ser homem, lá adquiri o mais persistente na minha maneira de ser e estar no mundo. Tendo ido para o Barreiro em criança e já depois do desaparecimento de Alfredo da Silva, cresci perante o paradoxo daquela concentração fabril que gerou uma comunidade operária predominantemente adversa ao salazarismo, antifascista e reivindicativa, onde o “avante” clandestino circulava massiva e pontualmente, vigiada e reprimida sob a forma de ocupação militar (atribuída à GNR), enquanto havia uma deferência de culto intocável para com o patrão entre os patrões, Alfredo da Silva, e que se projectou para os seus descendentes (os Mellos), como se repartissem o altar da maior consideração com Lenine, Estaline e Cunhal.

 

Naturalmente, o mito de Alfredo da Silva (e dos Mellos) resultou da conjugação de vários factores – o “autoritarismo paternalista” praticado por Alfredo da Silva e continuado pelos Mellos e que os eximiam ao efeito do odioso da exploração; o empenhamento com que o patronato cuidava e difundia a sua imagem; o operariado do Barreiro, correspondente a um “boom” de industrialização nos anos 30 e 40 do século passado, ser de recente origem camponesa e transportarem com eles, culturalmente, o atavismo reverencial para com os poderosos e os notáveis. Todos estes elementos fundindo-se num quadro social de baixa qualidade de vida, baixos salários, baixa qualificação profissional, falta de emprego (em que um emprego “na CUF” era assumido como uma “sorte de vida” a merecer penhor de gratidão, particularmente tendo em conta as “regalias complementares”).  

 

Tirando um sector comercial e de serviços, os empregos na actividade ferroviária e na indústria corticeira, as gentes do Barreiro viviam essencialmente da CUF e dos seus empregos (que chegou a ter 10.000 trabalhadores). O Barreiro era, sobretudo, então, uma “vila CUF”. Até o ambiente e o ar que se respirava tinham a “marca CUF”, pois numa época de total desresponsabilização para com a saúde pública, os abundantes e permanentes fumos ácidos das fábricas da CUF, formando um “smog” altamente corrosivo para os pulmões, eram uma componente importante do ar que se respirava. Na minha família, dominavam os empregados da CUF e eu próprio fui mandado estudar para uma escola (com o nome de Alfredo da Silva!) subsidiada pela CUF e destinada a criar operários e empregados especializados para trabalharem na CUF (como a família achou que seria bom eu vir a ter um emprego num laboratório da CUF, mandaram-me tirar o Curso Industrial de Química na Escola Alfredo da Silva, curso que conclui com aproveitamento, embora por aí não me tenha quedado e nunca tenha vindo a trabalhar na CUF). A empresa tinha também um forte grupo desportivo, generosamente financiado pela empresa, destinado a enquadrar clubisticamente os seus milhares de empregados de forma a que, mesmo no lazer, a “camisola CUF” não fosse despida (era o Grupo Desportivo da CUF que participou vários anos na 1ª divisão do futebol e cujo estádio se chama de Alfredo da Silva). Apesar de generosamente financiado pelo patronato, o “Grupo CUF” nunca conquistou a maioria da população e, provavelmente, terá sido o principal fiasco na estratégia da “paz social”. Os barreirenses, incluindo a maioria dos empregados da CUF, mantiveram-se fiéis ao clube histórico da vila (o Barreirense), o que não lhes evitou que, como contrapartida da cedência de parte do terreno, tivessem de torcer pelo seu clube do coração (caso meu e seguindo tradição de família) num estádio com o nome de D. Manuel de Mello (genro de Alfredo da Silva e seu continuador à frente da CUF), pelo que da reverência relativamente ao Patrão não havia que escapar.

 

No quadro do Estado Novo, evidentemente, a desmontagem do “mito Alfredo da Silva, dos Mellos e da CUF” era empresa impossível. Haviam mecanismos suficientemente brutais para jugular qualquer tentativa de contraditório. O que é espantoso, hoje, passados trinta anos de regime democrático, a maioria das fábricas obsoletas e enterradas, com um Barreiro agigantado como dormitório, um outro Barreiro radicalmente diferente do velho Barreiro fabril e “cufista”, com uma Câmara Municipal de maioria comunista, é a persistência dos velhos mitos reverenciais que são particularmente salientes em ano de centenário da instalação da CUF no Barreiro. Fico-me por consolidar a convicção que tenho sina de, tanto tempo passado diante dos meus olhos, parte das minhas raízes se declarar em irredutível greve de imobilidade.   

 

(*) – Ler aqui e aqui.

 

Imagem: Navio mercante “Alfredo da Silva” que pertenceu à frota da SG (Sociedade Geral), a empresa de transportes marítimos do grupo CUF, essencialmente vocacionada para as rotas coloniais (durante a guerra colonial, serviu ainda para o transporte de militares).

Publicado por João Tunes às 00:31
Link do post | Comentar
1 comentário:
De Ana a 22 de Março de 2007
Excelente série, excelente!

Comentar post

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO