Sábado, 17 de Março de 2007

A FORÇA DO MITO ALFREDO DA SILVA (2)

0016h239

Por este post, recebi um comentário de um amigo em que aludia um livro produzido por uma equipa académica coordenada por Miguel Figueira de Faria (*) e que constitui a obra mais completa de análise da obra do industrial Alfredo da Silva (em que avulta a CUF que, no Barreiro, chegou a constituir o maior pólo industrial da Península Ibérica e a empregar 10.000 trabalhadores). Diga-se, também, que é muito escassa a produção de base histórica e analítica sobre os grandes conglomerados empresariais no período do Estado Novo e, assim, ser recorrente resultar em meros clichés as referências à forma como Salazar construiu e geriu o edifício económico e financeiro que sustentou a superestrutura do fascismo português. Referem-se o “capitalismo monopolista de estado” e as “grandes famílias” e pouco mais se adianta de substancial sobre as formas como os grandes grupos capitalistas se desenvolveram e se tornaram em pilares do regime e, nomeadamente, como a teimosia na guerra colonial se deveu em grande parte aos fortes interesses coloniais das grandes empresas associadas ao regime. Esta lacuna, responsável pela forma ligeira como o “fascismo económico” é realçado e concentrando-o miticamente nos dotes de gestão financeira de Salazar, é também da responsabilidade da nossa historiografia e dos nossos historiadores que, dedicados ao período do Estado Novo, se concentram nos fenómenos políticos e ideológicos do regime, como se eles existissem sem uma base de sustentação da longevidade do regime e da sua capacidade de superação das crises. E, neste sentido, a obra académica liderada por Miguel Figueira de Faria é uma notável excepção.

 

O livro tem lacunas e debilidades, algumas delas graves. Além de não ter escapado a um pendor panegírico derivado de um fascínio evidente pela figura de Alfredo da Silva e, nesse sentido, a contribuir para o prolongamento do mito a que aludi no meu post anterior. O facto de os capítulos terem sido escritos por “várias mãos” não lhe permite uma unidade de enfoque e, nitidamente, os académicos fugiram, quanto puderam, da evidência da ligação profunda de Alfredo da Silva a Salazar e vice-versa e da ligação entre os meios internos de controlo dos operários da CUF com a utilização dos mecanismos de vigilância e de repressão, nomeadamente a PIDE e a Legião Portuguesa (havendo, decerto, farta documentação ilustrativa nos arquivos de Salazar, da PIDE e da LP), bem como a abordagem de como os meios sindicais e do PCP se posicionaram perante a construção do império CUF e por ele foram combatidos e reprimidos . Assim, o autoritarismo paternalista de Alfredo da Silva, prosseguida pelos seus herdeiros (os Mellos), é uma imagem não só parcial como exageradamente simpática e até reverente. Uma ou outra nota identifica Alfredo da Silva como um autoritário determinado e brutal que não permitia a mínima contestação laboral, embora ressalte sobretudo a sua componente paternalista e assistencialista na criação de infraestruturas de fixação da massa laboral e o apoio à sua subsistência (bairro operário, dispensa, assistência médica, grupo desportivo e cultural, etc). Mas se Alfredo da Silva, até ao 28 de Maio, era não só uma das figuras mais odiadas pela sua violência repressiva, levando-o a sofrer vários atentados e agressões que forçaram o seu “exílio” entre 1921 e 1927, ele só regressou e se instalou quando o regime se estabilizou e foram criados, sendo postos ao serviço da sua “paz social”, os mecanismos repressivos que Salazar implementou para liquidar a divergência política e reprimir qualquer veleidade de autonomia operária. E que Alfredo da Silva, e depois os Mellos, sempre utilizaram como “pau” ao lado da “cenoura” do assistencialismo paternalista.

 

Mas, diga-se, o livro de Miguel Figueira de Faria, apesar das lacunas e do pendor panegírico, tem méritos e muito interesse. Pela evolução patrimonial de Alfredo da Silva e dos seus antecessores, compreende-se como foi construída a acumulação capitalista em Portugal na fase da industrialização tímida, pelo exemplo do seu maior caso de sucesso. Sobretudo, de que forma, uma burguesia incipiente vinda do comércio e do artesanato (a família iniciou a sua fortuna a fabricar e vender albardas e colchões na baixa pombalina), sempre com apoio decisivo de comerciantes, financeiros e agiotas estrangeiros vindos para Portugal á cata de fortuna (que marcam o pendor germanófilo de Alfredo da Silva, aspecto que o fez constar permanentemente da lista negra dos serviços secretos britânicos), se introduziu numa pequena indústria inviável, construindo um império industrial, comercial e bancário. Também significante que, construído o seu primeiro e incipiente pólo industrial em Alcântara, a entrada e o domínio no percursor do Banco Totta, se tornou fundamental para financiar a expansão empresarial e industrial (na indústria dos adubos, nos transportes marítimos, nos tabacos, nos têxteis, nos estaleiros navais), beneficiando, com Salazar, do proteccionismo industrial que arredava concorrências, na exploração de matérias-primas coloniais, obtendo favores financeiros, via Salazar, do Banco de Portugal e da Caixa, até o Totta conseguir a pujança da sua autonomia. Aliás, é na passagem à fusão entre o capital industrial e capital financeiro, que se vive a hora dramática e decisiva do empresário e do seu império, incapaz de controlar a crise do Totta e, sem o Totta, impossibilitado de prosseguir os seus empreendimentos penhorados, é Salazar que salva Alfredo da Silva e a CUF (quando o ditador ainda era ministro das finanças). Depois, é Alfredo da Silva que vai retribuindo os favores a Salazar e servindo de esteio ao regime – nomeadamente, como procurador à Câmara Corporativa, e cumprindo, a pedido de Salazar, o mais relevante dos serviços de Alfredo da Silva prestados ao fascismo português (o apoio financeiro, logístico e em mercadorias a Franco, nomeadamente quanto à estratégia militar ao colocar a sua frota marítima ao serviço do transporte dos “mouros” para liquidarem a república espanhola, também, internamente, sendo o suporte de Botelho Moniz nas emissões do Rádio Clube Português e na mobilização dos legionários “Viriatos”). Ou seja, Alfredo da Silva e a CUF não teriam sobrevivido sem Salazar, enquanto Salazar dificilmente sustentaria o seu regime sem o apoio amigo de Alfredo da Silva.

 

Tendo morrido em 1942, o império de Alfredo da Silva foi continuado e consolidado, sempre no mesmo rumo de casamento com o regime e na táctica das relações laborais do paternalismo autoritário, pela dinastia dos famosos Mellos (primeiro, pelo seu genro Manuel de Mello e, depois, pelos netos Jorge de Mello e José Manuel de Mello). O império CUF esboroou-se com o fim do seu ciclo tecnológico, a abolição do proteccionismo industrial e com a revolução. Uma indústria altamente poluente e envelhecida dificilmente sobreviria com a crise petrolífera de 1973 (embora Marcello Caetano tenha permitido a entrada dos Mellos no complexo petroquímico de Sines, juntamente com Bullosa, rompendo o monopólio da Sacor). A nacionalização salvou temporariamente a CUF (rebaptizada de Quimigal) e satélites, da agonia anunciada. A sua reprivatização, e o pagamento das indemnizações pelas nacionalizações, permitiram o reconstituir do “grupo Mello”, hoje gerido pelo neto de Alfredo da Silva, José Manuel de Mello, actualmente centrado no negócio da saúde, na gestão dos restos da Quimigal e da Lisnave, com capital entretanto enriquecido na curta existência do Banco Mello. O que não deixa de ser uma ironia sinalética da mudança na sociedade portuguesa que o que resta hoje de mais próspero e rentável do grande império empresarial do maior "capitão da indústria" seja a venda de serviços médicos privados que, ironia reforçada, utiliza a marca "Cuf" e foram construídos a partir de uma componente do "paternalismo" de Alfredo da Silva para com os trabalhadores das suas empresas (a assistência médica prestada pelo "Hospital da CUF").

 

 

(*) "Alfredo da Silva – biografia, 1871-1942”, Miguel Figueira de Faria, Bertrand Editora. O autor é docente da Universidade Autónoma de Lisboa. Colaboraram nos capítulos do livroCarolina Peralta Trewinnard, Paulo Jorge Fernandes, Cristina Dias e Patrícia Rodrigues.

 

 --------

Imagem: Os três Mellos, continuadores do império de Alfredo da Silva desde 1942 aos nossos dias. Hoje, em plena actividade, sobretudo próspera no lucrativo negócio da saúde privada (que mantém a designação emblemática de “Cuf”), o herdeiro do meio – José Manuel de Mello (neto de Alfredo da Silva, filho de Manuel de Mello, irmão de Jorge de Mello).

Publicado por João Tunes às 22:40
Link do post | Comentar

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO