Sexta-feira, 16 de Março de 2007

ANTÓNIO, NO ADEUS

0016dqpf

Há pessoas que conhecemos e, depois, o seu olhar fica-nos agarrado á memória. Andamos por aí, circulamos sem lhe sentir o som dos passos e esse par de olhos parece que nos espreita quando sentimos a necessidade urgente de uma boa companhia que nos desaperte um laço incómodo à volta do pescoço. O mais certo, quando se trata de um tímido disfarçado, como eu me julgo, é alimentar-se a tendência para sustentar a distância fátua desse olhar e o pouparmos, para futuros gastos, da presença mais íntima que descomponha a âncora. Era-me assim com o António Manso Pinheiro (*). E sei-o, agora, quando leio que vão tentar cremar-lhe o olhar agarrado ao corpo por causa de uma traição do pâncreas.  

 

Fui companheiro do António em ocasiões curtas e marcantes. Andámos por aí em lutas no mesmo rio durante a noite subterrânea, soube-o preso em Caxias e depois a ver a luz da liberdade entre os presos políticos libertados com o 25 de Abril. Passado pouco tempo, ele foi meu “chefe político” numa empresa especial – coordenar a campanha eleitoral do PCP no distrito de Lisboa para a Assembleia Constituinte, em 1975. Num pequeno gabinete, ao lado do Hospital Dona Estefânia, recebíamos os pedidos de oradores para sessões de esclarecimentos, tínhamos umas fichas com os nomes dos “camaradas e amigos” melhor falantes, e atendiam-se as necessidades compondo-se mesas com um “responsável político” e mais dois “intelectuais”. Os pedidos eram muitos, ainda se usavam e abusavam das “sessões de esclarecimento” e nem sempre a matéria-prima chegava para as encomendas. Quando assim era, avançávamos nós, os da coordenação da campanha. Foi uma campanha frenética, muito amadorística, e a decepção só viria na hora dos resultados eleitorais quando se percebeu que a maioria dos portugueses não queria o socialismo “científico”. Retenho: a nega monumental e sarcástica do Eduardo Prado Coelho, então militante do PCP e que constava das nossas fichas em papel, a mandar-me dar uma curva quanto a falar em colectividades de recreio sobre as bem aventuranças do marxismo-leninismo; de ter amparado o escritor Manuel da Fonseca que apareceu numa sessão mais bêbado que um cacho e recomendar-lhe para só ficar sentado; da Zita Seabra a segredar-me o seu currículo revolucionário e a chamar-me a atenção para não encurtar o número de anos que tinha estado na clandestinidade; de me chamarem a atenção para não dizer a ninguém que o Octávio Teixeira era do PCP pois ele estava então na administração do Banco de Portugal; aturar o Mário Castrim a fazer repetidamente a mesma rábula quando exibia o “avante” clandestino como o único jornal livre; da saraivada de pedrada que apanhei numa garagem na Lourinhã para correr-nos dali para fora. No balanço, o melhor foi o convívio e a amizade com o António, com um nervoso trepidante sempre abafado e um olhar límpido e terno, com uma segurança aflita e sumindo-se discretamente na sua fraternidade inata. Ficou desse tempo uma daquelas amizades sóbrias, as que mais perduram. Nunca mais colaborámos nos mesmos projectos. Íamos encontrando-nos por aí. Com o tempo apenas necessário para o abraço e para recarregar olhares de amigo. E só agora, confirmando que o “avante” e o PCP não lhe deram direito a notícia da sua baixa dos vivos, sei que, afinal, andámos, por linhas tortas, em outras decisões e lutas. Desta vez, sem fichas de papel, sem sessões para esclarecer os esclarecidos e sem a pretensão de querer que os cegos vejam o que não querem ver nem deixem de gozar a dançar à beira dos barrancos feitos de mentiras.

 

Por causa da traição do pâncreas, vão cremar o corpo do António. Não o olhar. Esse, na parte amiga e fraterna, tomo-o como herança. Sobretudo, agora, que o conheci melhor pela esplêndida evocação que acabei de ler, autêntica obra-prima de pensar de amigo, no Incursões.   

 

(*) António Manso Pinheiro era Editor da Editorial Estampa e Presidente da Assembleia Geral da APEL (Associação Portuguesa de Editores e Livreiros)

Publicado por João Tunes às 23:27
Link do post | Comentar
1 comentário:
De Try_Logic a 17 de Março de 2007
Os Grandes Portugueses...É uma belíssima ironia ou não caro amigo? A decência não é mediática. : )

Comentar post

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO