Sábado, 3 de Março de 2007

UM MUSEU E UMA COLINA

0014bx0f

Falando de museus dedicados a regimes finados, lembrei-me que, numa recente estadia em Praga, constatei que os checos, na sua maioria profundamente anticomunistas (viveram em ditadura comunista durante mais de 40 anos e acharão que lhes bastou e sobrou), não prescindiram de dedicar um Museu ao Comunismo.

 

Localizado numa artéria nobre junto à central Praça Venscelau, ironicamente situado entre um McDonald's e um Casino, ocupa uma parte de um primeiro andar de um palacete antes ocupado para actividades de lazer dos nababos da nomenklatura da vanguarda do proletariado checoslovaco. O espaço é pequeno e sóbrio e constituído por cinco salas em que se circula desde a representação da fase da “esperança” (imediata à libertação dos nazis e em que os comunistas conseguiram uma forte adesão eleitoral), passando-se à fase da “consolidação” da ditadura (em que os comunistas deram o golpe de 1948 e tomaram o monopólio do poder sob a batuta soviética, estruturando a natureza do regime segundo um programa totalitário), passa-se para a fase da “decepção” (estiolamento da economia, agressão ambiental, desencanto e invasão das tropas soviéticas, repressão), visita-se uma sala de interrogatórios da poderosa polícia política (substituta do partido como pilar do regime) e termina-se na evocação da “revolução de veludo” que permitiu o retorno à democracia e á liberdade.

 

O museu, que é de exploração privada e se paga a entrada, tem não só uma abundante afluência (sobretudo turistas) como, apesar da modéstia do espaço, tem um recheio completíssimo de materiais ilustrativos como a legendagem museológica é rigorosa e sucintamente objectiva, permitindo “respirar a atmosfera” do regime deposto viajando da nascente ao ocaso da ditadura monolítica, asfixiante e repressiva. [aqui pode-se ter uma ideia aproximada através de um tour virtual]

 

Um dos pontos mais interessantes deste Museu é a parte dedicada à evocação e ilustração da insólita e atribulada construção e demolição do monumento dedicado a Estaline em Praga. Após a instalação de regimes comunistas nos países ocupados pelo Exército Vermelho no fim da Segunda Guerra Mundial, todos os novos países que rechearam o império soviético, foram incentivados a darem provas de culto pelo “Pai dos Povos”. Em Praga, o local escolhido foi o cume de uma das altas colinas junto da zona presidencial do Castelo (a colina Létná) e foi concebido de forma que Estaline fosse visto e adorado qualquer que fosse o local por onde se circulasse na cidade. Em 1951, iniciaram-se as obras constituídas por um gigantesco maciço em granito e mármore com uma base pedestal e um grupo figurativo de trinta metros de altura representando Estaline a conduzir os povos, ocupando imensos recursos e o trabalho porfiado de centenas de trabalhadores. A inauguração deu-se em 1955 (na imagem), já Estaline tinha morrido. O XX Congresso do PCUS realizado logo no ano seguinte e revelando parte da paranóia criminosa de Estaline, a denunciada por Krutchov, não ajudou ao prestígio do monstro monumental, tornando-o um embaraço para as próprias autoridades da ditadura desejosas de sacudirem a sua colagem ao “culto da personalidade” ao maior entre os monstros comunistas. Em 1961, a aberração foi demolida, restando ainda hoje o seu pedestal como símbolo do anacronismo propagandístico a que pode levar o marxismo-leninismo todo poderoso. Livres do monstro estalinista de pedra em 1961, faltaria ainda esperar por 1989 para que a luz da democracia se acendesse para os povos da Boémia, da Morávia e da Eslováquia, chegando-lhes ao fim o pesadelo da “longa noite comunista”.

Publicado por João Tunes às 01:06
Link do post
De Francisco António a 3 de Março de 2007
Em Praga onde viveu Cunhal que tudo isto apoiou. A história, através do telemóvel, faz justiça ao juntá-lo a Salazar num pitoresco concurso televisivo.
Em Santa Comba o museu podia ter duas alas a do Fascismo salazarento e a do Totalitarismo cunhalista.
De João Tunes a 3 de Março de 2007
Na parte referente à estátua de Estaline em Praga, não. Cunhal, entre 1949 e 1961 estava preso (Penitenciária e Peniche). Portanto, quando chegou a Praga, já o monstro de pedra tinha ido abaixo. E julgo que Cunhal nunca "viveu" em Praga. Numa primeira fase, terá andado entre Moscovo e Praga, e depois instalou-se em Paris. Sempre com frequentes estadias em Praga, que era aliás a principal placa giratória das deslocações dos comunistas entre o Ocidente e o Leste. Julgo até, mas não tenho confirmação, que os clandestinos, por regra, iam primeiro a Praga "mudar de identidade" e só depois eram encaminhados para os destinos.

Discordo da solução museológica de misturar fascismo e comunismo. Se há pontos comuns (essência repressiva, base policial e liquidação das liberdades, do pluralismo e da alternância) as diferenças são abundantes e de monta. Um museu mix não teria o rigor como base. Portanto, seria uma negação de museu.
Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO