Segunda-feira, 12 de Fevereiro de 2007

O REFERENDO E OS PARTIDOS

0011ydy3

Numa campanha, em que a “sociedade civil” preponderou sobre a intervenção partidária, é do maior interesse abordar o comportamento dos partidos perante este semi-interregno na partidocracia. Aliás, na maior parte dos casos, até pela experiência anterior dos efeitos desastrosos das manifestações sectárias e demasiadamente ideológicas numa questão de melindre perante os valores e as consciências, os partidos sabiam do efeito da crispação sobre a abstenção e o sentido do voto. E, assim, terão quase todos preferido ceder a ribalta aos “movimentos cívicos”, sobretudo liderados por médicos e juristas. Resguardando-se os partidos mais para pontuar posições que para encarnar os combates.

 

Não duvido que esta “inteligência partidária” beneficiou mais o SIM que o NÃO. Desde logo porque expôs o dogmatismo dúctil do NÃO, que já se havia manifestado em forma cavernícola na primeira entrada à bruta dos párocos irredentistas e excomungadores, a uma ginástica argumentativa e demasiado camaleónica ao longo da campanha, evidenciando a distância entre as convicções de base, que já tinham uma contradição com a lei existente e que agora convinha apresentar como aceitável e suficiente, com o liberalismo acrobático final da “penalização não incriminante” a disfarçar os aspectos condenatórios do integralismo absolutista pró-embrião.  

 

O PS fez o que lhe competia – sereno, discreto, mobilizado e firme, gerindo com perícia a anulação da dissidência das duas deputadas penalistas. E Sócrates, brilhantemente, capitalizou um acrescido sentido de Estado. Talvez, com a melhor prestação política desde que governa.

 

O CDS fez o que podia numa causa que casava bem com a sua natureza ideológica de matriz católico-conservadora mas em que, numa causa vital para a Igreja apostada e mobilizada na vitória, a intervenção do CDS seria sempre pouco mais que uma redundância. Se não fez mais, isso tem mais a ver com a debilidade da sua capacidade de intervenção, para mais minada com invejas e disputas domésticas. E um líder eminentemente frágil e desarmado de hostes, em que a maioria destas já estava automaticamente mobilizada pelos párocos locais, estava condenado a ser irrelevante. E só não o foi totalmente porque, politicamente azarado, somou mais uma derrota no caminho de decadência do seu partido e a aproximar-se da inutilidade política.

 

O PSD demonstrou a sua natureza intrinsecamente heterogénea de semi-partido urbano e entroncado nas classes médias e letradas, mais o “partidão” das massas rurais e conservadoras, relapsas à mudança e à modernidade. Enquanto umas tantas figuras se demarcaram dos compromissos com a componente ancestral, Marques Mendes não se conteve e, da teórica neutralidade inicial, partiu para a aposta forte nas ginásticas camaleónicas finais dos partidários do NÃO. Pensando talvez que lhe competia também aqui fazer “oposição a Sócrates”, num tique partidário compulsivo e subserviente para com o contorcionismo de Marcelo Rebelo de Sousa, o PSD oficial acabou por contabilizar uma derrota eleitoral escusada.

 

O Bloco de Esquerda foi o mais surpreendente entre todos os partidos. Foi notável a inteligência política de Louçã, com uma não previsível capacidade de contenção disciplinada dos excessos próprios e típicos da intervenção política bloquista e sabendo amealhar, serenamente, os louros de ter sido um defensor e valorizador da consulta referendária. De tal forma o BE soube gerir a contenção da afirmação histérica que tanto apraz à gritaria bloquista que foram os do NÃO que ficaram com o grosso dos ónus do dogmatismo e dos excessos. Notável, verdadeiramente notável. Tanto mais que muito da vitória do SIM se deveu à serenidade bloquista, ajudando assim à redução do abstencionismo perante uma opção em que qualquer radicalismo pode ser fatal.

 

O PCP, o partido que mais se bateu contra a realização do referendo, não disfarçou a incomodidade desta campanha e que a fazia a contragosto. O grande desgosto do PCP para com o referendo entende-se bem e tanto que não conseguiu ser minimamente disfarçado. É que, no essencial, uma luta cara aos comunistas (a do aborto, com fundas raízes históricas no combate político e social deste partido) veio na pior das piores alturas, interrompendo o calendário de lutas sociais contra o governo (a CGTP foi obrigada a anunciar que as greves e manifestações recomeçam … em Março), para mais colocando do mesmo lado da barricada o PCP e o PS/Sócrates (o inimigo nº1). Como se dois males não chegassem, o PCP, provavelmente o mais partidocrata dos partidos, viu a cena do debate político a ser ocupado por “movimentos cívicos” e intelectuais a falarem sem consulta prévia aos controleiros, como se não tivesse bastado o susto desagradável da anterior eleição com a candidatura atípica e desencadernada de Manuel Alegre.

Publicado por João Tunes às 16:26
Link do post | Comentar

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO