Terça-feira, 3 de Março de 2009

FIM MUITO POUCO PRESIDENCIAL

 

«O presidente foi atingido por vários tiros no tórax e no rosto. O corpo mostra sinais de golpes violentos. Ele foi agredido de modo selvagem antes de ser morto a tiro», afirmou o médico, que pediu anonimato e não quis fazer mais comentários.

 

Publicado por João Tunes às 13:23
Link do post | Comentar

NÃO HÁ CENSURA QUE CORTE

 

Numa escolha da revista TIME e da cadeia CNN, foram indicados os 25 melhores blogues neste ano:     
 
·                                 Talking Points Memo
·                                 The Huffington Post
·                                 Lifehacker
·                                 Metafilter
·                                 The Daily Dish by Andrew Sullivan
·                                 Freakonomics
·                                 BoingBoing
·                                 Got2BeGreen
·                                 Zen Habits
·                                 The Conscience of a Liberal: Paul Krugman
·                                 Crooks and Liars
·                                 Generación Y
·                                 Mashable
·                                 Slashfood
·                                 Official Google Blog
·                                 synthesis
·                                 bleat
·                                 /Film
·                                 Seth Godin's Blog
·                                 Deadspin: Sports News without Access, Favor, or Discretion
·                                 Dooce
·                                 Confessions of a Pioneer Woman
·                                 Said the Gramophone
·                                 Detention Slip
·                                 Bad Astronomy
 

O mais curioso desta lista é, num mundo de expressão anglo-saxónica, aparecer a cubana Yoani Sánchez (na foto) com o seu “Generación Y”, um blogue hispânico que, para mais, a autora edita sem o conseguir ler por acção da censura de controlo da Internet em Cuba. Sobre os critérios de selecção do “Generación Y”, ler aqui.

 

Publicado por João Tunes às 12:26
Link do post | Comentar

SE O IMPÉRIO CAÍU E JÁ NÃO SE LEVANTA…

 

O Marcelo Ribeiro enganou-se quando ontem previu para hoje:
 
Nino Vieira foi hoje assassinado. Amanhã, provavelmente, os jornais dedicar-lhe-ão as páginas nobres e o congresso passará mansamente para o caixote dos refugos jornalísticos e noticiosos.
 
Porque os jornais e os blogues, sobretudo estes, deram antes razão a Francisco José Viegas:
 
Portugal arruma silenciosamente as antigas colónias com desprezo e ingratidão, sobretudo se elas não dão lucro. “Eles matam-se muito uns aos outros”, parece ser o mote vergonhoso. Acho muito estranho que se tenha falado “da morte de Nino Vieira” com esta simplicidade, como se tivesse sucumbido a uma pneumonia. Dá uma ideia do estado das coisas quando tudo está entregue a gente sem memória nem história.
 
É assim. Um congresso que espremido só deu a confirmação do líder que já era, continua a excitar a fantasia das palavras e a vontade de dizer para se dizer qualquer coisa. Enquanto Nino era preto e morava longe. E Sócrates até ganha prémios por vestir bem.

 

Publicado por João Tunes às 11:53
Link do post | Comentar | Ver comentários (7)

A SAGA DE UM PILHA-GALINHAS

 

Ler aqui sobre um crime gravíssimo de furto relatado por Manuel António Pina e para o julgamento do qual prevê um labor destinado ao insucesso ao causídico encarregado da defesa do arguido:
 
Não queria estar na pele do seu advogado, não há Código de Processo Penal que valha a um caso destes. É condenação mais que certa.

 

Publicado por João Tunes às 01:07
Link do post | Comentar
Segunda-feira, 2 de Março de 2009

QUALQUER DIA PAREÇO UM FIGUEIRENSE ADOPTIVO

 

Obrigado, Carlos. É muito útil conhecermos com antecedência os terrenos em que no próximo domingo vamos batalhar (ou malhar, como diria o outro). Vou já passar o seu post ao staff do Quique.

 

Publicado por João Tunes às 23:48
Link do post | Comentar | Ver comentários (4)

DUELO COM PRETEXTO NA CAMISA DO VITAL

 

Se tivesse Vital Moreira como meu inimigo político, gostaria de conseguir escrever assim, triturando-o até que nem um osso, simbolicamente falando, de prof ególatra e embirrante, o piorio entre os coimbrinhas da má memória persistente, se lhe aproveitasse. E tentaria até reparar se ele, Vital, ao ser abraçado por ainda mais detestáveis figuras, tinha ou não acertado com o botão adequado à esquerda correcta, porque consequente, com que encimou o desaperto informal próprio para congressos bajuladores usando quela azarada camisa fashion às riscas.
 
Para alimento de défice relativo quanto a escrita ácida, o meu nojo político está à direita de Vital. Porque se há o mar do situacionismo que me separa de Vital, e que este blogue tem servido para desabafar até à beira da ravina da náusea, não perdi o norte sobre onde está plantada a direita real e onde circula a esquerda radical especialista em colocar passadeiras de vermelho vivo para a Velha Senhora passar.   
 

Assim como assim, Vital, para mim, está no lugar do adversário em quem até se pode votar. Nada dependente da camisa ou dos abraços, assuntos de Vital que não me tiram sono. Mas cá por coisas, outras coisas, que a campanha tem obrigação de esclarecer, metendo no seu lugar. E esta, a campanha, ainda só olha o adro, sendo cedo para a liquidar através da plantação substituta de uma avenida de pelourinhos.

 

Publicado por João Tunes às 15:17
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)

ADEUS A NINO

 

Nino Vieira (Kabi Nafantchamna) teve um fim trágico mas adivinhado. Desde 1970, ano em que o combati, que tinha como certo que seriam balas quem lhe encomendariam o enterro, prognóstico este que só pecou quanto ao prazo de cumprimento. Comandante guerrilheiro de excepção ("general avant la lettre" como lhe chamou o historiador guineense Leopoldo Amado), Nino sempre denotou insuficiências culturais, políticas e éticas que fizeram dele um desacerto na envergadura das responsabilidades assumidas enquanto companheiro de luta chegado de Amílcar Cabral. Aos méritos militares de Nino, que o levaram até à nuvem do mito que o fez pairar - muito exageradamente - nas mesmas alturas do génio militar do vietnamita Giap, muito deve o sucesso da luta guineense contra o domínio colonial português. Aos defeitos pessoais e políticos de Nino, a Guiné deve grande parte do caos e miséria em que descambou e que impediu que a independência da Guiné-Bissau fosse, para o seu povo (melhor, para os seus povos), uma emancipação de facto relativamente ao passado colonial. Na fase de juventude da independência da Guiné, quando tudo estava em aberto para a realização dos anseios que alimentaram a valente luta anticolonial dos guineenses (e caboverdianos que se lhes juntaram), Nino puxou tudo para o fundo – o Estado, os ideais, a generosidade de construir um pais novo, impondo antes a corrupção, o nepotismo, o gangsterismo, o golpismo, o fraticídio étnico e a cleptocracia. Nino queimou praticamente tudo o que ajudara a construir mas de que não foi, nem de perto nem de longe, o único, ou sequer o principal, obreiro. E tornou a Guiné-Bissau ingovernável. Agora, quando o assassinaram no seu reduto a que havia regressado como Presidente, Nino já era melhor que a Guiné que ele ajudou a destruir e que se enterrara entretanto na bolanha imunda do descontrole absoluto e do narcotráfico. E é nesta medida que é uma injustiça histórica que a Guiné, a quem Nino tanto deu e a quem tanto tirou, tenha devorado agora este filho da sua terra, cumprindo à distância de quarenta anos, aquele que foi o sonho falhado de tantos militares portugueses de elite e “torre e espada” ao peito (incluindo o mais famoso “cabo de guerra português” após Mouzinho): caçar o Nino.
 
-----
 
Durante vários meses (quase um ano), no serviço militar que cumpri na guerra colonial na Guiné, estive colocado no Sul e em pleno coração daquilo que se chamava então “o reino de Nino” (ele era comandante da "Frente Sul" do PAIGC, responsável pelo controlo do Cantanhez onde os militares portugueses se acantonavam em aquartelamentos que eram ilhas militares em "território libertado" e fora das quais a tropa colonial só se atrevia pela aviação e pelas operações especiais, muitas delas destinadas a tentar capturar Nino). Nunca lhe vi a cara, mas experimentei e bem (mal, muito mal) os efeitos do seu talento guerrilheiro e da sua ousadia militar. Durante esses difíceis meses que me pareceram não ter fim, aprendi a respeitar Nino Vieira enquanto chefe militar colocado no lugar certo da História. Mais, muito mais, que os generais e coronéis que me comandavam e os que para aquela guerra estúpida, essa Aljubarrota virada do avesso para imitar Alcácer Kibir, me enviaram metido no rebanho fardado da juventude da minha geração para soprar um moinho colocado no contra-vento das aspirações naturais dos povos à dignidade e autonomia. O Nino que emergiu na Guiné independente há muito que me desiludira e para com ele já só me restava o sentimento da repugnância. Nesta sua queda à bala, lembrando-me não do Presidente Nino mas do Comandante Nino, ladeando a contradição no juízo, só me sobra o respeito devido numa última homenagem, esta.
 
 

Imagem: Nino, nos tempos da guerrilha, junto a Amílcar Cabral.

 

---

 

Nota: Este post foi também editado aqui e aqui.

 

Publicado por João Tunes às 13:21
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)

ANDAM COM O BLOCO AO COLO

 

Não será mas parece: o PS combinou com o Bloco dar-lhe o protagonismo dos ataques no Congresso de Espinho. Como se viu pela imediata alegria de Louçã a registar a ocorrência e as também imediatas declarações enciumadas de Jerónimo como que a queixar-se da irrelevância a que foi reduzido por não terem malhado antes no PCP que tão cansado está de lutar.
 
Sócrates conta que não corre risco de hemorragia de votos para a direita. Descanso este que Manuela Ferreira Leite não perde oportunidade de confirmar (talvez seja para o enganar, talvez). Sócrates sabe que o desgaste do PS será pelo lado esquerdo e que os votos que aqui escorram irão sobretudo para o Bloco. Porque há hoje uma franja eleitoral importante, decisiva para maiorias e com dimensão aproximada à de votação em Alegre nas presidenciais, de votantes socialistas de esquerda que escolhe votar PS ou Bloco.
 

Mais que impedir a sangria de votos do PS para o Bloco, julgo que o ataque do Congresso do PS ao Bloco foi a consagração, em festa de maioridade, deste partido (a única novidade partidária de sucesso sustentado após 1975). No caso, com a representação da hostilidade. Mas sub-dizendo (o que só valoriza o Bloco): o nosso adversário é este, hoje contra nós, amanhã connosco. O que demonstra que Manuel Alegre não andou a trabalhar para aquecer. E depois de ter cumprido a sua missão porque é que tantos congressistas queriam a inutilidade da sua presença física em Espinho? Poupem-no, para que Alegre esteja em forma na festa de homenagem que o PS ainda lhe vai fazer.

 

Publicado por João Tunes às 01:45
Link do post | Comentar

NEM TUDO FORAM ESPINHOS

 

Independentemente do significado político da escolha de Vital Moreira, de quem quase sempre tenho discordado, não tenho dúvida que ela sobe a qualidade política do debate (impondo-o até) como vai fazer suar a concorrência e será um contributo certo e seguro para qualificar os trabalhos do Parlamento Europeu, tornando-o mais perceptível na opinião política doméstica. Gostei de saber.  

 

Publicado por João Tunes às 01:43
Link do post | Comentar

POLÍTICA E PERTENÇA

 

Doeu quando doeu, agora pode ser revisto em sossego e com a lucidez da parcialidade (aqui).

 

Publicado por João Tunes às 00:54
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)
Domingo, 1 de Março de 2009

REVIVALISMO PARA DINHEIRO SEGURO

 

Antes, no processo que levou á sacralização do sistema bancário como sendo o lugar natural de residência do dinheiro, os últimos redutos de resistência persistiram nas imagens reais das velhotas aldeãs que demoraram até ao limite das suas forças em despejarem o dinheirinho para guarda dos senhores bancários. Foi uma luta de resistência do atavismo, através da fixação na segurança pela posse física de um bem escasso, que, derrotada, levou à absolutização do sequestro pela banca da esmagadora maioria do dinheiro circulante. De tal modo que a maioria do que hoje se paga e compra é feito sem se ver o cheiro e a cor do dinheiro. Ou seja, sem que as notas e moedas circulem pelas mãos, a não ser para comprar o jornal, pagar o café e outras miudezas. Assim, o dinheiro tendeu a tornar-se intangível e mesmo invisível. Recebe-se e paga-se sem dinheiro físico, com o dinheiro real ou como tal suposto a manter-se na banca, circulando na banca.  
 
O desmoronar do sistema financeiro está a afectar a solidez da imagem das instituições bancárias. E uma nova inquietação assolou o cidadão comum, a da angústia do que está a passar-se com o dinheiro de sustento e poupança que transfugou das mãos e bolsos para os cofres bancários. Irá ele desaparecer na volatilidade gerada pela evaporação da solidez do sistema bancário? É natural que perante este pânico dos tempos que correm, haja regressões no comportamento perante o dinheiro e que a figura da velha aldeã afincada ao rolo de notas guardado (escondido) debaixo do colchão tenda a deixar de ser uma figura da nostalgia antropológica para constituir um novo paradigma do cidadão prevenido em tempo de crise. Leia-se esta notícia sobre os 160.000 euros que José Manuel Martín, autarca da localidade espanhola de Alcaucin, guardava debaixo do colchão e confirme-se como os velhos hábitos de segurança monetária são a expressão de um revivalismo próprio desta época.

 

Publicado por João Tunes às 17:51
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)

FIGURA MAJESTÁTICA NA HORA

 

Segundo o rabisco daqui.

 

Publicado por João Tunes às 16:00
Link do post | Comentar

OPINIÃO SEM IDADE

 

A inteligência política de José Gomes André descobriu que, para o eleitorado do Bloco, os candidatos apelativos não têm idade:
 
não me parece que um Professor Universitário com alguma idade seja especialmente apelativo para o eleitorado do Bloco
 

Fica a dúvida: qual o candidato apelativo à malta do Bloco? Um portador de uma idade situada algures entre a de Fernando Rosas e a de João Semedo? E, sendo preferível ao odioso da condição de Prof, acumular a qualificação de dux veteranorum com cátedra em muitos anos chumbados com a de um fartar de experiência em aplicação de praxes académicas após um longo cansaço a lutar contra o pagamento de propinas?

Publicado por João Tunes às 15:52
Link do post | Comentar

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO