Quarta-feira, 3 de Dezembro de 2008

NA LÓGICA DOS VOTOS

 

Finalmente, Sócrates decidiu dar resposta à erosão à esquerda do eleitorado do PS, necessária para manter a maioria absoluta em próximas eleições, reconquistando votos em risco entre os detentores das grandes fortunas que foram para o BPP para ganharem na alta e não perderem na baixa.

Publicado por João Tunes às 16:06
Link do post | Comentar

JÁ TARDAVA

 

Finalmente, o PSD muda de presidência. Para já, a do Gabinete de Estudos.

 

Publicado por João Tunes às 15:53
Link do post | Comentar

PREC ESQUISITO

 

Ao ouvir Paulo Portas a investir, no Parlamento, contra a salvação das fortunas que entregaram a sua gestão ao BPP, só posso concluir que, provavelmente, foram banqueiros tresloucados, delinquentes e foragidos que pegaram fogo na sede do CDS/PP em Olhão. Vivemos um PREC esquisito.

Publicado por João Tunes às 15:38
Link do post | Comentar

ESCOLAS EM AULAS DE CORRENTES DE AR?

        

 

Levando a sério o Secretário Pedreira, fica a saber-se que Ministério e professores decidiram, finalmente em concertação, arejar as escolas:

 
O secretário de Estado Adjunto e da Educação, Jorge Pedreira, em declarações ao Fórum TSF, garantiu que a maioria das escolas está aberta em dia de greve nacional dos professores, mas admite que esta realidade não quer dizer que a maioria dos docentes esteja a trabalhar.
 
Ou temos Secretário de Estado que é tonto ou que gosta de nos fazer de tontos. Mário Nogueira só pode rir-se, agradecido, desta pedagogia em autismo. 
Publicado por João Tunes às 15:05
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)

EFEITO QUOTAS

 

Ainda as campanhas eleitorais não começaram e já há quem antecipe o perfil-tipo de alguns dos próximos deputados.

Publicado por João Tunes às 12:27
Link do post | Comentar
Terça-feira, 2 de Dezembro de 2008

OS CICLOS DE JAÉN

           

 

     

 

Esta notícia é um exemplo de como a crise recupera ciclos que se julgavam superados. Ou, antes, cria contra-ciclos humanos e sociais na onda de falências de ciclos. A hierarquia da escala mundial das desigualdades é a mais rápida a readaptar-se, por regressão se necessário, aos efeitos laborais desta crise, a qual, passado o estupor perante a fase do espectáculo traumático da ruína da chave aceite do sistema capitalista – o nó do lucro financeiro – nos remete à realidade da segurança insegura do nervo e dos músculos do pilar do funcionamento económico que, redescobre-se, não está no banco, que move dinheiro, mas na empresa que cria e faz circular os produtos que fabricam dinheiro. E se este regresso inevitável à economia é um labéu justo para a perversão financeirista da economia (e, oxalá, os neo-liberais aprendam com a crise aquilo que os comunistas dogmáticos ainda não sabem ler no colapso do comunismo real), ele não deixa de ter sequelas, dramáticas na sua ironia, na escala de re-arrumação da hierarquia de acesso entre os que concorrem na disputa pelas “menos valia” remuneratórias dos contra-ciclos de readaptação por “regresso às origens”.      
 
A euforia do boom espanhol, permitido pelo regresso de Espanha à democracia, mudou a Andaluzia (Filipe Gonzalez, um senhorito sevilhano, nunca desprezou as suas origens), o que produziu modificações sociais que retiraram a região e os seus assalariados do mapa inscrito em séculos de feudalismo latifundiário e que tiveram décadas de deleite revanchista durante a ditadura de Franco.  A partir do reinado democrático de Don Filipe, o socialista "obrero", os andaluzes pobres procuraram, e muitos conseguiram-no, a ascensão social que os terratenientes lhes haviam negado. O efeito de gap na cadeia produtiva andaluza foi rapidamente colmatado por explorados do fim da escala, os famélicos de África. Até à crise.

 

Com a crise, o ascenso do desemprego faz com que os andaluzes voltem aos olivais de Jaén. Para desdita dos milhares de africanos que estavam a habituar-se a ali matarem fomes nos trabalhos de apanha de azeitona que a ascensão social dos antigos “aceituneros”, por via da modernização capitalista espanhola, havia deixado com míngua de braços.

 

Adivinha-se, para desgosto dos contumazes no gosto pelo "canto livre" e que gostariam de remoçar o reportório e o menú de concertos, que o regresso aos campos dos “andaluces de Jaén, aceituneros altivos”, eternizados por Miguel Hernandez e cantados por Paco Ibañez, não terá, sequer em espectáculo alternativo, um poeta e um cantor disponíveis a celebrizarem as dores não altivas dos milhares de imigrantes africanos amontoados em Jaén, com os olivais no horizonte mas longe na esperança da oportunidade de trabalho e com a crise espetada nas ilusões. Deve doer tanto a decepção naqueles fundos de alma e estômago que não haverá poeta e cantor que por ali se abeire. E quando nem estes se lhes chegam, o que lhes resta?  A crise, a nossa crise, que nos faz desigualmente iguais.

Publicado por João Tunes às 13:21
Link do post | Comentar
Segunda-feira, 1 de Dezembro de 2008

AINDA NÃO FOI DESTA

 

 

Mais um 1º de Dezembro que termina e Olivenza continua espanhola…
Publicado por João Tunes às 23:56
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)

PERGUNTO AO MEU PAÍS

 

Para quando uma atmosfera melhor sem sentados no governo que são vendedores de portáteis, ministros que acham que educar é comoverem-se com crianças que escrevem cartinhas a desejarem que quando forem grandes entrem no partido que está no poder, uma deprimida autoritária na chefia da oposição e uma esquerda da esquerda que alucina os seus camaradas na antevisão de quando as roseiras bravas e as amoras silvestres cantarem a Internacional?
 
Entre o modernaço pacóvio, a depressão e a esquizofrenia, para quando outros caminhos que levem a democracia em Portugal até à idade moderna?

 

Publicado por João Tunes às 12:16
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO