Quinta-feira, 3 de Julho de 2008

INGRID LIVRE!

 

O PCP só tem uma maneira de sair desta tremenda derrota política que resulta da sua amizade e cumplicidade com o gangsterismo marxista-leninista: Convidar Ingrid para a próxima Festa do Avante e prestar ali a homenagem devida aos reféns, os libertos e os que continuam em cativeiro,  do narco-bando das FARC. Se não o fizer, sinal de que não muda, então pode convidar Mugabe que ninguém vai estranhar.

 

----

 

Adenda: Infelizmente (e digo-o com sinceridade pois a miséria, incluindo a política e ideológica, não pode dar satisfação), a secção portuguesa dos restos da patologia marxista-leninista conseguiu surpreender pelo lado mais degradado da hipocrisia partidária. O comunicado "forçado" do PCP e a sua intervenção na Assembleia República acerca da libertação de Ingrid, só é comparável com a de um imaginado grupo de celerados que, por exemplo e quando da fuga de Peniche de Cunhal e seus companheiros de fuga,  em 1960, tivesse optado por condenar o "comando do PCP" que operacionalizou a libertação dos presos (Pires Jorge, Rui Perdigão, Rogério Paulo e outros), chamando-o de "proto-extremista", e se recusasse a subescrever uma palavra de condenação de Salazar e da PIDE que os mantinham prisioneiros, manifestando-lhes, antes, a continuação da solidariedade. Por muitas lutas sociais que influenciem e conduzam hoje, muitas delas justas e necessárias, desbaratando, por oportunismo e falta de princípios, o enorme património de martírio que guardam no museu do combate ao fascismo, esta gente continua parada no tempo ideológico e histórico em que apoiaram os crimes de Estaline, as invasões soviética da Hungria, da Checoslováquia e do Afeganistão, mais a lei marcial na Polónia e todos os desmandos das ditaduras comunistas (mesmo quando estas assassinaram muitos milhares de comunistas), numa tendência atávica para serem solidários com os crimes, todos os crimes, cometidos em nome do comunismo, demonstrando como seriam perigosos se dentro ou próximos do poder. E, pior que tudo, em patologia adiantada, a cada tijolo do "Muro" que lhes caiu e continua a cair em cima da cabeça, eles reagem com o escancarar do riso psicótico dos sado-masoquistas fanáticos. Que os eleitores nos livrem deles, por favor.

Publicado por João Tunes às 20:40
Link do post | Comentar | Ver comentários (6)
Quarta-feira, 2 de Julho de 2008

O FEMINISMO BEM PODE DURAR

 

Numa viagem de táxi, senhoras, todas tapadinhas, vão atrás.
 

(Foto actual da AFP, Kabul)

 

Publicado por João Tunes às 17:08
Link do post | Comentar

CULTIVAR SOBRE O SURREALISMO DERRAMADO

 

Ao contrário ao que se dá a entender neste post de Joana Lopes, acho que a vereação da cultura da Câmara Municipal de Coimbra está bem entregue. Não é qualquer um que descobre o surrealismo derramado. Tem que se ser culto, muito culto.
 
Lido no JN (a propósito de uma "Exposição Internacional de Surrealismo Actual/O reverso do olhar" realizada em Coimbra):
 

Segundo escreve no catálogo que acompanhará a mostra, Mário Nunes, vereador da Cultura da Câmara de Coimbra, o objectivo é também "divulgar ao público de Coimbra, ao nacional e internacional, um conjunto de valores surrealistas que vão demonstrar a autenticidade e grandeza deste movimento nascido em França na década de 20 do século XX, e que se derramou, gradualmente, pelo Mundo."

 

Publicado por João Tunes às 13:25
Link do post | Comentar | Ver comentários (3)

JÁ NEM O COMITÉ CENTRAL A COMPREENDE

 

 

Manuel Ferreira Leite com aspecto de ter acabado de ler isto:
 
A operação em curso para credibilizar o PSD como alternativa constitui um exercício de mistificação destinado a branquear as responsabilidades governativas do PSD e a assegurar a continuidade da política de direita. A tentativa de apresentar o PSD como a “oposição” ao PS, construída na base da ideia do confronto entre Manuela Ferreira Leite e José Sócrates, destinada a construir um clima de bipolarização política e eleitoralmente artificial, insere-se numa estratégia mais vasta de favorecimento de soluções de mera alternância, inseparável de um quadro marcado pela “convergência estratégica” assente nos partidos do bloco central e a que o Presidente da Republica não é alheio, esta operação visa iludir a plena identificação de objectivos entre PS e PSD.
 
Foto roubada daqui.
Publicado por João Tunes às 12:36
Link do post | Comentar

QUANDO O LÁPIS RISCAVA A AZUL

 

 

O "Notícias da Amadora", fundado em 1958, que começou como mensário,  passaria para uma periodicidade mais curta e assumir-se como "semanário popular". Transformou-se, muito por obra do dinamismo redactorial do tempo em que Orlando Gonçalves foi seu director, num jornal lido por quase todos os que procuravam notícias, críticas e opiniões diferentes das do ámen ao regime. A sua submissão ao crivo implacável da Censura foi-lhe assim transmitida:
 
 
 
 
 
 
O resultado foi que, durante o período 1958-1974, este semanário acumulou 2.776 intervenções do “lápis azul” (2.108 artigos tiveram cortes parciais e para 668 artigos houve a radical indicação de "cortado"). E os articulistas censurados foram 502 (!).  Ler aqui sobre o ranking dos articulistas "censurados".

 

Publicado por João Tunes às 11:15
Link do post | Comentar

- 1%

 

Ontem foi dia de compras, repondo os stocks em baixo. Não quis perder o primeiro dia com o IVA descido. Eu tinha plena consciência de quanto esta descida implica em perda de receita para o Estado. E se o Estado passa a perder tanto eu achei que devia assumir a enorme responsabilidade de ganhar alguma coisa para que o esforço do governo valesse a pena. Não dei por nada. Mas não desisto, voltarei a tentar após recuperar do rombo na conta. Depois conto.

 

Publicado por João Tunes às 00:08
Link do post | Comentar
Terça-feira, 1 de Julho de 2008

IMUNIDADE PENAL? NÃO, OBRIGADO.

 

 

Para que conste, estou em absoluto acordo com estas posições de Vital Moreira e de Filipe Nunes Vicente.
 

O uso da liberdade, do bem supremo da liberdade, não pode rebaixar a blogosfera ao nível da loiça sanitária nem transformá-la num abrigo de gente cobarde entrincheirada. E os tribunais existem para isso, para julgar crimes. Só aceitando dois tipos de intrusão na actividade blogosférica: a da auto-regulação (as regras que vão sendo, voluntária, informal, ética e socialmente estabelecidas entre os bloggers) e da acção dos tribunais para crimes puníveis na lei (idêntica à usada para com abusos na comunicação social tradicional).

 

Publicado por João Tunes às 18:05
Link do post | Comentar

SALSA, AGORA, PEDE SAMBA

 

 
Neste post publicado há menos de um mês, referia o progressivo amolecimento dos laços entre Cuba e o regime venezuelano e a transferência dos laços económicos para o Brasil. Esta viragem suave é perceptível desde que Chavez perdeu o referendo sobre as alterações constitucionais (e afirmou aceitar os resultados), falhou a unificação partidária com inclusão do Partido Comunista da Venezuela e sobretudo desde que Raul Castro substituiu o seu irmão no comando do regime (note-se que, desde a transferência de poderes, Chavez visita Cuba não só menos vezes como quando o faz é para se entrevistar pessoalmente com o enfermo Fidel). Entretanto, na sua afirmação como potência regional, o governo brasileiro tem investido fortemente em adquirir posições influentes na economia cubana.     
 
No quadro do oportunismo do relacionamento internacional do PCP e da sua avidez por se abrigar junto de forças políticas no poder (antes na órbita soviética, agora com quem tenha poder e dinheiro – sejam Cuba, China ou Angola), o anterior companheirismo com a petrolífera Venezuela deu lugar a uma amizade súbita para com o Brasil e em linha com o ajustamento das alianças cubanas. Nem o anterior nojo político-ideológico pelo PT e por Lula (antes identificados com a heresia trotsquista) nem a vetusta amizade de décadas com o PCB (o do cantado  e mítico "Cavaleiro da Esperança"), constituem obstáculos para a gestão pragmática e interesseira do “internacionalismo proletário” do PCP sob esta direcção. O silenciamento súbito do “Avante” nas loas a Chavez, eram já um sinal do mimetismo relativamente às preferências cubanas. E para chegar junto do “governo amigo” de Lula, nada como trocar os anteriores laços preferenciais de relacionamento com os comunistas brasileiros do PCB (que está na oposição política a Lula), transferindo-os para um partido que resultou de uma cisão, o PCdoB, fracção esta que participa na coligação governamental que governa o Brasil (e onde o PCdoB senta um ministro).      
 
Compreende-se assim que quando, no mês passado, mandaram Jerónimo de Sousa viajar para a América Latina, lhe entregaram bilhete de avião não com Caracas como destino mas com desembarque em São Paulo.
 
Numa entrevista dada ao último “Avante”, Jerónimo de Sousa faz a crónica da sua viagem brasileira e, com a sinceridade possível dos oportunistas descarados, explica onde está o busílis político desta ida até aos braços do PCdoB (e do PT):
 
É bom ter presente, por exemplo, que o Brasil é hoje o primeiro parceiro de Cuba, não numa vertente assistencialista mas através do envio de tecnologia muito avançada, da disponibilização de instrumentos virados para o desenvolvimento de Cuba, a par de uma exigência de não interferência dos EUA em relação à soberania brasileira.
 
 
Nota sobre as siglas dos partidos brasileiros: PCB = Partido Comunista Brasileiro; PCdoB = Partido Comunista do Brasil; PT = Partido dos Trabalhadores.

 

Publicado por João Tunes às 17:06
Link do post | Comentar

UNIDADE SINDICAL, ÀS VEZES MAS NEM SEMPRE

 

 

Jerónimo de Sousa dizendo o que foi aprender no Brasil:
 
Por exemplo, os comunistas do PCdoB e outros democratas que estão no movimento sindical romperam com a CUT e formaram uma nova central sindical de classe, que está a crescer e tem já um peso significativo, demonstrando assim que não se ficam pelas «inevitabilidades», antes dando com esta decisão importantíssima uma prova da sua autonomia e do seu objectivo de transformação social.
 
Caso para dizer: longe vão os tempos da “unicidade sindical” na Lei.
Publicado por João Tunes às 12:58
Link do post | Comentar

UMA BALSERA NA BLOGOSFERA

 

 

A blogger cubana Yoani Sánchez (autora do mundialmente famoso “Generación Y”, aqui várias vezes referido) é, além do mais, uma mulher pertinaz e imaginativa. As autoridades cubanas bloquearam todos os acessos ao servidor onde se aloja o blogue de Yoani nos locais de ligação pública à Internet (cibercafés e hotéis, com acessos pagos e caríssimos), ou seja, onde a maioria dos internautas cubanos pode aceder à rede (a ligação à Internet só é permitida em Cuba a pessoas e entidades de topo e autorizadas). Mas a teimosa Yoani, que não pode ligar um computador e ver ou alimentar o seu blogue, continua, com assiduidade regular, a colocar os seus posts e alimentar, na caixa de comentários, um fórum muitíssimo participado sobre as questões que levanta. Mais, os seus textos podem ser consultados não só na versão original em castelhano como em versões traduzidas para inglês, alemão, francês, italiano e polaco (pela colaboração de cibernautas que voluntariamente prestam esta colaboração). O que é surpreendente e revela como a ligação em rede tem um potencial que consegue ladear as mais persistentes e maníacas limitações da ditadura mais casmurra.   
 
Yoani, num post recente, explica candidamente como consegue dar a volta às autoridades mantendo um blogue que não pode ser visto por ela e por muitos outros dos seus compatriotas. O estratagema baseia-se nessa nova forma de solidariedade que é a solidariedade em rede. Ela envia os seus posts por correio electrónico para amigos com acesso ao servidor, estes publicam-nos e devolvem-lhe por correio electrónico os comentários que são afixados. Entretanto, os posts com os comentários são gravados em CD que são reproduzidos e distribuídos gratuitamente em Cuba para poderem ser lidos por aqueles que se defrontam com o “apagão” do servidor onde está alojado o “Generación Y” (na imagem, cópia de um exemplar).
 

Justifica-se Yoani sobre os motivos que a levam a persistir neste jogo de gato e rato na rede censurada: “no hay nada que me resulte más atractivo que aquello que se me impide hacer” (verdade elementar do comportamento humano que nenhum dos fascismos e dos comunismos foi jamais capaz de entender). Quem tenha um byte que seja de dignidade como pode não entender Yoani?

 

Publicado por João Tunes às 12:19
Link do post | Comentar

ALLENDE E UM PARADOXO MEU

        

 

 

Passou há poucos dias o centenário do nascimento de Salvador Allende, o Presidente mártir, caído em combate e às mãos de uma pérfida coligação fascista-americana, coisa vulgar na década de 70 do século XX.
 

Sobre Allende, quase tudo se disse e sobre ele quase tudo se sabe. Assim, se acrescentasse o quer que fosse sobre ele, cairia numa mera redundância. Mas associo sempre à memória de respeito e afecto que guardo de Salvador Allende, um paradoxo circunstancial que vivi e esteve associado ao seu assassinato e à liquidação da democracia chilena. No dia dos trágicos acontecimentos em Santiago, nesse Setembro de 1973, estava eu a embarcar na Portela para uma férias em Londres e tratava-se da minha primeira visita turística a um país democrático. Li os jornais antes de passar o controlo dos passaportes que era feito pela PIDE e lá estava escarrapachada, terrível, a notícia. Chegado a Londres, feito o check-in no hotel, enfiada a mala no quarto, foi a abalada apressada para o centro de Londres para participar numa gigantesca manifestação contra o golpe de Pinochet. E foi assim que, depois de me ter manifestado dezenas de vezes sempre por curtíssimos períodos e com chanfalhada a cair-me no lombo ou dela fugir em passo de corrida esbaforida, num paradoxo de trágica coincidência, por terem assassinado Allende, lhe devo a minha estreia numa manifestação não reprimida, onde se podia gritar o que ia na alma, até protegido por polícias desarmados.

---

 

Imagens: Os três Allendes que passaram à história: Allende, o Presidente eleito; Allende resistindo à ofensiva das bestas; Allende assassinado, o único que permitiram que sobrevivesse.

 

Publicado por João Tunes às 00:15
Link do post | Comentar

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO