Segunda-feira, 3 de Outubro de 2005

A NÃO PERDER...

tomada_posse12.jpg

... A foto-reportagem do Jorge Neto sobre a cerimónia da tomada de posse de Nino Vieira como Presidente (eleito) da Guiné-Bissau (e de onde foi tomada a foto da imagem).

Resultado: Imagens e legendas de um free-lancer irreverente valem mais que mil páginas de jornalismo de referência.
Publicado por João Tunes às 00:29
Link do post | Comentar
Domingo, 2 de Outubro de 2005

PRÉ-PRESIDENCIAIS OU A FORÇA DO DESEJO

portu.gif

O aparente meio-consenso das sondagens que dá esmagadora vitória ao ainda-não-candidato Cavaco, em que se dá a ideia de que o País já está meio-grávido de uma escolha presidencial, é apenas expressão da pré-volta, não servindo para mais que isso.

Cavaco beneficia, ainda, de não ser candidato assumido e estar a gerir um mistério desvendado. Quando abrir a boca, iniciar a pré e a campanha, mostrar ideias, obsessões e tiques, evidenciando os défices da figura, vai sofrer o desgaste que, pelo seu lado, Soares e Alegre já começaram a sofrer. Por outro lado, a direita ainda não mostrou as suas divisões, aparentando estar toda abrigada na tenda cavaquista. O que dá a ilusão de uma direita unida perante uma esquerda tetra partida. E, quanto a isso, a procissão ainda vai a dirigir-se para o adro. Estou convencido que a direita não resistirá à tentação de lançar, na caça ao tempo de antena, os seus jerónimos e louçãs.

Soares só tem como potencial para acrescentar valor, o peso do aparelho institucional e histórico, mais o que puder espremer-se do reumatismo do baronato socialista. Ainda, contabilizar as perdas de Cavaco quando este demonstrar os défices e excessos da sua imagem – o seu formato limitado para o desempenho do cargo e a tendência para o autoritarismo e intromissão na esfera governativa. De qualquer modo, suficiente para que Soares represente muito mais que os resultados das sondagens perante um Cavaco mudo, com aquele ar de quem acabou de comer uma espetada e engoliu o pauzinho e penteado com a laca do tabu de Polichinelo.

Alegre tem o enorme património projectivo do inconformismo e da rebeldia. O que reanima a tradição e o modo cultural da esquerda incapaz de se rever no autoritarismo cinzento e medíocre de Sócrates que está a exaurir a maior vitória da esquerda sobre a direita. Com o tremendo poder corrosivo da pedrada no charco, mesmo o eleitorado conformista-socialista acabará por entender que, ganhando ou perdendo, o “efeito Alegre” é a única dinâmica que pode levar a uma segunda volta e evitar que o resultado das presidenciais seja um abraço entre náufragos de Sócrates, Soares e a esquerda. Porque tem o poder de transformar a planeada peleja desinteressante entre dois “clássicos” já vistos e revistos, numa disputa em que a discussão em torno de ideias, valores e projectos esteja no centro da campanha e, com isso, torne os eleitores em cidadãos exigentes e disponíveis para votarem. Além que a sua ida à luta, só ela, dá energia à dicotomia esquerda-direita de que tirará benefício próprio (se forçar a segunda volta e for ele a passar) e acabará por criar as condições e a dinâmica para que, na segunda volta se consiga o objectivo difícil mas possível de vencer Cavaco e a direita, elegendo-se Alegre ou Soares.
Publicado por João Tunes às 21:14
Link do post | Comentar

GOSTO E NÃO GOSTO

SantaMaria-LF.jpg

Gosto de Igrejas quando vazias. Se o cheiro a cera queimada não for muito intenso.

Gosto-lhes da paz, do fresco, do espaço amplo, da arrumação e limpeza e do silêncio. Se beatas não rondarem.

Gosto de admirar a arquitectura das Igrejas e parar-me a descobrir-lhes os pormenores, enfeites e inspirações. Se os sinos não tocarem.

Não gosto, nas Igrejas, o desconforto da dureza penitente dos assentos e não haver mesas ergonomicamente concebidas para se ler um livro ou escrevê-lo.

Não gosto, nas Igrejas, da memória do homem que, em miúdo, vi ser espancado pela GNR por não ter ajoelhado à passagem de uma procissão.

Não gosto, nas Igrejas, a falta de humildade e decoro de os católicos nunca terem pedido perdão por terem alimentado, vivendo-lhe à pala no domínio como “religião oficial”, décadas de fascismo à portuguesa, abençoando-lhe as suas ignomínias, continuando hoje, serena e cinicamente, apregoarem a supremacia do bem e da virtude.
Publicado por João Tunes às 00:21
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)
Sábado, 1 de Outubro de 2005

DA “FRIGIDEIRA” À “HOLANDINHA”

foto7.jpg

No Campo de Concentração do Tarrafal, campo de morte lenta do católico-fascismo luso que referi em posts anteriores, utilizaram-se duas formas de tortura-castigo nas situações em que os carcereiros decidiam incrementar sadicamente as condições prisionais de um preso. Na primeira fase, para prisioneiros “portugueses”, usou-se a “Frigideira”. Na segunda fase, em que o campo foi reaberto durante a guerra colonial, para presos africanos, recorreu-se a um sucedâneo chamado de “Holandinha”.

Sobre a “Frigideira”, remeto para a descrição de Edmundo Pedro, que foi prisioneiro no Tarrafal:

“Era uma cela em cimento armado, um cubo com uma porta em ferro, uma frestazinha em cima, o tecto em cimento e não tinha telhado. Era um forno autêntico, num clima tropical… era sufocante… havia dias em que a temperatura se devia aproximar dos 45 graus… passávamos os dias a suar, tínhamos de andar todos nús. À noite aquilo condensava e caía em cima de nós, parecia um chuveiro…”

Depois da reabertura do Campo para os militantes anti-coloniais, que durou até 1974, a tortura-castigo passou a ser a “Holandinha”. O nome atribuído tinha a ver com a sugestão sádica de ser atribuída como estatuto de “bom nível de vida”. Estando o Campo localizado em Cabo Verde, usava-se como referência o facto de a colónia imigrante entre a diáspora caboverdiana com melhor nível de vida nas remessas para os seus familiares que ficavam no arquipélago era a que trabalhava na Holanda. Logo, “Holandinha” era um termo que, além da afectividade cínica pelo uso do diminutivo, sugeria abastança e bom estatuto social. E o que era a “Holandinha”? A sua concepção era idêntica à da “Frigideira” (uma caixa de cimento, sem janelas nem telhado e com pouca ventilação) mas colocada no interior, dentro da cozinha e mesmo ao lado dos enormes fogões onde os alimentos eram confeccionados (primeiro, os melhores, para os pides e os guardas; depois o “rancho” para os presos). A tortura consistia em que ao preso enclausurado na “Holandinha”, além do efeito do calor pela proximidade dos fogões, sem ter direito a alimentação, recebia, pelo ralo respiratório, os odores da sucessão de cozinhados ali ao seu lado. Assim, os presos metidos na “Holandinha”, além de sujeitos a temperaturas altas e sem capacidade de movimentos, alimentavam-se de cheiros culinários e, inclusive, “beneficiavam” de partilha olfáctica dos petiscos confeccionados para os pides e restantes carrascos.

Imagem: Edmundo Pedro, na companhia de antigos presos angolanos (da segunda “leva”) à entrada dos restos da “Frigideira” em foto recolhida aqui.
Publicado por João Tunes às 23:20
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)

LEMBRANDO TARRAFAL

c_v_tarrafal.jpg

Aos poucos sobreviventes que ainda restam e foram prisioneiros do Campo de Concentração do Tarrafal (Chão Bom, Ilha de Santiago, Cabo Verde) todos os preitos de respeito que se lhes prestem só pecam por defeito. Li algures que o Dr. Jorge Sampaio vai-lhes prestar proximamente uma homenagem (aos sobreviventes e às memórias dos muitos que já não pertencem a este mundo). Em poucas outras situações, encarnará com o mesmo sentido a dignidade de ser Presidente desta República.

O Campo (o Nosso Campo, a medida salazarista de ter um sósia de Auschwitz ou Buchenwald) foi a maior vergonha da crueldade repressiva do católico-fascismo português. Para uma ideia aproximativa da génese e do cinismo nazistóide que enformou a obra, leiam-se estas palavras serenas de uma grande figura do nosso jornalismo (sobretudo no âmbito desportivo), antigo prisioneiro do Tarrafal, Cândido de Oliveira.

Mas, lembrando o Tarrafal, uma nota se impõe para dar a dimensão do espírito racista da ditadura. Criado em 1933 para presos políticos, considerados de “especial perigosidade”, tentando aniquilá-los física e psicologicamente e anulando a probabilidade de fuga, no final da II Guerra Mundial e pela similitude do Tarrafal com os “campos nazis”, o Campo foi encerrado e os seus presos ou foram libertados ou transferidos para Peniche. Mas nos anos sessenta, iniciadas as guerras coloniais, o Campo do Tarrafal foi não só reaberto como funcionou em ainda mais agrestes condições que as anteriores (agora os presos eram pretos, ou, pior, brancos que lutavam pelos pretos), enchendo-se de novo com prisioneiros vindos das colónias e suspeitos de apoiarem os movimentos de libertação (caboverdianos, guinéos, angolanos, moçambicanos, sãotomenses). E o Campo do Tarrafal só foi definitivamente encerrado depois de 25 de Abril de 1974.

Há cerca de quatro anos atrás, estando em Cabo Verde por actividade profissional, visitei as ruínas do Campo. E a sensação que tivera nos anos oitenta, quando entrei em Buchenwald, repetiu-se: ali estava um sinal indelével da selvajaria totalitária, essa expressão da vontade sem limites de destruir, triturando, homens discordantes.

Hoje, quando se fala do Tarrafal e vejo a lembrança e a homenagem circunscritas às dores e martírios dos prisioneiros “portugueses”, esquecendo-se a sua segunda e mais cruel utilização (integrada como peça da guerra colonial), não deixo de pensar que, por portas ínvias, algum antifascismo não consegue, também ele, ser imune ao eurocentrismo (digamos assim, para não ofender respeitáveis pessoas).
Publicado por João Tunes às 18:29
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO