Sexta-feira, 26 de Agosto de 2005

LEMBRANDO ORWELL

bull.JPG

“Uma pessoa de classe média adere ao socialismo e talvez até ingresse no Partido Comunista. Que diferença concreta faz isso? Obviamente, vivendo no quadro da sociedade capitalista, tem de continuar a ganhar a vida, e não o podemos censurar se se apegar ao seu estatuto económico burguês. Mas notar-se-á alguma alteração nos seus gostos, nos seus hábitos, na sua maneira de pensar – na sua ‘ideologia’, segundo o jargão comunista? Dar-se-á alguma mudança, excepto passar a votar trabalhista ou, quando possível, comunista? Nota-se que continua a conviver com os da sua classe; sente-se muito mais à vontade com um membro da sua classe que o considera um perigoso ‘comuna’, do que com um membro da classe operária que supostamente concorda com ele; os seus gostos em matéria de alimentação, vinhos, roupas, livros, arte, música, ballet ainda são gostos reconhecidamente burgueses; e o mais significativo é que se casa invariavelmente na sua classe. Veja-se qualquer socialista burguês. Veja-se o camarada X, membro do Partido Comunista da Grã-Bretanha e autor de O Marxismo Explicado aos Bébes. Acontece que o camarada X estudou em Eton. Estaria disposto a morrer nas barricadas, pelo menos em teoria, mas reparem que ainda deixa desabotoado o último botão do colete. Idealiza o proletariado, mas é impressionante verificar até que ponto os seus modos são diferentes dos do proletário. Talvez tenha, por mera provocação, fumado um charuto sem lhe retirar o rótulo, mas ser-lhe-ia quase fisicamente impossível levar à boca bocados de queijo espetados na ponta de uma faca ou manter o chapéu posto dentro de casa, ou até sorver o chá do pires. Talvez as maneiras à mesa não sejam um mau teste de sinceridade. Conheci muitos socialistas burgueses, ouvi-os discursar durante horas contra a sua classe e, no entanto, nunca, mas nunca, encontrei um que tivesse adoptado as maneiras dos proletários à mesa. E contudo, no fim de contas, o que os impede? Por que razão um homem que está convencido de que o proletariado reúne todas as virtudes e se dá ao trabalho de comer a sopa sem fazer barulho com a boca? Só pode ser por, bem no íntimo, pensar que as maneiras dos proletários são repulsivas. Assim se vê que ainda continua sob a influência do que aprendeu na infância, quando o ensinaram a odiar, temer e desprezar a classe operária.”

Em “O Caminho para Wigan Pier” – George Orwell

(“roubado” daqui)
Publicado por João Tunes às 15:47
Link do post | Comentar | Ver comentários (4)

MAIS UMA DO ARQUITECTO LUTZ

prole.JPG

Eu já me tinha dado conta, propagando-o, que um dos aspectos mais admiráveis neste companheiro de bloganço é a sua capacidade em nos desafiar a pensar o que julgávamos impensável. Conseguindo não cair na birra umbiguista e deletéria, no absurdo ou no anedótico. O que é obra, convenhamos, se olharmos para nós ou à nossa volta.

Agora, o Lutz desafia-nos com essa espécie de peregrina ideia de um tal Paul Kirchhof que defende o alargamento do direito de voto a todos os cidadãos a partir de um dia de vida (sendo este delegado, até à maioridade, nos seus tutores). Acresce que o dito Kirchhof não só não será um maluco (se o é, não é um maluco qualquer e tem méritos consagrados no exercício de funções que não é costume atribuir-se a diminuídos mentais como o de juiz do Tribunal Constitucional da Alemanha) como a sua aparente excentricidade foi apoiada por eminentes figuras da cena política alemã e pertencentes a vários quadrantes do espectro partidário, da Igreja e da Patronal (nada se sabe sobre a posição dos representantes sindicais e políticos do proletariado que, no caso e por causa das proles, seriam os mais beneficiados – em número de votos – com a medida). E das duas uma – ou os alemães deram cidadania à maluquice e gozam-nos que nem uns perdidos espalhando-a por tudo quanto é gente pensante ou malucos democráticos são afinal os que resistem em pensar ideias diferentes para o futuro da democracia.

E demonstrando que a inteligência não conformista arquitecta neurónios activos e criativos, o Lutz não só posta da forma sabida como espevita comentários como este e que nos merece, com vénia, transcrição e reflexão:

”Eu não relaciono a ideia do Paul Kirchhof com a baixa natalidade - pelo menos, prioritariamente - mas sim com a ideia de aperfeiçoamento da democracia política. Só por efeito de uma habituação às coisas, creio, pode considerar-se "natural" (!) a actual situação dos que, sendo cidadãos, não têm qualquer meio de expressão dos seus pontos de vista/interesses (sejam formados e/ou expressos pelos próprios ou por mediação de outrem).
Podemos vir a rematar qualquer discussão com pázadas de pragmatismo para justificar que apenas os maiores de 18 anos possam votar (e todos eles, quase sem excepção) mas isso não tem qualquer significado para o princípio que está em causa: o direito de voto não está reconhecido a todos os cidadãos.
Incidentalmente: há muito acredito que não há justificação para os maiores de 16 anos não poderem votar. É que, além de cidadãos, podem casar-se, podem celebrar contratos de trabalho, podem emancipar-se... Não procede o argumento da "imaturidade", por definição, posto o estado de coisas, nem o da "informação", por irrelevante.
O Kirchhof está longe de ser um anti-democrata, um sujeito alheio às exigências do chamado Estado de direito. Bem pelo contrário, tem provas mais que dadas na matéria - ter sido juiz no tribunal constitucional alemão é mais do que uma garantia neste aspecto. Seria muito interessante conhecer melhor tanto os fundamentos da solução como os mecanismos práticos da sua concretização.
Não tenho dúvidas de que isto é simplesmente o tactear de, sim ou não, mais um passo no sentido do alargamento da igualdade, da cidadania política - uma ideia com uma curiosa história de exclusões, logo ali no seu berço clássico, tão inaceitavelmente reservada, diríamos nós hoje, aos belos homens de Atenas.
Cada vez que se alarga o círculo da cidadania efectiva a nova ideia, como é com frequência próprio das verdadeiramente boas ideias, parece um infantil cúmulo do disparate. Assim foi também com o voto das mulheres.
Seja ou não esse o sentido da evolução, também me parece que a ideia do Kirchhof é um outro sinal de que, felizmente, o "cidadão de referência" já não é o "homem de bem" oitocentista (masculino, adulto, burguês). Deus já não é homem, e o cidadão já não é um adulto. (Pareço, finalmente, viável!)
Susana”
Publicado por João Tunes às 15:16
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)
Quinta-feira, 25 de Agosto de 2005

AS DUAS ESTRELAS DA PRÓXIMA FESTA DO AVANTE

656destaque.JPG

”Na praça principal do Pavilhão Central poderá encontrar evocações do exemplo coerente de vida e de luta de ambos os revolucionários [Álvaro Cunhal e Vasco Gonçalves], em painéis concebidos para esse efeito.

No caso de Álvaro Cunhal, várias das suas obras pictóricas inéditas e nunca apresentadas a público estarão patentes na XVI Bienal de Artes Plásticas.

Um pouco por toda a Festa estarão à venda T-shirts com seis desenhos a cores criados nos calabouços fascistas pelo histórico Secretário-Geral do Partido.

Na feira do Livro, toda a sua obra literária política e romanceada estará em grande destaque e ali decorrerão debates sobre a vida e obra do revolucionário.

(...)

Também o General Vasco Gonçalves e o seu papel determinante durante os 14 meses de Governo provisório até à vitória da contra-revolução, em 25 de Novembro de 1975, vão estar em destaque, no Pavilhão Central através de um grande painel que salienta a importância do «companheiro Vasco» nas conquistas sociais e políticas que brotaram com a Revolução dos cravos.”


(jornal “Avante” de 25.08.2005)
Publicado por João Tunes às 23:33
Link do post | Comentar

UM CC ANTICOMUNISTA

capt.sge.jsx79.060705212601.photo00.photo.default-280x380[1].jpg

“Somos frequentemente acusados de dirigir as nossas críticas privilegiadamente contra o PS. Trata-se de uma acusação infundada e que constitui uma das formas modernas de anticomunismo.” - Artigo de Aurélio Santos, dirigente do PCP, no jornal “Avante” de 25.08.2005.

“O Governo PS/Sócrates, apoiado numa maioria absoluta na Assembleia da República, desbaratou rapidamente o capital de esperança das eleições de 20 de Fevereiro, em que o povo português infligiu uma pesada derrota ao PSD e CDS-PP, e evidenciou o desejo de uma ruptura com a política de direita; acentuou os principais problemas económicos e sociais do País, sem resolver nenhum da pesada herança dos Governos PSD/CDS-PP, de Durão, Santana e Portas; agravou ainda mais, se era possível, o descrédito que as promessas não cumpridas e as malfeitorias da política de direita fizeram recair sobre o regime democrático. Era difícil fazer pior em tão pouco tempo.” - Comunicado do Comité Central do PCP (jornal "Avante" de 25.08.2005).
Publicado por João Tunes às 23:02
Link do post | Comentar

NÃO HÁ PROBLEMA SEM SOLUÇÃO

656pg1a-jeronimo3[1].jpg

“Numa situação nacional marcada por agravados problemas políticos, económicos e sociais que comprometem o futuro do País, as condições de vida dos trabalhadores e do povo, reafirmando a esperança e a confiança de que é possível um rumo diferente e uma vida melhor, o Comité Central decide que o candidato do PCP seja o Secretário-geral, camarada Jerónimo de Sousa.”

Do Comunicado do Comité Central do PCP, reunido no dia 23 de Agosto de 2005 (publicado no jornal "Avante").
Publicado por João Tunes às 22:28
Link do post | Comentar

A DEFESA DA BOA SENHORA QUE BATEU NA BRUXA MÁ

i2_0031.jpg

O caríssimo Evaristo ficou encantado com a “carta” da Maria João Seixas a Helena Matos. E atribuiu-lhe nada menos que estas condecorações: “A missiva é magistral, e o conteúdo é sereno, ponderado, pedagógico. Uma peça literária de bom gosto.” O meu caro Evaristo, em quem muito estimo os seus textos e a sua postura, terá sido o mais exuberante mas não foi caso único. Outras várias mãos aplaudiram a bordoada da “boa senhora” na “bruxa mᔠdo comentarismo político. Só que se as opiniões de Helena Matos são sempre mais que discutíveis, polémicas são e incorformistas sempre, ela não só escreve bem como expõe com clareza as suas ideias e fundamenta as suas opiniões. Situa-se num campo ideológico um pouco difuso entre o centro-direita e o centro anti-esquerda? Desmonta mitos acumulados no “politicamente correcto” das “causas da esquerda”? Òptimo, julgaria eu se toda a esquerda gostasse de ter adversários políticos e ideológicos que dessem luta, espevitando neurónios.

Concordar ou discordar, gostar ou não gostar do que a Helena Matos escreve não é caso. Ter uma atitude reverencial para com o conformismo sonso, coerente (pela persistência) e social-cristão de Maria João Seixas (que me lembre, sempre exercido na sombra do apego político à labita de Mário Soares e outros dignitários socialistas), tão pouco. E se uma tem catadura agressóide e a outra poses conventuais, não devia ser por isso que o gato é obrigado a comer a filhó.

A questão, no caso, é que Maria João Seixas deitou mão a uma via condenável, na sua carta, para atacar uma “adversária política” no exercício da sua função jornalística de comentadora. MJS não só misturou, e propagou, mexeriquices de zuns-zuns soprados nos bastidores televisivos como foi foi buscar o “passado político” (e, pelos vistos, revolucionário) da Helena Matos para a entalar com a ausência de direito de se pronunciar sobre atitudes e comportamentos de políticos e figuras públicas com os seus “altos e baixos”. Esquecendo que um comentador ou um jornalista (ou um blogger) não precisa de prestar provas curriculares ou cadastrais da sua actividade política passada e presente para o exercício da função, valendo pelo que escreve. Enquanto uma figura como o Presidente da República, ou de destaque equivalente, não se pode eximir a este tipo de apreciação. E Helena Matos, se foi acutilante para com Jorge Sampaio, não meteu sequer o pé no chinelo da deselegância. E o que fez Maria João Seixas? Usou informações sobre o passado de uma comentadora (sobre as quais ficamos sem prova nem contra-prova, ficando-se pelas insinuações) para lhe tentar destruir a força de opinião e de apreciação com base em pretéritos “desvarios guevaristas da juventude”. Feio, muito feio, contraponho eu.
Publicado por João Tunes às 18:37
Link do post | Comentar | Ver comentários (3)

FLORESTA - DIREITO OU TEOLOGIA DO TER?

Fogo 051.JPG

Eu percebo esta reacção. É mais que duvidoso que, hoje, a floresta seja uma fonte de rendimento que assegure sequer a sua manutenção (e já não falo em “manutenção segura”). As manchas florestais do País - de propriedade privada na sua maioria esmagadora - são um desmazelo (perigoso!) que provém da “inutilidade rendível” desta propriedade fundiária. Com o abandono dos campos (em que a floresta deixou de constituir a fonte recolectora de meios acessórios e que assegurava a sua limpeza) e o estertor da indústria resinosa (em grande parte provocada pela concorrência de fábricas de químicos sintéticos com custos de obtenção de produtos alternativos muito inferiores), a herança da privatização e florestação dos baldios deu nisto – para os que não optam pelo negócio com as Celuloses, a transformação de um bem económico numa propriedade simbólica mais de natureza cultural que património gerador de rendimento em capital. E, concorde-se, limpar o mato é extraordinariamente caro (“inútil” dir-se-á se se pensar nas contrapartidas empresariais) pela dimensão média e dispersão das propriedades e o preço da mão de obra disponível para o efeito. Com o valor da madeira em queda acentuada, e com a redução do valor florestal a este solitário produto, só se pode dar razão quando os “proprietários” (ou uma Associação em seu nome) clamam que eles, os donos da floresta, não têm posses para a manter.

Vivi “por dentro” os últimos fogos na Pampilhosa da Serra. Não por ser bombeiro, escuteiro ou protector florestal. Apenas devido ao egoísmo tribal de querer salvar a pele de familiares encafuados naquele braseiro (hoje reduzido a cinzeiro) e que teimavam em não soltar os pés das suas raízes telúricas. Pude verificar a falácia da propaganda urbana dos “sempre do contra” e confirmar que, nunca o sendo em pleno, os meios e a capacidade operacional e de coordenação dos meios de combate aos incêndios foram muito melhores que razoáveis. E que o Poder não lhe virou costas (no caso, testemunhei a dedicação, perseverança, eficácia e humanidade do Governador Civil de Coimbra que, vivendo sempre a realidade, procurou dar “estratégia” e “qualidade” à reunião dos apoios prestados e com introdução de valências “sociais” e “humanas”, impossíveis de imaginar num carreirista, num neo-liberal ou num contabilizador de ecos de popularidade). No final, fiquei com a convicção que os problemas estão na estrutura da propriedade fundiária da floresta (mais os “casos de polícia” dos pirómanos por deformação ou por encomenda).

O essencial no chamado “abandono da floresta” tem raízes quase absolutamente culturais. A maioria dos pequenos proprietários (a esmagadora maioria) apresenta dois traços comuns – são proprietários distantes (a maioria migrou para as cidades, conservando posse florestal no local de origem como sinal de “cultura de Ter” e raízes de atavismo telúrico relativamente à sua infância vivida nos campos do ido Portugal de Salazar) e de pequeníssimas propriedades dispersas arrematadas em negócios de ocasião processados nos verões de regresso à aldeia (6 pinheiros aqui, 8 eucaliptos acolá, mais 12 pinheiros além). Estes “proprietários”, regressam ao local de floresta nos verões, trocam e baldrocam as suas peças florestais, derrimem umas tantas heranças, assistem ás festas locais, fazem umas obras nos seus poisos sazonais acastelados, matam saudades, recompõem-se gastronomicamente, verificam os “marcos” das suas “santas propriedades”, regressam quando a chuva, o frio e a neve os empurram de regresso às cidades e à companhia dos filhos “doutores”. Assim, a posse florestal não é mais que um ritual cultural de uma parte do campesinato urbanizado e brutalizado na imposição da necessidade migratória. Numa banda de decadência no posicionamento social mas resistindo pelo apego a uma sinalética de posse que lhe restitua a auto-estima e o prestígio frustado.

Agora, a Associação dos Empresários Florestais, tendo razão quanto á insolvência da capacidade de conservar a propriedade sobre a floresta, vem confirmar o que pude verificar em Pampilhosa da Serra – há incapacidade de posse por parte dos proprietários da maioria dos nacos da nossa floresta. E, ainda, perda na conservação dos laços destes proprietários às suas propriedades. Mais, perdidas como estão grandes manchas florestais, acresce a inutilidade da posse. Somadas, a incapacidade e a inutilidade da posse e a perda de acompanhamento da propriedade, o direito à propriedade privada, potenciando perigo público, transformou-se, no caso das florestas, num direito inútil e que a sociedade não tem que garantir nem lhe pagar os riscos e as consequências, mais os seus custos. Assim sendo, este direito inútil e perigoso à propriedade só tem um caminho de saída – a sua cessação imediata no caso de verificação de incapacidade no cumprimento dos deveres de posse sobretudo se acrescida da confirmação da sua inutilidade proprietária. O Ter tem que ter limites, para mais se constitui risco de incendiar o País. Estimável que seja, o Ter tem de deixar de ser um valor sagrado.
Publicado por João Tunes às 16:40
Link do post | Comentar

O CANDIDATO SOARES

img_n20_01[1].jpg

Tenho de reconhecer - encontrei a mais perspicaz apreciação sobre Soares Candidato. Claro que esta apreciação, de talento inquestionável, não escapa ao desconsolo da análise que vê no jogo eleitoral uma espécie de desafio desportivo em que o resultado tudo conta e lembrando o ”se não fosse para ganhar, não estava aqui” de Mister Mourinho. E nem sempre os sucessos passados asseguram vitórias futuras. Além disso, e mais importante, as Causas? Não continua a ser uma tristeza infinita que a mobilização eleitoral da Esquerda se faça pela redução à missão mínima de tentar vencer o candidato da Direita?
Publicado por João Tunes às 13:04
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)
Quarta-feira, 24 de Agosto de 2005

O PRETO CABOVERDIANO

miss.jpg

A não perder, a leitura do naco de prosa de José Luís Hopffer Almada que o Rui Guilherme em boa hora transcreveu.

O texto enfia-nos a pensar através da profundidade dos subterrâneos ramificados do racismo e das suas subtilezas gradualistas. E, nesse sentido, a vermos para além da dicotomia mais exposta mas menos esclarecedora da dualidade preto/branco. Também que muitas vezes a essência dos preconceitos é resistente e molda-se a novos estares e evoluindo na luta entre corpos e anticorpos.

Poderia parecer que o nível da “mestiçagem” caboverdiana, ali levada a cabo numa intensidade relativa sem paralelo na restante África colonial, fosse um indício de enfraquecimento do preconceito racista por via da alcova. E tanto o pareceu que esse mito alimentou o embuste persistente da chamada “luso-tropicalidade” e que funcionou como uma das poucas âncoras ideológicas da propaganda pró-colonial de Salazar. Além de alimentar a miragem elitista de casta de uma afirmação “crioula” (e ao ser uma adaptação conformista infra-caboverdiana de projecção de uma subalternidade imaginada como substituta do poder colonial, com um poder de rigidez e de persistência na própria cultura caboverdiana, sobretudo ao nível das camadas letradas e introduzidas na estrutura intermédia de domínio classista).

O texto de José Luís Hopffer Almada, ao evidenciar o papel histórico e persistente da entidade preto caboverdiano, clarifica como, afinal, na sociedade mais mestiçada, o racismo anti-preto se manteve, se reificou e se transformou num fenómeno mais doloroso e difícil de ultrapassar que o conflito racista em sociedades estratificadas em menos “prateleiras intermédias”.

Da minha curta experiência de conhecimento de Cabo Verde foi exactamente esta constatação o que mais me impressionou no contacto com a sua paisagem humana e social. E isso porque, para mais, conheci Cabo Verde com este País a acumular já muitos anos de independência. O que demonstrou, e me espantou, como a marginalização do preto caboverdiano resistia à construção da nova realidade pós-colonial, demonstrando o longo caminho ainda a percorrer (cultural, político, social) para que se esbata o “domínio crioulo” como uma herança persistente da presença racista-colonial no domínio de Portugal sobre uma parte de África. E do poder de persistência das sub-culturas segregadas pelo racismo (mesmo que sob a aparência de provir de uma gestação centrífuga).
Publicado por João Tunes às 13:06
Link do post | Comentar

SOBRE UM APELO AO SITTING BULL

sb.jpg

Pelo que se leu e ouviu, meia centena de nazistóides organizaram uma provocação em Lisboa a pretexto da saudade do Hess. A provocação resultou na medida em que a polícia interveio para dispersar o ajuntamento, assim lhe dando foral de “acontecimento” e, na boleia, uma oportunidade para difusão de descargas propagandísticas típicas da seita.

Não concordo com a Guida quando ela aventa o pedido de apoio aos herdeiros do Sitting Bull para que a pele das carecas dos nazistóides sejam curtidas para servirem de tampas de tambores. E explico o meu ponto de vista. Entre a direita que nos aviava a liberdade em duas penadas a troco do regresso ao mando único, este grupúsculo nazistóide é, em meu entender, aquele que menos nos deve tirar o sono. Estes são os que ladram. E isso é um bom sinal, porque pelo ladrar conhece-se o cão. O problema maior, julgo, é a parte melífula dos rancores contra a vida democrática, aqueles que vão juntando os pingos do desconsolo até sentirem chegada a hora de arrotearem os quiosques da liberdade e do poder de escolha e sentarem o rabo de um Messias em cima das nossas cabeças. Porque cão que não ladra é o que mais morde. E quanto a isso, se penso bem, os males do rosnar, infelizmente, estão à “direita” e à “esquerda”.

Por aqui me fico, dando de barato, hoje, que um careca nazistóide pró-Hess seja mais repelente que um saudosista equipado com t-shirt com a efígie do “Pai do Gulag” (dos que fazem as tais figuras grotescas em que nos ficamos pela vontade de rir sem passar à indignação). É que a desproporção entre eles, a haver, poderá ser uma questão de estética mas não em número de vítimas afrontadas.
Publicado por João Tunes às 01:11
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)
Terça-feira, 23 de Agosto de 2005

SESIMBRA

Picture0103[1].jpg

Os desgostos são tantos, incluindo os crimes urbanísticos, que vamos ganhando uma couraça de indiferença que, no fundo, não passa de uma abdicação de cidadania. Estamos a ficar por tudo, o que, em termos de saúde cívica, devia, em desespero, tocar o alerta vermelho da nossa consciência gregária.

Há muitos anos que estou profundamente ligado a Sesimbra e arredores. Ali está muita da paisagem que me habita e eu habito. Infame é a palavra certa para descrever a forma como Sesimbra tem estado a ser betonizada, destruindo-se a beleza e o ambiente de uma vila piscatória que foi, até há bem pouco tempo, um rebuçado para os olhos e um local onde a calma e a alma nos prendiam a olhar o mar (sobretudo nos dias tranquilos da época baixa).

Agradeço à Brígida (a quem roubei a foto) ter dado o grito que me faltou.
Publicado por João Tunes às 23:56
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)

DOS QUE HABITAM BEM COM O ERRO

capt.sge.bcq83.220805201456.photo00.photo.default-389x258[1].jpg

Também há disto na blogosfera – pessoas que, sem o hábito de adormecerem com as unhas agarradas à Taça da Sempre Razão, opinam e, perante dados novos, dão - sem sinais de hecatombe - o braço a torcer. São os que pertencem à espécie rarefeita dos que acham que por vezes se enganam. E até que o erro faz parte do processo da maturação do conhecimento.

Onde constatei isso, mais uma vez, não me espantou. Tem a marca da superioridade intelectual do Autor. O Lutz colocou um violentíssimo post (na onda da moda de disparar onde se espreite americano ou israelita) sobre a Faixa de Gaza. Entretanto, o Nuno Guerreiro colocou alguns pontos nos ii que foram suficientes para o Lutz, de imediato, dizer: “Estou feliz de ter que corrigir-me”.

É caso para dizer: Há uma parte da blogosfera onde apetece respirar.
Publicado por João Tunes às 23:34
Link do post | Comentar
Segunda-feira, 22 de Agosto de 2005

SEMI O QUÊ? (2)

ElPresidente.JPG

O meu caríssimo amigo Carlos Gil não é homem de encolhas pelo refúgio no borladero. O que só me orgulha ter amigo assim pelo mostrar saber que é na arena que as coisas se resolvem e sabendo de arte aprendida (como todas as artes pois isto de autodidacta é fruta de restos que só se vai cultivando para as bandas de Periscoxe) que touro que salta as tábuas é manso entre mansos e investir contra os papalvos sentados nas bancadas é somente fuga às sortes embora possa parecer, numa primeira vista de amador, que a fuga aparenta vontade de mudar o mundo pelas avessas e despachar de uma vezada os aficionados de bilhete comprado com direito resguardado a desfrutar dramas forasteiros.

Pois o Carlos Gil, alimentando-me a mania do prazer em discutir, ripostou (e bem!) às alfinetadas que lhe mandei em post anterior. E, pelos vistos, só parou de teclar em fogachada de legítima defesa quando foi expulso pelo pessoal da limpeza e arrumações do ciber-café onde ele se aboletou (quem sabe se armado de saco-cama para que o seu espevito laurentino-ribatejano inaugurasse os primeiros brilhos da madrugada).

Mas, bandarilhando a fio nos seus desencantos (e tantos deles eu partilho com a raiva de assim ser verdade e tamanha que entra olhos dentro), levando-os aos extremos das costumeiras projecções apocalípticas, o Carlos Gil, pés bem enterrados na areia dos tércios, ficou-se a eternizar as mesmíssimas “chicuelinas” já antes desenhadas. Claro que não o vou arrancar da sua pose de estátua (que antes fez a glória e o drama de Manolete, só que este o fazia com a muleta e sem se perder em honras góticas ao uso fácil do capote) porque penso que a teimosia, com uma arte virtuosa como poucos além dele conseguem, e a par de mais outras incontáveis virtudes, é inquestionável e, por isso, passível de sim ou não, sem que provoque emoção mais forte e com direito a uma musicada de banda atamancada devido ao outsourcing da fiesta.

Dir-se-ia, pelo retro, que a conversa não tem mais labareda para animar polémica ou seu derivado, restando a fumarola de duas teimosias à procura de empate. Mas isso seria desprimor pelo artista que não merece ser acusado de vestir “luces” só para passeio de cortesia debutante ou enfastiada. Tudo nos devidos conformes e proporções porque os bons e pios costumes lusos (os que nos dão esta preversa versão de “coito interrompido” como representação de valentia) não permitem que se imponha ao desafiador da fera que mata ou morra para dali sair.

O Carlos Gil insiste em convencer do bom embarque na projecção do “reforço presidencial” como panaceia para os nosos males partidários e democráticos. Só que isso, mudando o disco da metáfora, é meter a tribuna a entrar em campo para compensar inépcia dos executantes encartados para a função. Procurando reforçar a necessidade da entrada “presidencialista” como sendo a pedido da bancada mais das claques. E, com toda a sinceridade, não vejo que Dias da Cunha - equipado de camiseta de pijama -compense as fífias do Liedson, ou que o Vieira – mudando de pneus - dê mais gás de finta ao Simão ou que o PC – mesmo imitando o novo penteado do Baía – vá ensinar ao Postiga onde está a baliza. É que essa súcia lá está para tudo menos para jogar. E não adianta mirar figurinos alheios importados de outros campeonatos. O Chirac o melhor que conseguiu foi um “Não” à Constituição Europeia. O Lula demonstrou a sua inutilidade ao jurar ser o único brasileiro que nada sabia do mensalão que sustentava as rédeas do poder. Do Bush não falo para não desatar aos palavrões. Por razões reforçadas não me refiro ao Putin e aos filhos que ele pariu. Quanto ao México, resta dizer “fox!”. Sobra o quê das virtudes do presidencialismo interveniente ou mitigado? Pois, Chavéz, o filho do Kim, o Comandante Fidel, mais alguns reis e algumas rainhas. E, desatando o novelo da História, vamos ter ao Getúlio Vargas e ao Perón, também eles saídos da redenção populista da decadência e corrupção dos partidos e dos políticos. Mas, por aqui, absolvo já o meu amigo Carlos de tão mal cheirosas companhias. Insisto antes, teimosia minha, que há é que meter duche escocês no balneário. E, em vez de nos projectarmos em miragens redentoras, tratar-lhes da saúde, obrigando-os a cumprirem aquilo que o contracto da “res-pública” os obriga.

Uma última nota, caro Carlos, que fica como desafio armado em perguntas.

- Como é que políticos sabidos e empedernidos como Soares e Cavaco, um com as manhas da experiência e com a prática do seu clan, outro com a tecno-frieza dos números santificados, acrescentam ou remendam as nódoas que nos moem a paciência e a esperança?

- Que moléstias se perderiam com a governamentalização de tais espécies?

- Tremendismo teu? Ou um semi-caminho?


Nota: Pois, caro amigo, para acalmia na discordância, fica exemplo na imagem para nos entenderemos sobre as bondades presidenciais. Vai por mim, os melhores "Presidentes" são os que se fumam... (nunca os que nos fumegam a nós)

Adenda: O Carlos, nos "comentários", já ripostou com as suas artes de quem bem domina a fórmula do "salero" apropriado a cada circunstância ou aperto e tanto que mais não insisto. Vão lá lê-lo e depois dêm uma ajudinha a arrancar o mufana em ombros de dentro da praça porque, às tantas, ele ainda vai querer cinco orelhas e três rabos de um bicho só. Abraço, amigo Carlos.
Publicado por João Tunes às 17:25
Link do post | Comentar | Ver comentários (3)
Domingo, 21 de Agosto de 2005

SEMI O QUÊ? (1)

presidencia[1].jpg

Talvez os mais avisados previssem que a partir desta ambição fosse inevitável cair-se nesta recitação. Ou seja, que ao manifesto da apetência pelo poder se seguisse o desejo de arrebitar os seios do poder enamorado para exercitar neles o tacto dos dedos e a aceleração da circulação sanguínea. Haverá quem diga até que isto é elementar e está nos livros. No caso, concedo, terão alguma razão. Embora resmungue que a acho curta.

O post do meu caro amigo Carlos Gil dá para pensar e merece mais que ficarmos pelo registo do espectáculo de um exercício desconseguido de volúpia presidencialista. Tentemos, pois e pelo menos, não o deixar a falar para a lezíria, porque a prosa está bem esgalhada e os argumentos muito bem arrumados. Perigosamente arrumados. E por aí é que vem a maka. Não pelo raciocínio mas pela arrumação.

As notas sobre o “descrédito em que caiu o sistema político” mais os olhares implacáveis sobre os Partidos e as governações, não novidam a quem não seja surdo e frequente pelo menos um café, um autocarro ou um minimercado ou demore nas filas para o jornal e o frango assado. A “voz do povo” (alimentada e bem alimentada) há muito que pegou fogo nos políticos e nos partidos e só ainda não deitou fora a democracia, trocando-a (mero exemplo) por mais polícias, porque ... enfim (embora as vozes de saudade sejam já mais que muitas a favor do “el-dourado autoritário” dos tempos que já lá vão). Mas a tradição radical e popular do varapau, quando enxertado no desejo de menos política e menos políticos, é, em si mesma, a expressão expectante e de transferência para que Alguém ou Alguns resolvam os problemas de cidadania exercida de modo ligeiro, incapaz ou simplesmente insuficiente. Por outro lado, a radicalidade com que o descrédito da política e dos políticos se exprime na “voz do povo” deriva exactamente do encontro paradoxal e decepcionado entre uma longa ausência de hábitos políticos participativos em cenários democráticos, onde a decepção é sempre mais provável que a satisfação dos desejos mas onde é possível construir ou retornar qualquer projecto, com o desconforto perante os desencantos das asneiradas que brotam de uma democracia que, por natureza, é um sistema aberto (às virtudes e aos pecados). E uma democracia aberta com cidadãos pouco participativos mas amantes de bodes expiatórios que desculpem a preguiça, onde o olhar solidário raramente ultrapassa a tribo familiar, é obra de muito longa empreitada. Dito por outras palavras, o que vivemos é um ponto crítico de desorientação fastidiada na ultrapassagem da orfandade do totalitarismo, onde o bem e o mal estavam entregues a donos exclusivistas, e que o messianismo revolucionário pós-25A cristalizou quando acenou e empurrou as massas esperançadas na redenção milagrosa dos problemas (de todos os problemas e de uma ou duas vezadas) para uma “solução de classe”. Porque, como se sabe de muita ciência infelizmente acumulada, o desespero ultimado da “voz do povo” leva direitinho ao regaço de um qualquer populismo (o dos caminheiros do autoritarismo direitista ou o dos redentores revolucionários que cantam prometidos amanhãs). Este é um busilis que encontro no texto do Carlos Gil. Mas não o único.

Verdade se diga que o Carlos Gil não se fica pelo diagnóstico nem pelo queixume e avança com uma prateleira cheia de medicamentos para as nossas maleitas democráticas. Que afinal se resume a um “genérico” dos de prometida venda em supermercados. Qual ”eanista empedernido e não esquecido”, atento embora aos entorces com que a direita pode deitar mão nos bolsos dos nossos males, avança com a mézinha do reforço do poder governativo presidencialista. De Almeirim a Belém é um pulo (no caso dele, até joga sempre em casa), e, vai daí, mete o futuro Presidente a comandar o Conselho de Ministros e a riscar na composição das maiorias parlamentares. Avisando, de caminho e enquanto faz cavalgada de cortesia, qual campino adornando pela lezíria com acompanhamento de banda em coreto volante, que - com Cavaco ou com Soares - estamos livres do risco de qualquer abuso (pressente-se que pensará que ao pé de Chirac, qualquer deles faria boa figura). Ou seja, caindo nos termos práticos, através de uma mudança constitucional, só possível com dois terços dos votos parlamentares, uma solução de castigo aos Partidos (retirando-lhes poderes e transferindo-os para a Presidência) aprovada pelos próprios Partidos! O que, excluindo uma insuspeitável propensão dos Partidos para a auto-flagelação (no meio de tantos defeitos, não se supeita essa virtude de humildade), era tão não factível que a solução óbvia faz faísca na sombra – um qualquer golpe “de estado” constitucional e referendário (em que o “povo” apoiaria uma solução messiânica de recomposição do desenho dos poderes, afinal o que Spínola quis e não conseguiu em 1974 e em que também Eanes falhou em projecto aparentado através da pretendida “regeneração” via PRD, isto para falar apenas nos simétricos do Otelo) de quem não se diz quem seria o promotor e executante. E será que o Carlos Gil matutou por aí?

Discordo, caro Carlos Gil. Só posso discordar pois logo que aberta a via de revisão profunda dos fundamentos do nosso frágil viver democrático, vagas perigosas se levantariam (sempre na boleia da “voz do povo”) para encaminharem os desencantos para soluções autoritárias que, estou certo, o meu amigo não defende nem lhe partilha o desejo. As maleitas da política, dos políticos e da democracia, curam-se (se se curarem) com mais democracia e maior participação nela e através dela. Deixemos os Messias e os golpes em sossego. Ou seja, lave-se o bébé da nossa democracia mas cuidadinho na hora de despejar a água do banho.
Publicado por João Tunes às 22:21
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)

PESADELO

cadeira.JPG

Estranha sensação esta quanto a quem nos governa...
Publicado por João Tunes às 17:30
Link do post | Comentar | Ver comentários (3)

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO