Segunda-feira, 27 de Junho de 2005

QUE SE CUIDEM

mural23.jpg

Que se cuide Jerónimo que mobilizou tudo quanto é “chuis”, “empregados”, “trabalhadores intelectuais” e alguns “burgueses” e meteu um funeral na bolsa política a render juros, enquanto os operários metalúrgicos e outros mais preferem os banhos para refrescar contra a canícula à luta contra a burguesia e o grande capital.

Que se cuide Louçã e a sua gente desviada para aulas de formação em protestos, boicotes e resistência à polícia.

Porque o PCTP-MRPP não perdoa nos juros de mora à demora dos revisionistas e trotsquistas na mobilização dos metalúrgicos em banhos. Diz a Agência Lusa:

- O V Congresso do PCTP-MRPP, que terminou ontem em Lisboa, apelou aos trabalhadores portugueses para que se organizem e realizem uma greve geral para "isolar o Governo socialista". A "realização de uma greve geral contra o Governo de Sócrates e a sua política e pela construção de uma alternativa democrática e popular" foi uma das conclusões do congresso deste fim-de-semana, anunciou aos jornalistas o dirigente do MRPP Carlos Paisana. No entender do MRPP, "é necessário mover um combate frontal e em toda a linha" às medidas anunciadas pelo primeiro-ministro, José Sócrates, de consolidação das contas públicas, para "isolar de imediato, sem apelo nem agravo, o Governo do PS".

- Carlos Paisana definiu o Executivo como "o comité de negócios do grande capital", considerando que, "sob um rótulo de esquerda, o PS logrou conquistar a pequena burguesia para um programa político abertamente de direita", que prossegue a governação PSD/CDS-PP.

- Além da greve geral para contestar o Governo, o V Congresso do Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses/Movimento Reorganizativo do Proletariado propôs reivindicações como a instituição da semana de 35 horas ou o aumento real dos salários. "O pagamento, pelo Estado, dos salários dos trabalhadores despedidos, até à obtenção de novo emprego com idêntica ou superior qualificação" e a revogação dos artigos do Código do Trabalho relativos a matérias como a contratação colectiva ou o direito à greve foram outras medidas apontadas.
Publicado por João Tunes às 22:25
Link do post | Comentar

A MEMÓRIA COMO ESTORVO AO PROGRESSO?

espanha_jun_2005 017.jpg

”O CAMPO – seja de trabalho, de concentração ou de extermínio – converteu-se num ponto obrigatório da reflexão política. Claro que é um lugar extremo e excepcional mas é precisamente essa excepcionalidade que lhe dá actualidade. O CAMPO é um lugar de estado de excepção, quer dizer, o lugar em que se suspende o Direito e onde o homem é considerado como puro corpo e não como sujeito com direitos.”

(…)

”O CAMPO vem de longe. Foi a única resposta política que os Estados europeus de entreguerras encontraram para resolver os problemas das minorias étnicas, como disse Hanna Arendt. Foi também a solução burocrática que os nazis conceberam para “resolver” a questão judaica. O que se esquece, entretanto, é que os CAMPOS preencheram parte importante da paisagem da Espanha franquista. Os fiéis da República, uma vez derrotados, passaram a ser inimigos do regime e os CAMPOS foram o lugar de castigo daqueles que escaparam aos fuzilamentos. Estes CAMPOS cumpriram a dupla função de prisão e de trabalho forçado para a realização de obras caras, perigosas ou simbólicas como, por exemplo, o Valle de los Caídos e o Canal (dos Presos) do Baixo Guadalquivir.”

”O CAMPO foi objecto de um silêncio nada espontâneo. Para avaliar a gravidade desse esquecimento não só há que ter em conta aquilo que a desvalorização do sofrimento e da injustiça arrastam consigo, mas também o perigo que todos corremos já que o esquecimento é resultado de uma estratégia que o permitiu, e o silêncio actual é a melhor prova de que o velho inimigo continua à solta. Daí a importância da memória: não só para que a história não se repita; não só para fazer justiça de algum modo ao passado recordado, mas também para nos armarmos moral e politicamente contra essa barbárie que não parou e continua a ganhar batalhas."

"O filósofo judeu alemão Theodor Adorno dizia que a barbárie da segunda guerra mundial impunha à humanidade uma nova forma de pensar e de viver, um novo conceito de verdade e de moralidade. E exprimiu-se assim: “Hitler impôs aos homens um novo imperativo categórico para o seu actual estado de escravidão: o de orientar o seu pensamento e a sua acção de modo a que Auschwitz não se repita, que não volte a acontecer algo de semelhante.” Deduzindo o que ele diz, a sua mensagem é que há recordar Auschwitz para que não se repita, isto é, há que reorientar o pensamento e a acção de modo a que esse passado não tenha repetição. E, diga-se de passagem, que quando se fala de “Auschwitz” falamos de toda a barbárie política do Século XX, barbárie essa que alcançou um nível de horror inimaginável nos CAMPOS de extermínio nazis mas que esteve igualmente presente nos CAMPOS de concentração do fascismo europeu e do estalinismo soviético. Em Espanha, antes, durante e após a Segunda Guerra Mundial.”

(…)

”O deportado (no CAMPO de concentração) é despojado de toda a humanidade para ser reduzido a puro corpo, sendo o corpo do deportado o objectivo político da organização do CAMPO. Toda a vida do CAMPO está pensada em torno do corpo. Para os carcereiros, o sentido do CAMPO é reduzir a existência do prisioneiro às funções biológicas do corpo – comer, defecar, matar e fazer desaparecer o corpo. E se, assim, o privado é público, a luta do prisioneiro consiste em tentar, inutilmente, que o público se torne privado.”

(…)

”O problema da memória é a sua fragilidade extrema. (…) O que tivemos de esperar até hoje para podermos falar nos CAMPOS de concentração da Espanha franquista, das valas comuns e dos “desaparecidos”, do Canal dos Presos do Baixo Gaudalquivir, dá-nos a ideia da fragilidade da memória. Como foi possível? Porque se esqueceu? As razões são várias. Há, em primeiro lugar, uma razão psicológica que aconselha aqueles que viveram uma experiência traumática a esquecerem para continuarem a viver; há também razões políticas – que, conscientes do poder subversivo da memória, a administram em função dos interesses políticos do momento. Essas políticas da memória não teriam alcançado o seu objectivo se não se tivessem apoiado numa estrutura amnésica que enforma a lógica moderna, o nosso modo de conhecer, e o conceito que temos sobre a verdade. As políticas da memória têm sucesso porque a memória é irrelevante ou perigosa para o conhecimento e a verdade. Para o progresso, o grande mito do nosso tempo, a memória é um estorvo.”

Tradução de excertos de “Por una cultura de la memoria”, Reyes Mate (do Instituto de Filosofia – CSIC), texto integrado em “El Canal de los Presos (1940-1962)”, obra colectiva, Ed. Crítica (Espanha)

[Na imagem, estou eu, no centro figurativo, de visita à memória no "Vale dos Caídos" e apanhado pela objectiva da minha rainha consorte (= com sorte). Olhando, para entender, à minha esquerda, um grupo de jovens espanhóis a prepararem-se para uma pose histórica no local de culto do nacional-catolicismo espanhol construído pelo trabalho forçado dos vencidos de uma guerra em que a Igreja Católica apoiou o fascismo e, hoje, o continua a celebrar através de missas de reverência a Franco e aos falangistas. Tendo, à minha direita, outro grupo onde se fala português e que descansa após o momento alto da excursão paroquiana organizada pelo cura de uma aldeia portuguesa, com certeza, do nosso interior lusitano.]
Publicado por João Tunes às 19:36
Link do post | Comentar

BLOCO ENSINA CIDADANIA AOS MAIS NOVOS

caladao_221x147.jpg

“Num acampamento destinados aos jovens, o Bloco de Esquerda tem no menu um workshop, no mínimo, original. Chama-se «técnicas de desobediência civil». A ideia é ensinar aos mais novos o «básico» para puderem estar preparados para o futuro. Sobretudo, para as futuras manifestações que a comunidade estudantil promete para os próximos tempos.
Os jovens do Bloco de Esquerda reúnem-se no próximo mês de Julho. O nome «técnico» deste workshop está incluído num programa «artístico».
José Soeiro do Bloco de Esquerda explicou ao PortugalDiário que esta actividade «consiste basicamente em ensinar as técnicas de desobediência civil». Aprender a fazer «boicotes», «ocupação de espaços públicos», «como se comportar numa manifestação» e «como resistir a uma agressão policial» serão alguns dos temas abordados. E necessários para os dias de contestação que correm.”


Esta notícia pode ler-se aqui. É, sem dúvida, reveladora. O PCP mete o País na greve (queira ou não), o Bloco põe a juventude a boicotar e a desobedecer. Depois falta o quê? Talvez só escolher o Palácio de Verão a atacar e ocupar. Depois? Bem, depois, a direita que ponha os cacos a render votos e tudo volta à “normalidade democrática”. É um fartar vilanagem!
Publicado por João Tunes às 17:22
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)

PROMESSA CUMPRIDA

cascata.jpg

“Foi segredada em chope e tsua de Inhambane, em chuabo da Zambézia e nhanja do Niassa, em ronga do Maputo e também em maconde de Cabo Delgado, em macua do Niassa, de Nampula e ainda daquele Cabo Delgado, ndau de Manica e de Sofala, changane de Gaza e em sena dessa Sofala, no chinungue de Tete, até no português das cidades. Foi assim que a Promessa nasceu, sussurrada de avós a filhos e de filhos a netos, narrada sob estrelas nos terreiros das aldeias e no chilrear do silêncio de caniço das ruidosas e estranhas cidades.”

Assim começa um dos textos mais bonitos e mais sentidos sobre os trinta anos da independência de Moçambique que me foi dado ler (não admira, o autor é Escritor e não brinca em serviço). Se o apetite se lhe abriu, leia o texto completo aqui.
Publicado por João Tunes às 16:34
Link do post | Comentar

2 Julho – Um Sábado para levantar cedo

550.jpg

Com a intenção de dar uma “oportunidade de convívio alargado para os associados, familiares e amigos, que contamos possa ter uma boa adesão da vossa parte, necessária para que possamos desenvolver um espírito de corpo, tão importante em qualquer associação”, a ALDRABA organiza um convívio no próximo Sábado (2 de Julho) na Barragem do Alqueva e em localidades próximas e ligadas à Barragem.

Todos os pormenores do programa e os contactos para inscrição estão aqui. Quem mais alinha?
Publicado por João Tunes às 16:08
Link do post | Comentar

TAMBÉM SOBRE O VELHO "MOÇAMBIQUE PORTUGUÊS"

Soccer.jpg

Uma verdadeira preciosidade esta reprodução de 1956 e inserida no Abrupto.

Para além dessa denúncia espantosa de que, por culpa do “governo” (que “comercializou o futebol e fez dele uma grande fonte de receitas”), “este desporto é praticado com a preocupação exclusiva de ganhar jogos e campeonatos” (como se qualquer desporto se praticasse, onde quer que fosse, com outros objectivos), temos a denúncia da “importação” de jogadores estrangeiros para as equipas nacionais como acto de lesa-pátria e roubando postos de trabalho aos praticantes lusos. Se se ler a notícia com atenção repare-se que o Benfica está isento da denúncia do PCP à terrível “estrangeirização”. Porquê? Porque, na altura e durante vários anos depois, o SLB regia-se por uma decisão, tomada em Assembleia Geral, em que se proibia a contratação de jogadores “estrangeiros” porque tinha (como os outros clubes) uma inesgotável fonte de recrutamento nas colónias portuguesas. Que, está bem de ver, eram então, para este efeito, “portugueses de primeiríssima” (a decisão da AG do SLB foi revogada quando as antigas colónias ascenderam à independência). E repare-se também como se saúdam, as visitas a “Portugal” de equipas “amigas” do “campo socialista” (que se presume, pela lógica do jornal, não queriam ganhar jogos nem campeonatos), casos “da equipa de futebol da Hungria a Lisboa e da Checoslováquia a Moçambique”. Salazar e o PCP a comungarem do conceito de “Portugal” com a dimensão de “Minho a Timor”?

Lembre-se que estamos, no caso da notícia, em 1956. O “desvio de direita” (que incluía dirigentes depois “recuperados” por Cunhal e seus futuros “fidelíssimos” – Dias Lourenço, Pedro Soares, Octávio Pato) na direcção do PCP estava no seu pleno (com Cunhal na prisão desde 1949 e Estaline falecido há três anos), este foi o ano do XX Congresso do PCUS (em que Dias Lourenço representou o PCP) e Delgado “estava quase a chegar”. Pelo meio (em 1957), aconteceria o V Congresso do PCP em que, pela primeira vez, ali se adoptou, sem ambiguidade, o direito dos povos coloniais à autodeterminação e independência. Mas, em 1956 (ainda em 1956!), Moçambique era (para o PCP) tão “português” como Lisboa.

Como quase sempre, o futebol a demonstrar que é uma excelente metáfora para se chegar à interpretação política?
Publicado por João Tunes às 15:29
Link do post | Comentar
Domingo, 26 de Junho de 2005

PARTIDA TOPONÍMICA

ja.jpg

Que fazer quando se caminha cidade dentro e damos de frente com uma esquina com o nome de um amigo estimado pendurado a servir de toponímia?

Paramos, damos um abraço à esquina e ficamos ali de conversa?

Adenda: Esclarece-me o meu amigo Jorge Afonso que o objecto da homenagem toponímica não é ele mas sim um seu homónimo que foi pintor de mérito e contemporâneo de Grão Vasco. O que não altera nada ao sentido do post. Primeiro, não há pintor, por mais talento que possua, que nos retire a primazia de um abraço dirigido a um amigo de verdade. Depois, que melhor alternativa a um abraço num amigo que ficar de conversa com um artista das lides com as cores e as formas? Ao fim e ao cabo, entre um amigo e um pintor (quando ambos não coincidem na mesma pessoa), a diferença é curta - é só passar da estética do afecto à vinda da paleta.
Publicado por João Tunes às 20:59
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)
Sábado, 25 de Junho de 2005

NUMA HOMENAGEM

jpp.jpg

De realçar nesta homenagem:

- A limpidez e o brilho de análise de José Pacheco Pereira aos factos da bruma da história do PCP no tempo da clandestinidade o que não deixa de representar o imenso insólito (e de significado maior) – ser um homem “do outro lado da barricada” o que “mais sabe” e “mais transmite” sobre a história dos comunistas portugueses. Uma questão de telhados e paredes, certamente.

- A mensagem vídeo-transmitida do velho resistente caluniado a demonstrar que a dignidade não tem tempo nem idade.

Na imagem, JPP faz o seu depoimento na homenagem a Vasco de Carvalho hoje realizada em Lisboa.
Publicado por João Tunes às 20:16
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)

TRINTA ANOS

ind25.jpg

Quando conheci Moçambique já o capitalismo era a ideologia, os americanos os amigos, a corrupção andava pelas esquinas e subia escritórios, Maputo lembrava uma cidade que já tinha sido bonita, a Beira era um puzzle de ruínas, Vila Pery era Chimoio, Porto Amélia virara Pemba, os meninos brincavam no lixo, o crime assustava, “contratava-se” uma catorzinha pelo salário de um frango assado, quase todos os dirigentes eram importantes e ricos, cooperantes, ong’s e empresários arrotavam a lagosta e geriam o status quo com a nata frelimista.

Não conheci o Moçambique mandado pelo chicote do fascismo colonial nem o outro Moçambique que fez a festa da Utopia.

Mas com tudo, apesar de tudo, faz hoje trinta anos o que só perdeu pela demora.
Publicado por João Tunes às 00:33
Link do post | Comentar | Ver comentários (4)
Sexta-feira, 24 de Junho de 2005

Quando (2)

DSCF0015.JPG

Quando um dia não são dias e se encontra um Escritor à mão de semear para conversar à sombra do busto de um outro senhor ilustre, o apetite por um abraço pode morar ali com carácter de urgência. Não pelo busto é claro, que isso temos todos sem precisar de ser marcado em pedra, mas por termos no Escritor um amigo.

O bem deste mundo, o do bloganço, é que se encontram palavras com olhos bons metidos lá dentro.

(foto roubada ao Magude e sobre o lançamento do Xicuembo)
Publicado por João Tunes às 23:55
Link do post | Comentar

Quando (1)

DSCF0019.JPG

Quando os bloggers se encontram e se descobrem despidos do biombo das palavras, até pode ser uma festa. E bonita de ver.

(Eu gosto de ver os olhos a descobrirem-se. Quando os olhos são bons de olhar, está visto.)

Afinal o mal deste mundo, o do bloganço, é ter palavras a mais e olhos a menos.

(foto roubada ao Magude e sobre o lançamento do Xicuembo)
Publicado por João Tunes às 23:42
Link do post | Comentar

PENSANDO MAIO

i2_0040.jpg

Maio 68 foi a grande construção da desconstrução dos paradigmas da mudança do mundo. Quase nada conseguiu daquilo que queria conseguir (a burguesia francesa, De Gaulle, reforçaram as suas influências e poderes) mas tendo rompidos os limites sem se perverter, empurrou o ensino, o mundo do trabalho, as relações profissionais, os modos de vida, as relações interpessoais e os comportamentos para um salto de séculos. Comparando com o Maio de 68 em França, nenhuma revolução conseguiu fazer sonhar e mudar tanto. Porque perdeu? Talvez, na medida em que os burocratas não lhe deitaram mão (e bem tentaram, bem tentaram) e assim não conseguiram transformar o contra-poder em poder. Mas, julgo, sobretudo porque não se admitiram limites ao sonho e à imaginação, a derrota, quando veio, já o cansaço estava deitado na cama da desilusão, enquanto o mundo, o nosso mundo, tinha sido desafiado e questionado até ao ponto de não retorno. E hoje, à distância, a revolução de Maio 68 será aquela a quem todos devemos mais que a todas as outras - vencidas ou vencedoras. Digo devemos no sentido do relacionamento de cada um com os outros e na nossa forma de vida. Um paradoxo, convidando à reflexão, isto de devermos a uma revolução perdida aquilo que não ganhámos com todas as revoluções ganhas e por atacado (as de antes e as de depois de Maio 68).

O pequeno livro de Fernando Pereira Marques (*) (**) sobre a sua experiência de Maio 68 é uma magnífica revisitação reflectida aos acontecimentos que mudaram as pessoas mais que o mundo, o que será a forma mais eficaz de mudar este mundo. Tendo-o vivido por dentro (na altura, o autor era um jovem exilado político e estudante na Sorbonne), a sua formação académica (na área da sociologia) permite-lhe uma reflexão qualificada de testemunho decantado e refinado pelo passar do tempo. A que, como se isso fosse pouco, se acrescenta o valor de um excelente ensaio-prefácio de Eduardo Lourenço.

(*) – “A Praia sob a calçada”, Fernando Pereira Marques, Editora Âncora.

(**) – Fernando Pereira Marques é Académico (na Universidade Lusófona e na Universidade Nova de Lisboa) e director-adjunto da revista Finisterra. Foi um combatente ao fascismo, encarcerado nas prisões políticas portuguesas, refugiado político em França, dirigente e deputado pelo PS.
Publicado por João Tunes às 16:18
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)

NO REGRESSO DO CULTO

isvestia_lg.jpg

Agora que o “culto da personalidade” voltou a ser autorizado, pelo que se viu das imagens do último comício do PCP em Lisboa, aqui fica um velho Izvestia para inspiração de Casanova na preparação das próximas edições do Avante.
Publicado por João Tunes às 12:26
Link do post | Comentar

RETOQUE NO COMISSÁRIO DO RETOQUE

um.JPG
dois.JPG

Iejov foi um dos “Comissários do Povo” mais sádicos entre os que serviram Estaline. O seu antecessor à frente do NKVD (percursor do KGB) foi o Comissário Iagoda. Como Iagoda matava muito mas pouco segundo a sede de Estaline, este mandou fuzilar Iagoda e substituiu-o por Iejov. Agora sim, havia um Comissário a matar que se fartava, tanto que salpicava de sangue o Politburo. E, sobretudo, Iejov adorava assassinar comunistas e seus familiares. Embora matando sempre às ordens de Estaline, deve ter assustado prever quando é que Iejov ia parar nas suas matanças. Então, Estaline achou que era altura de fuzilar Iejov e substitui-lo por Beria. Este novo Comissário também se fartou de matar até que, morto Estaline, lhe calhou a vez de ser fuzilado, agora por ordem de Krustchev.

Uma das especialidades de Iejov, além das torturas e fuzilamentos, era retocar as fotografias com as personagens que tinham participado na Revolução de Outubro. Um qualquer companheiro de Lenine caía em desgraça e, zás, Iejov ia aos arquivos fotográficos e apagava-os da cena. Trotski, por exemplo, tinha sido um dos que tinha dado mais nas vistas nos eventos revolucionários e, foto aqui, foto ali, lá estava ele ao lado do líder. Apagar Trotski das fotos revolucionárias foi uma das maiores canseiras de Iejov mas a tarefa foi levada a bom termo. E a evolução dos textos ia acompanhando a mudança das imagens como a reescrita da história do PCUS em que os antigos dirigentes assassinados ou mal vistos iam “desaparecendo” dos acontecimentos em que tinham participado com destaque.

Fuzilado Iejov, foi a vez de lhe ser aplicada a técnica do desaparecimento do registo histórico em imagem e nos textos. Se era preciso garantir que Iejov nunca tinha existido, havia que usar a “técnica de Iejov” ao desaparecido Iejov (muito menos, lembrá-lo ao lado de Estaline). Um caso concreto de feitiço aplicado ao feiticeiro. Compare as imagens do cimo – aquele que falta na segunda versão é Iejov.

Imagens retiradas daqui onde se encontram mais exemplos da “técnica de Iejov”.
Publicado por João Tunes às 12:06
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)
Quinta-feira, 23 de Junho de 2005

Kinder, geniesst den Krieg, der Friede wird furchterlich (*) ?

buchenwald.jpg

Esta vai para o caro Lutz (exímio a desafiar neurónios alheios e homem de liberdade a quem repugnam todas as formas de totalitarismo) para ver como ele se desengoma. Então é assim:

Segundo a nossa estimada Helena, uma conhecedora dos dramas de Buchenwald:

- Aquele campo de concentração foi aberto para opositores ao regime nazi (comunistas, socialistas, religiosos, etc), durante a guerra funcionou para trabalhadores forçados de várias nacionalidades e, já na fase da ofensiva soviética, para extermínio de judeus trazidos de Auschwitz.

- Libertado e denunciado pelos anglo-americanos, Buchenwald viria a integrar-se na zona de ocupação militar soviética onde seria implantada a RDA.

- Durante a ocupação soviética, e entre 1945 e 1950, Buchenwald, o mesmíssimo campo de concentração de Buchenwald, foi reutilizado com uma nova leva de prisioneiros (não sujeitos a julgamentos ou condenações), desta vez, de novo, alemães (agora por suspeitas de filiação ou simpatia nazis). Terão por lá estado, neste período, 28.455 prisioneiros alemães (segundo fontes russas).

Agora vamos à questão, caro Lutz:

- Como explica que, relativamente a Buchenwald, a denúncia sobre a utilização nazi do “campo” seja tão veemente e ecoada e se faça um barulho tão silencioso sobre a sua “segunda utilização” às ordens de Estaline?

(*) – “Jovens, gozai a Guerra, pois a paz será terrível” (frase em voga na Alemanha, quando a perspectiva da derrota nazi se avolumava)
Publicado por João Tunes às 19:13
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO