Segunda-feira, 20 de Setembro de 2004

NILO E SINAI (3)

É uma autêntica lotaria de imprevistos a socialização a tempo inteiro com um grupo de patrícios em roda turística. Como em tudo, há sorte e azar. Já gramei secas que me esgotaram a paciência. Já tive a felicidade de conhecer gente interessantíssima. É uma lotaria, disse e repito. No entanto, julgo que, com o decorrer dos tempos, os riscos diminuíram por duas causas – muitos portugueses acumularam o hábito de viajar (os que os torna mais serenos nos contactos extra-muros) e já compram mais cá dentro (tornando-se mais suaves no consumismo dos recuerdos).

No caso, o destino e a motivação ajudavam a que a curiosidade sadia suplantasse a exuberância pacóvia e a atracção fatal por tudo que fosse bazar.

Grupo bacano, diversificado nos interesses e nos escalões etários (a mais nova tinha doze anos e o mais velho andava pelos setenta). Animação, interesse, espírito de entreajuda. Pessoas muito interessantes pelo meio. Para mais, uma guia culta e simpatiquíssima, charmosa e afectiva, falando português quase sem mácula, que nos reunia e nos recontava ao som do grito de guerra em chamamento: Família!. Que sorte. Sorte construída também pela simpatia transbordante dos egípcios que são o povo mais simpático que conheci até hoje. Repito, que sorte. E, assim, a viagem foi também uma festa. Para todos.
Publicado por João Tunes às 17:02
Link do post | Comentar | Ver comentários (1)

NILO E SINAI (2)

De forma super concentrada, é impossível digerir muita informação e muito passado. Sobretudo ali. Porque ali a pequenez do saber humano é o maior de todos os monumentos deixados em herança à sede da curiosidade.

A riqueza daqueles milénios de civilização rica e pujante dá água pela barba aos egiptólogos mais persistentes e mais dedicados. Não há egiptólogo, por mais encartado que seja, que saiba uma parte suficiente da civilização a que dedica os seus aturados estudos de toda uma vida. Quando muito, sabem uma parte para entender as pistas do todo mas cada nova descoberta baralha as pistas e impõe o recomeço do entendimento.

Como fazer? Primeiro, abrir os olhos e o entendimento, situar no tempo, no espaço e nos símbolos. Depois, evitar o ponto de saturação, parando e passando ao relance, ficando pelo olhar, deixando que os sentidos completem a fruição. E ir tecendo enlaces com o que se sabe para se sair com uma síntese aproximada. Mais, tentando obter pistas para entendermos o que somos pelo que fomos. Ideologizando, enfim. Se a ideologia nos tenta matar a abertura da curiosidade, então que nos vinguemos servindo-nos dela para organizarmos a capacidade de aprender.

Julgo que em nenhum lugar do mundo restaram tantos sinais dos tempos como no Egipto. O que restou para se ver (a que há a somar o que está para encontrar) quase que desculpa o muito que se perdeu (por saque, por heresia, por inépcia, por insensibilidade). Não há mente que aguente tanto decifrar e entender, digo eu. O que talvez não passe de desculpa de mau turista a justificar ignorâncias acumuladas.

De uma forma geral, os egípcios da actualidade são ciosos da civilização que têm para guarda e rendimento. Até parece que aquela civilização milenar os habita. No entanto, os egípcios de hoje (tirando alguma minorias que perpetuam o fardo da opressão arrastada desde os milénios faraónicos) são-lhe tão (ou mais!) estranhos que nós porque eles estão filiados numa ideologia ocupante. Velha ocupação sim, mas apenas isso. O país está completamente islamizado (as minorias cristãs e judaicas são residuais) e ali continua com todos os sinais culturais de invasor e ocupante. Hábeis para o negócio, os muçulmanos puseram a render o negócio da egiptologia. E fazem-no admiravelmente bem. A fractura cultural quase que não se nota. E os euros correm como moeda corrente e sempre a pingar (até as moedas de cêntimo de euro servem nas compras). E eles sabem bem que o que está para extrair da guarda das areias se aproxima do inesgotável, o que lhes dá um pouco de tranquilidade quando pensam em como vão alimentar setenta milhões de bocas. Tanto têm e tanto irão ter que o Faraó Nasser deu de barato a destruição de grande parte da memória núbia para construir essa Pirâmide do século passado chamada Barragem do Assuão.
Publicado por João Tunes às 15:41
Link do post | Comentar

NILO E SINAI (1)

Destino de férias. Mais uma vez, a escolha foi do Pedro. Mas não a primeira porque essa sofreu duplo veto imediato. Japão? Nem pensar, fora de causa tantas horas seguidas amarrado a uma cadeira de avião. A alternativa surgiu-lhe de chofre: Egipto. Mas porquê Egipto? Por causa da civilização deles, foi o argumento rapidamente disparado. Convincente. Boa resposta e melhor motivo. Vamos nessa. Repentinamente, era mesmo para o Egipto, destino nunca antes pensado, que a todos estava a apetecer ir espairecer e enriquecer de vistas. Sítio com adivinhas de substância mais que muita. E com toda a probabilidade de ali estar o melhor bocado da costa sul mediterrânica e sendo, por sinal, o único que eu não conhecia. Tudo indicava que compensava o rombo nas finanças domésticas.

Acertados o quando e o como. Primeira semana, a descer o Nilo desde Assuão até ao Cairo (Sul para Norte). Na segunda semana, poiso de recuperação na Península do Sinai, já dentro da Ásia, com sedentarização em Sharm El Sheik no começo do Mar Vermelho. Única contrariedade à vista: seis horas de voo para lá e outras tantas na volta. Enfim, sempre melhor que zarpar para o Japão.
Publicado por João Tunes às 13:24
Link do post | Comentar | Ver comentários (3)
Domingo, 19 de Setembro de 2004

ÁGUA LISA

bottle.gif

- Com água lisa !

Estas eram palavras repetidas e ditas alto. Mas diga-se por verdade, que eram mais para escutar um som de vida viva do que para dar força à ordem do rito.

Autêntica chinesice era aquela de escolher entre diluir o álcool com água gasificada ou isenta de borbulhas carbónicas. Cada um sabia que estava a agarrar-se ao acessório. Mas a vida prega-nos destas – vivermos, termos de viver, com aparências para esquecer que o transitório está sempre a ameaçar com a estocada do ponto final. Ali, tinha de ser assim.

Por norma, o Cabo da Messe sabia como se rir, sem se notar, da nossa ansiedade fardada e com galões nos ombros carregados a albardar tristezas e vontades de zarpar. Ele olhava os nossos medos mesmo no centro dos nossos olhos milicianos e repetia, navegando as palavras até desaguar na sobriedade sisuda própria de um subalterno:

- Com água lisa !

A água vinha. O álcool também. E os olhos iam ficando cada vez mais pequeninos. Talvez fugindo do gozo do Cabo da Messe. Talvez tudo. Talvez nada. Porque, verdade mesmo, escolher água lisa era das poucas escolhas que restavam para espevitar o andar trôpego da espera.
Publicado por João Tunes às 00:51
Link do post | Comentar | Ver comentários (8)

j.tunes@sapo.pt


. 4 seguidores

Pesquisar neste blog

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Nas cavernas da arqueolog...

O eterno Rossellini.

Um esforço desamparado

Pelas entranhas pútridas ...

O hino

Sartre & Beauvoir, Beauvo...

Os últimos anos de Sartre...

Muito talento em obra pós...

Feminismo e livros

Viajando pela agonia do c...

Arquivos

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Links:

blogs SAPO